Publicidade
Publicidade
A enchente do estado mínimo
PublishNews, Paulo Tedesco, 21/05/2024
Um pedido de apoio ao mercado editorial e gráfico gaúcho

Aqui no Sul, como no resto do país, é digna e respeitável a iniciativa de se incentivar a compra e o prestígio de editoras gaúchas, para a recuperação financeira diante das enchentes. E talvez seja o melhor caminho, discreto e brasileiro (indireto e sedutor), de se dizer, olha, precisamos ajuda também, assim como todos que dependem do mundo físico para sobreviver.

Mas vem outra pergunta: peraí, como assim? Uma editora, como um autor, não publica para seu pequeno círculo de amizades, tampouco para uma cidade. Vendemos e publicamos para o Brasil. Estamos ou não num mundo globalizado e sem fronteiras? Este mundo livre para a circulação de capitais, para notícias e ideias? Então precisamos de apelo de capital para todos, mais do que vendas, mais do que leitores, precisamos atenção especial de quem pode de fato alavancar, com qualidade, essa indústria que está na lama marrom.

O mercado editorial e gráfico gaúcho precisa de apoio | © Divulgação
O mercado editorial e gráfico gaúcho precisa de apoio | © Divulgação
E é este o meu apelo, algo de quem está a cinco minutos do epicentro dos alagamentos em Canoas (RS). Precisamos que todos os poderes públicos e instituições de fato invistam nas editoras. É louvável campanhas promotoras de venda para o varejo, direto ao consumidor, mas há compras em bons volumes, além do auxílio para utilização de gráficas, essas que localmente também muito sofrem com as águas, e é dessas que mais precisamos.

O Sistema S, SESC, SENAI, SESI, SENAT, SEST, por exemplo, tem bibliotecas espalhadas pelo Brasil inteiro e pode e deve buscar as editoras e câmaras para atualizarem suas estantes. Escolas particulares em rede não são poucas nos diferentes níveis, e podem sim fazer parte desse esforço. O óbvio, governos estaduais e municipais devem fazer o mesmo. Isso e muito mais.

Tudo bem, o governo do Rio Grande do Sul preferiu gastar com juros de dívida e sabe-se o que lá a mais, e deixou qualquer medida de proteção para as cheias a Deus dará. E vimos escandalizados o ocorrido. Se tivesse pelo menos comprado livros, teríamos uma constrangida culpa e a discussão seria outra.

Mas o que interessa é que esse papo de estado mínimo do neoliberalismo só existe na hora de desidratar empresas públicas importantes, e de se eximir de responsabilidades para quando dos desastres o governante aparecer como salvador e herói da pátria.

Os editores, livreiros, distribuidores, gráficos, entregadores e trabalhadores do livro precisam voltar a trabalhar. Na capital Porto Alegre já se sabem os culpados, e não foi só o Guaíba, e o MP está investigando. No interior e arredores da capital, as prefeituras também deixaram a desejar, muito, mas o governo estadual, que detinha dados e experiências reais, e recentes, para mitigar o ocorrido nada fez porque foi neoliberal: ou seja, irresponsável com o povo.

Quero dar suporte ao esforço do Clube do Editor do RS, da Câmara Riograndense do Livro (CRL), e mais entidades que apoiam e promovem o mercado editorial. Aliás, o Sindigraf (das empresas gráficas) pode também entrar nessa. Meu apoio, portanto, a todos que tentam, com suas limitadas estruturas atenção especial ao mundo do livro no Rio Grande do Sul. Não é nada bonito ver um depósito com milhares de livros totalmente tomado pelas águas, tampouco uma linda livraria, e não ter ombro onde chorar.

Paulo Tedesco é escritor, editor e consultor em projetos editoriais. Desenvolveu o primeiro curso em EAD de Processos Editorais na PUCRS. Coordena o www.editoraconsultoreditorial.com (livraria, editora e cursos). É autor, entre outros, do Livros Um Guia para Autores pelo Consultor Editorial, prêmio AGES2015, categoria especial. Pode ser acompanhado pelo Facebook, BlueSky, Instagram e LinkedIn.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Em novo artigo, Paulo Tedesco fala sobre a importância da regulação da comunicação digital e ações para frear a mentira e a violência digital e informativa
A L&PM foi a pioneira na produção, mas principalmente na manutenção das vendas de livros de bolso no Brasil
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Paulo Tedesco escreve sobre a valorização do trabalho manual versus o trabalho intelectual e criativo
Em novo artigo, Paulo Tedesco lembra que 'nunca é tarde para reagir' e que ainda há muito a ser feito em 2024
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Escrito por Gilber Rubim Rangel, 'Dicionário da genealogia' contém 3.500 verbetes e mais de 100 imagens, fornecendo informações claras e detalhadas sobre termos e conceitos-chave relacionados à genealogia
Seção publieditorial do PublishNews apresenta a obra 'Dicionário da genealogia', de Gilber Rubim Rangel e o terror nacional de Douglas Lobo, 'Terra amaldiçoada'
Obra de Douglas Lobo é um terror nacional que mescla a clássica tradição do romance regionalista nacional com um suspense sobrenatural
Em novo artigo, Gustavo Almeida discorre sobre o indicador da presença da arte imaterial individualizada ao abordar o caso da escritora Ana Maria Caballero que vendeu sua obra online por US$ 11,43 mil em leilão
Nós percebemos que temos que estar onde nosso público está. Entendemos que cada vez mais nosso público principal está nas redes sociais, assistindo streaming e ouvindo podcast.
Heloiza Daou
Diretora de marketing da Intrínseca e vencedora do Prêmio PublishNews de 2017
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar