Publicidade
Publicidade
Por que precisamos de mais prêmios literários
PublishNews, Henrique Rodrigues, 24/05/2024
Em sua coluna, Henrique Rodrigues defende os concursos como forma de democratizar o acesso às práticas de escrita e leitura

Nesses anos de estrada por trás do balcão das letras, tenho acompanhado a evolução – e também a involução, em alguns casos – de vários segmentos relacionados à criação e difusão da nossa arte da palavra.

Durante as últimas décadas, multiplicaram-se os eventos literários pelo país. Em todo canto existe uma Fli alguma coisa, com os mais variados graus de porte e qualidade. Há eventos maravilhosos e referenciais, como a minha querida Flipelô, que energiza o Pelourinho (quem não foi ainda, fica a dica para visitar Salvador no início de agosto), a bonita Flipoços e, claro, a Flip, mãe de todos esses formatos, cuja influência foi tanta que fez as bienais, voltadas para a venda de livros, a criarem programações culturais cada vez mais volumosas e diversas.

Não podemos deixar de citar as siglas que, formadas pelo nome da respectiva cidade, fazem a alegria dos gaiatos de plantão. Entram aí Flit (que não é paralisante), FliPiu (onde não existe um animador fantasiado de pintinho como havia no programa do Gugu) e a campeã FliCu, realizada em Curitiba. Consta que o nome foi proposital, de modo que acredito ter alcançado o objetivo de chamar a atenção, já entrando para os anais da literatura contemporânea.

Entre os maiores eventos, há uma queixa recorrente por parte dos escritores de que a programação tem se tornado muito parecida, sempre com os nomes em evidência. Entendo essa operação: para conseguir captar recursos via Lei Rouanet, determinados eventos prometem que sua programação será abrilhantada (como se ouve esse termo em reuniões...) por celebridades. Conseguido o recurso, é possível pagar cachês maiores para chamar as pessoas mais renomadas, às vezes até “roubando” autores de outros eventos já anunciados. O resultado é que alguns eventos parecem mudar apenas o nome (após o Fli-) e o local, uma vez que os grandes nomes, sejam nacionais ou internacionais, são praticamente os mesmos. Como são celebridades, há muito público, então parece estar tudo bem. Mas não entre muitos autores, para quem esse esquema é preguiçoso e pouco preocupado em retratar, de fato, a diversidade da literatura brasileira.

Faço um balão aqui para entrar no assunto principal da coluna, que são as premiações literárias como porta de entrada na cena literária. Já escrevi sobre o assunto aqui, aqui e aqui. Gostaria de apontar para o fato de como determinados formatos de prêmios contribuem para, de forma democrática e criteriosa, irrigar várias etapas da cadeia produtiva do livro no Brasil.

Existem centenas de premiações literárias no Brasil, também de vários tipos e para os mais diferentes segmentos de escritores. Basta visitar o blog Concursos Literários aqui para se ter uma dimensão da oferta. Desse grande menu, quero destacar aqueles cujo objetivo é revelar autores inéditos por meio de uma seleção imparcial e publicá-los numa grande editora. Foi assim por 20 anos com o Prêmio Sesc, que revelou nomes como André de Leones, Luisa Geisler, Juliana Leite, Tobias Carvalho e tantos outros que tiveram esse primeiro grande empurrão na carreira e que mudaria as suas vidas radicalmente. Com os inúmeros tropeços da instituição, amplamente divulgados, a Record desistiu da parceria e o prêmio caiu em descrédito na área, mesmo porque seu novo edital tem uma censura escondida numa cláusula, segundo a qual a obra inscrita deverá ser voltada para “todos os públicos”, algo estranho de se definir, mas que certamente serve para evitar que obras como Outono de carne estranha, de Airton Souza, voltem a vencer o certame e incomodar as chefias.

De todo modo, as duas décadas de sucesso desse formato único deixaram claro que há muitos autores com grande potencial criativo no país. Devido às nossas dimensões continentais e a concentração de grandes editoras no cone Sul-Sudeste, para autores de diversos lugares ter uma obra publicada e distribuída parece um sonho distante. É claro que os prêmios, por conta do formato de seleção, não dão conta de toda a demanda, mas têm uma função simbólica de apresentar representantes das mais variadas localidades do país.

Quando a editora Pallas me convidou para criar um prêmio literário em função da comemoração dos seus 50 anos, recorri a esse modelo de selecionar alguém que nunca conseguiu publicar um romance para se tornar um/a autor/a da casa. Como a editora trabalha muito com a temática afrodescendente, optamos por direcionar o prêmio a pessoas autodeclaradas negras (pretas e pardas), para quem, infelizmente, o acesso a tudo no país é mais dificultado. Não sei ainda quem vencerá, mas desde já me comprometo a ajudar esse/a autor/a e sua obra o máximo possível, oferecendo uma tutoria sobre os processos de edição e da vida literária como um todo.

Para que não tenhamos só umas mesmas celebridades nos eventos literários, a fim de garantir público fácil e agradar patrocinadores, acredito que os prêmios podem ser grandes canais para descobrir e explicitar a pluralidade que temos no país. Aliás, juntar escritores conhecidos com iniciantes quase sempre rende bons debates nas festas literárias. Por isso é preciso que tenhamos cada vez mais prêmios com essa estratégia de descoberta e impulsionamento com a possibilidade de criação de uma carreira. De norte a sul temos muitas pessoas escrevendo grandes literaturas, precisando apenas que lhes abram os caminhos.

Henrique Rodrigues nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, em 1975. É curador de programações literárias e consultor para projetos e programas de formação de leitores. Formou-se em Letras pela Uerj, cursou especialização em Jornalismo Cultural pela Uerj, mestrado e doutorado em Letras pela PUC-Rio. Já foi atendente de lanchonete, balconista de videolocadora, professor, superintendente pedagógico da Secretaria de Estado de Educação do RJ, coordenador pedagógico do programa Oi Kabum! e gestor de projetos literários no Sesc Nacional. É autor de 24 livros, entre poesia, infantis, juvenis. www.henriquerodrigues.net

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Em sua coluna, Henrique Rodrigues apresenta sugestões de ações práticas contra o cerceamento à literatura
Em sua coluna, Henrique Rodrigues comenta a recorrente perseguição à literatura contemporânea
Em nova coluna, Henrique Rodrigues comenta as temáticas literárias das escolas de samba do Carnaval carioca
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre o papel das premiações na trajetória de autores
Em sua coluna, Henrique Rodrigues faz duas críticas sobre pontos recorrentes à Bienal do Livro e defende a implementação de atividades de leitura no cotidiano
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Seção publieditorial do PublishNews apresenta livros publicados pela Aboio e Outono Edições e escritos por Milena Martins Moura e Francirene Gripp de Oliveira
'O Cordeiro e os Pecados dividindo o pão', obra de Milena Martins Moura, aborda a ligação entre o sagrado e o desejo feminino, numa releitura subversiva das figuras femininas míticas arquetípicas
Obra infantojuvenil de Francirene Gripp de Oliveira conta a história de um dinossauro que aparece num parque de conservação ambiental em pleno Cerrado de Minas Gerais
Nossa equipe conversou com Luciana Gil e Alessandra Effori, da livraria Bibla, aberta em maio, e com Jessica Nolte, da Casa Cosmos, que abrirá no segundo semestre
Os livros são o entretenimento perfeito: sem anúncios, sem bateria, horas de prazer a cada dólar gasto.
Stephen King
Escritor americano
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar