Publicidade
Publicidade
Os androides somos nós
PublishNews, Paulo Tedesco, 20/07/2023
Os robôs trabalhadores da arte e da cultura pensarão a partir de ideias artísticas herdadas ou 'adquiridas' de meia dúzia de artistas e criadores, como vemos os desenvolvedores de memórias nos androides de 'Blade Runner'?

Seremos relegados a trabalhos nas pontas extremas da curva da cauda longa? | © 2017 Alcon Entertainment, LLC
Seremos relegados a trabalhos nas pontas extremas da curva da cauda longa? | © 2017 Alcon Entertainment, LLC

Deixei o debate rolar rezando para que um outro artigo que escrevi para o PublishNews se mostrasse absolutamente equivocado. Em outras palavras, torcia para que a discussão sobre inteligência artificial (IA) comprovasse seu lado positivo, e que fosse muito superior aos seus eventuais e nocivos efeitos colaterais...

E estava errado, tristemente errado, ruidosamente errado. A propaganda com IA em rede nacional com Elis Regina me jogou às cordas. Mas voltei. Reequilibrei-me e repensei: a IA é vital, indispensável, vai revolucionar o mundo, e haverá sim limitações, mas a ciência dará conta e a utilizará para o bem somente. Aliás, pensei que seu uso para fazer histórias e criar imagens poderia até, veja bem, proporcionar nova onda criativa, abrindo possibilidades artísticas e filosóficas. A Elis rediviva afinal não teria sido tão ruim, nem o carro também redivivo que o avatar dirigia...

De repente, e de onde jamais esperava, surgiu o golpe fatal: uma greve de artistas de Hollywood, que se somava a dos roteiristas já em curso, falando nos danos da IA. E o que pediam, o que diziam? Além de reajustes salariais e revisão acordos massacrantes com as grandes empresas, pediam simplesmente freios à IA (inteligência artificial)! Isso mesmo, freios ao uso indiscriminado de uma conquista da moderna tecnologia. Que ela não fosse usada para substituir atores, que não fosse usada para escrever roteiros e histórias, que fosse regulada e fiscalizada pelos sindicatos de artistas e roteiristas. Enfim, que ela não transformasse a gigantesca capital do cinema em uma fábrica de androides.

Pois os androides de Blade Runner, filme de Ridley Scott a partir da obra de Phillip K. Dick, – aqueles seres similares aos humanos, criados para trabalhar como escravos na exploração de outros planetas; seres mecânicos e de memória implantada, e que reivindicam mais tempo de vida para além de sua programada eliminação – podem vir a ser nós mesmos, os humanos artistas.

Seremos relegados a trabalhos nas pontas extremas da curva da cauda longa, cometas de passagem rápida no alto da curva ou seres obscuros e dependentes de nichos cada vez mais reclusos na ponta oposta mais esquecida da mesma curva. No meio de tudo estarão os robôs e a IA trabalhando vinte e quatro horas por dia e sete dias da semana (sem custos exceto a manutenção). Os robôs trabalhadores da arte e da cultura pensarão a partir de ideias artísticas herdadas ou “adquiridas” de meia dúzia de artistas e criadores, e dos obscuros da cauda dos nichos, exatamente como vemos os desenvolvedores de memórias para implante nos androides que bem aparecem na recente continuação do filme do mesmo diretor de Blade Runner.

Temos, no Brasil, uma boa lei como projeto (Orlando Silva – PCdoB/SP) para regulamentar as grandes empresas digitais, e sinalizar a demarcação do que pode e o que não pode na loucura do digital. E, pelo que sei, os direitos autorais estão nesse projeto, assim como a proteção a quem produz conteúdo nacional. Mas a classe artística precisa aprender com Hollywood, porque vem mais “chumbo grosso” por aí. Todo o dia é uma nova mídia, nova rede social, novo canal streaming, novo, novo, novo, e os lucros de quem de fato escreve, encena, dubla, dirige, edita? Seria correto retirar os direitos autorais (nas palavras da estrela de cinema Matt Damon) ou anulá-los como ocorre em muita série que assistimos? Admitamos, a guerra foi declarada.

Paulo Tedesco é escritor, editor e consultor em projetos editoriais. Desenvolveu o primeiro curso em EAD de Processos Editorais na PUCRS. Coordena o www.editoraconsultoreditorial.com (livraria, editora e cursos). É autor, entre outros, do Livros Um Guia para Autores pelo Consultor Editorial, prêmio AGES2015, categoria especial. Pode ser acompanhado pelo Facebook, Twitter, Instagram e LinkedIn.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Paulo Tedesco escreve sobre a valorização do trabalho manual versus o trabalho intelectual e criativo
Em novo artigo, Paulo Tedesco lembra que 'nunca é tarde para reagir' e que ainda há muito a ser feito em 2024
As distantes galáxias separadas da Terra pelo vácuo parecem muito com as críticas, por exemplo, sobre o preço do livro
Em novo artigo, Paulo Tedesco faz um paralelo entre homens e livros e a sociedade como uma grande biblioteca e sobre como ela merece ser lida com maior profundidade e nas entrelinhas
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Editoras dos selos Verus e Harlequin conversaram sobre as mudanças nas editoras, as características dos gêneros literários, sobre a negociação com os autores e autoras e outros assuntos
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos da Editora Vista Chinesa, Uiclap e um livro independente
Escrito por Marina Hadlich, 'Até essa comédia se tornar romântica' é uma história divertida e com uma personagem que ultrapassa as páginas e conversa diretamente com o leitor
Acho que escrever ficção é uma forma, mais difícil do que a não-ficção, de desmontar os clichês que rondam as vidas de todos nós.
Paulo Roberto Pires
Escritor brasileiro
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar