Publicidade
Publicidade
Concursos literários: sonho, loteria ou maracutaia?
PublishNews, Henrique Rodrigues, 08/02/2019
Em sua coluna, Henrique Rodrigues avalia os diferentes formatos de premiações

Dentre as histórias envolvendo o reconhecimento tardio de obras literárias, é bem conhecida aquela em que Fernando Pessoa teria ficado em segundo lugar no prêmio promovido pelo do Secretariado Nacional de Propaganda de Portugal, em 1934. O livro Mensagem, concorrendo ao Prêmio Antero de Quental, perdeu para Romaria, do padre Vasco Reis, de quem hoje quase ninguém se lembra.

O que hoje soa como grande injustiça literária é uma das versões, provavelmente iniciada com João Gaspar Simões, em cuja biografia de Pessoa afirma que o poeta recebeu apenas um prêmio de consolação. O próprio Vasco, décadas depois, reconheceria a superioridade de Mensagem, tendo passado toda a vida com o estigma de quem roubou o primeiro lugar do grande poeta que foi Pessoa. (Assumia-se Vasco, pois, como vice...) No entanto, o que pouco se diz é que houve um lobby nos bastidores da premiação a fim de favorecer Pessoa, já bastante conhecido à época, tendo sido criada uma segunda categoria para poemas soltos ou único poema, oferecendo os mesmos 5 mil escudos do outro vencedor. O júri do tempo, bem mais imparcial no fim das contas, encarregou-se de filtrar o melhor texto.

Polêmicas e críticas em torno de prêmios literários provavelmente nasceram com eles. Escolher alguns significa, obviamente, preterir todos os outros candidatos, de maneira que sempre são geradas dúvidas quanto ao que acontece nos bastidores – como, em geral, acontece com um jogo de futebol. Muitos se lembram do caso em torno do Prêmio Jabuti, o mais tradicional no Brasil, ocorrido no ano passado, que começou com uma reformulação e terminou com comentários homofóbicos em redes sociais do seu curador, que acabou se demitindo. Ou mesmo do próprio Nobel de Literatura concedido em 2016 a Bob Dylan, que não seria um escritor propriamente dito, mas músico e compositor. Ano passado o Nobel sequer foi apresentado, uma vez que um dos membros da Academia Sueca foi acusado de violentar 18 mulheres.

Mas por que os prêmios literários, com sua natureza excludente, de peneira, são tão desejados ao mesmo tempo em que são constantemente passíveis de questionamento?

Se por um lado os prêmios voltados para autores já consagrados e com muitos quilômetros rodados não escapam dessas tretas, como ficam aqueles que podem ser as primeiras oportunidades de publicação? Os concursos literários sempre foram uma oportunidade de sair do anonimato, mesmo porque o acesso à produção cultural, em todas as suas manifestações, sempre esbarrou um muro quase intransponível para artistas brasileiros. A maioria dos escritores surgidos e estabelecidos no último século pertence à classe média dos grandes centros urbanos, ou que migrou para estes locais.

O caminho que sempre foi, digamos, normal é que esse autor iniciante conseguisse ter um contato com o mais conhecido, que por motivos dos mais variados (e entre os positivos citaria a aposta no novo nome pela qualidade do texto) o ajuda a publicar e conseguir algum espaço. Quem vivesse fora do raio de ação de um padrinho teria mais dificuldades. Há coisa de 15 anos, os blogs se estabeleceram como canais mais democráticos para que essa nova geração fosse lida, e hoje as plataformas de autopublicação fazem sucesso entre aspirantes. E publicar uma tiragem de 100 exemplares numa editora pequena está relativamente fácil. Mas ainda assim, no meio de tanta coisa sendo escrita, parece haver um desejo de validação por meio de um concurso.

A cada ano me espanto com o volume de livros submetidos ao Prêmio Sesc de Literatura, voltado apenas para contistas e romancistas inéditos e cujo troféu é a publicação pela Record e um circuito literário pelo país. Enquanto escrevo, com as inscrições abertas, já passam dos mil volumes enviados. Pensando friamente, é uma chance contra centenas. Mas ainda assim os relatos dos vencedores indicam que vários deles passaram o ano inteiro preparando o texto para o certame.

Há uma infinidade de concursos literários voltados para inéditos, outros que aceitam livros de autores já publicados – mesmo porque vários escritores, depois da estreia, ficam sem ter onde publicar e engavetam novas produções. Existem também aqueles que considero uma grande furada, que oferecem apenas a publicação numa antologia sem nenhum direito autoral, ou que dão como prêmio um pacote de livros impressos (nunca serão distribuídos) ao vencedor, que os leva para casa e vê, com o tempo, as páginas ficarem tão amareladas quanto seu desejo de ser escritor publicado.

Os prêmios literários devem existir em quantidade proporcional ao volume de pessoas interessadas neles. No caso daqueles voltados aos já publicados, que prevaleça a qualidade do texto antes de tudo. Já naqueles para iniciantes, que sejam um início e não um fim, para que não morram na praia. Em ambos os casos, é preciso haver critérios bem definidos nos editais. Assim como no futebol, a regra precisa ser clara – mesmo para que, como ocorreu em Portugal, não surjam mais Vascos vicejando com literaturas de segunda.

Henrique Rodrigues nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, em 1975. É curador de programações literárias e consultor para projetos e programas de formação de leitores. Formou-se em Letras pela Uerj, cursou especialização em Jornalismo Cultural pela Uerj, mestrado e doutorado em Letras pela PUC-Rio. Já foi atendente de lanchonete, balconista de videolocadora, professor, superintendente pedagógico da Secretaria de Estado de Educação do RJ, coordenador pedagógico do programa Oi Kabum! e gestor de projetos literários no Sesc Nacional. É autor de 24 livros, entre poesia, infantis, juvenis. www.henriquerodrigues.net

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Em nova coluna, Henrique Rodrigues comenta as temáticas literárias das escolas de samba do Carnaval carioca
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre o papel das premiações na trajetória de autores
Em sua coluna, Henrique Rodrigues faz duas críticas sobre pontos recorrentes à Bienal do Livro e defende a implementação de atividades de leitura no cotidiano
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre como os eventos literários podem criar desdobramentos locais
Em sua coluna, Henrique Rodrigues aponta para a necessidade de entendimento e profissionalização de artistas da palavra
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos da Editora Vista Chinesa, Uiclap e um livro independente
Escrito por Marina Hadlich, 'Até essa comédia se tornar romântica' é uma história divertida e com uma personagem que ultrapassa as páginas e conversa diretamente com o leitor
Publicado pela UICLAP, livro de Luiz Müller é um guia completo que conta a história geral da ordem maçônica
Um livro deve existir por si mesmo na cabeça de cada leitor. Tudo o que o autor tinha para dizer sobre o livro já está lá, em cada página, do começo ao final.
João Ubaldo Ribeiro
Escritor brasileiro
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar