Publicidade
Publicidade
Desenhar uma livraria
PublishNews, Leonardo Garzaro, 23/01/2024
Ao saber que 20 artistas se reúnem para desenhar uma livraria, em um sábado pela manhã, sinto uma enorme esperança

Eu estava ao telefone com a Adriana Haddad, da Livraria Candeeiro, tentando conciliar nossas agendas para um evento literário. Ela sugeriu a quinta, porém eu não podia. Sugeri o sábado, mas ela declinou. "No sábado, não posso. Vem um pessoal aqui desenhar a livraria". Como sempre acontece quando converso com a Adriana, desviamos do assunto. Começamos falando de um pedido, avançamos para o último livro do Marcelo Soriano. Discutimos uma consignação, enveredamos pela chuva que danificou o telhado da livraria. Pura digressão. Naquele dia, não foi diferente. A data do evento ficou em segundo plano. Me interessava saber quem iria desenhar a livraria. "Ah, você precisa conversar com a Fernanda Bonon."

O evento, por fim, aconteceu duas semanas depois. Já a conversa com a Fernanda demorou meses. Nesse meio tempo, escrevi sobre uma livraria no Brooklin e sobre um apaixonado casal de editores sulamericanos. Entrevistei a Prisca Agustoni, vencedora do Oceanos, para rascunhar dez versões de uma coluna que ainda não consegui terminar (vai sair, Prisca!). Quando finalmente consegui me reunir com a Fernanda, pude escutar a resposta da pergunta formulada meses antes: Como assim, desenhar uma livraria?

A ação na Livraria Candeeiro é parte do Urban Sketcher Campinas, organizado pela Fernanda Bonon, Lui Bonon, André Lopes e Jonathan Melo. O grupo surgiu em 2018 e já realizou 43 ações. O projeto foi fundado em 2007 nos EUA pelo artista visual Gabriel Campanario. Hoje são 417 grupos em atuação em 73 países, número que dobra a cada três meses. No Brasil, começou em São Paulo, em 2008, pelas mãos do arquiteto paulista Eduardo Bajzek. E teve início em Campinas quando os administradores, cansados de ir a São Paulo para participar, decidiram retratar sua própria cidade, exercendo a parte que lhes cabia do lema "nós mostramos o mundo, um desenho a cada vez".

Primeiro, escolhe-se o local, não através do voto, mas do consenso. Depois, o destino é anunciado através das redes sociais para orientar tanto os veteranos quanto os recém-chegados. O projeto é gratuito, sem qualquer investimento público ou privado, sem qualquer faturamento. Inclusive, os participantes costumam levar material extra para quem se interessa em participar. As histórias me encantaram: um homem que se aproximou do grupo que desenhava a Praça da Matriz, em Itu, ilustrando em uma folha de bananeira. Foi convidado a participar. Descobri também que o grupo maranhense, organizado pela Regina Borba, lutou pela preservação da casa onde viveu o escritor Aluísio de Azevedo ilustrando o imóvel. A casa onde foi escrito o clássico O Mulato corria o risco de virar um estacionamento. Por fim, o projeto de restauro foi aprovado e hoje o imóvel se encontra preservado.

Claro, há outras histórias. Certa vez, no Maranhão, o grupo foi assaltado enquanto desenhava. Em um dos encontros, o grupo de Campinas decidiu desenhar a rodoviária: foram cercados e intimidados pelos seguranças até abandonarem o local. E há sempre os inconvenientes, como bem sabe quem quer que tenha participado de qualquer ação em um espaço público (testemunham meus anos de teatro de rua). A postura do grupo de desenhistas, contudo, é sempre de conversar, explicar e convidar.

No dia em que foram ilustrar a Livraria Candeeiro, chegaram às nove da manhã do sábado em 20 pessoas, que logo se espalharam pelo local, cada artista buscando seu ponto de vista. Desenharam a fachada, desenharam uma das funcionárias lendo próxima do cantinho do café, desenharam livros acomodados sobre o piano vermelho. Dezenas de pontos de vista desta linda livraria no Cambuí, Campinas. Descobri que o grupo já desenhou a biblioteca Manoel Zink e que a Fernanda ilustrou a Porão Livro & Café, de Brasília.

Fiz questão de começar o ano escrevendo sobre este coletivo de ilustradores. O mundo segue assolado pelos mesmos terríveis problemas do ano passado: as guerras, a catástrofe climática, a desigualdade abissal. Poderia citar uma dezena de tragédias. Contudo, ao saber que uma vintena de artistas se reúne para desenhar uma livraria, em um sábado pela manhã, não posso deixar de sentir uma enorme esperança. A arte salva. Que o futuro nos seja gentil.

Leonardo Garzaro é escritor, editor e jornalista. Paulista, nascido em 1983, fundou diferentes editoras independentes e editou dezenas de livros. Seu primeiro romance, o infantojuvenil O sorriso do leão, teve os direitos vendidos para editoras de seis países, com traduções para o inglês, espanhol, turco e árabe. Alguns de seus contos foram publicados na premiada revista norte-americana Literal Latin Voices. É consultor de literatura brasileira das editoras Interzona, da Argentina; Arlequin Ediciones, do México; e Corredor Sur, do Equador. Lançou em 2022 O guardião de nomes, que foi elencado como um dos melhores romances de 2022 pelo Suplemento Literário Pernambuco.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
A editora havia sido inaugurada poucos antes quando um agente me trouxe a proposta: Que tal publicar o livro do rei do TikTok?
O editor argentino Luciano Paez Souza se diz um afortunado por ter nascido não em um berço de ouro, mas sim em um berço de livros; ao conhecer a sua história, é difícil discordar
Segundo a ANL, o Brasil tem 2.972 livrarias, 1.167 em São Paulo. Esta é a história de uma delas
Seria difícil explicar para meu amigo Sherif Bakr, que veio do Egito para o Rio, com escala em Doha, que eu não conseguiria ir até o Rio
Em nova coluna, Leonardo Garzaro conta sua experiência com editores chineses e lembra como é importante bater em muitas portas antes que alguma se abra
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos da Editora Vista Chinesa, Uiclap e um livro independente
Escrito por Marina Hadlich, 'Até essa comédia se tornar romântica' é uma história divertida e com uma personagem que ultrapassa as páginas e conversa diretamente com o leitor
Publicado pela UICLAP, livro de Luiz Müller é um guia completo que conta a história geral da ordem maçônica
A literatura é a cura e a doença. Eu entrei nesse jogo.
João Paulo Cuenca
Escritor brasileiro
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar