Publicidade
Publicidade
Dissimuladamente vivos
PublishNews, Paulo Tedesco, 16/12/2022
Em seu último artigo de 2022, Paulo Tedesco fala sobre o que esperar para o próximo ano

Há alguma segurança no horizonte, não é difícil acreditar. Há indicativos de que gente séria e consequente ainda prefere a democracia, ainda prefere o rito legal do que o caos golpista, é algo que pode ser visto, sim, nas manifestações que nos chegam. Talvez, diferentemente, de outros momentos em que a sombra do golpe de estado rondou o país, desta vez, ao que parece, há certa confiança na estabilidade político-democrática. Enfim, ainda acreditamos que, no próximo 1º de janeiro, o presidente eleito tomará posse e sem qualquer soluço golpista.

Porém, a se ver o espaço que a gritaria de meia-dúzia teve por eco, como no caso dos acampamentos diante de quartéis, e seus inesperados apoiadores, feito algumas polícias e até um sindicato de engenheiros do RS, fica patente que a vontade e esculhambar o jogo democrático e fazer o país retroceder ainda mais é grande, muito grande. E pelo visto permanecerá latente por anos.

Se o governo que assume governará e trará o crescimento e o combate à fome para o centro do jogo, todos acreditamos que sim, afinal, perto do governo Bolsonaro, qualquer ação já significa um expressivo movimento. E cá entre nós, se houve um governo inepto e caótico, foi esse que sai. Nem os mais apagados do período da república café-com-leite foram tão ruins e inertes. E olha que não está a se falar em corrupção, como dos governos movidos a voto de cabresto, típicos da era do café, mas é de bagunça mesmo, abandono e destruição da máquina pública.

Gosto de me perguntar sobre quais escritores e historiadores estão já a escrever sobre o que foi esse horror vivido desde a posse de Bolsonaro, ou antes, quando Dilma foi deposta de maneira vergonhosa e irregular. Excelentes biografias e relatos sobre a ditadura saem com frequência, ainda melhores são aqueles que analisam os períodos de Vargas e até muito antes, quando do Brasil Império e início da República. São momentos marcantes da nossa história, momentos de virada e de novos rumos. É divertido pensar no que virá como análise.

Ouvi que com Bolsonaro morria o período da Nova República, instaurada com a entrada de Sarney na presidência, e ratificada pela constituição de 1988. E aqui começa também minha curiosidade, como chamaremos esse novo período que surge? Será, de fato um novo período? É verdade que os atores mudaram, não muito, é verdade, igualmente, que a história mundial não é mais a mesma. Em outras palavras, tudo mudo, ainda que algo disfarçado.

O mundo da bipolaridade nuclear cedeu ao unipolar, nos 1990, e por sua vez, este cede, agora, ao multipolar. Também é inequívoca a decadência norte-americana, país de presença constante nas políticas sul-americanas. A inflação estaduninense, associada aos seus desequilíbrios financeiros, avisam uma repetição do que foi o desmantelamento da antiga URSS. É assustador, reconheço, mas há quem aposte nisso para não muito tarde.

E retorno aos horizontes, porque muitos devem pensar: qual história do Brasil recente? Ou se a vaga golpista se reanimar, resistiremos à censura direta e objetiva de algum insano que resolva chegar à força no poder? Honestamente, creio que o país seguirá adiante, democrático, mas aos solavancos, aos protestos, arrastadamente para um futuro melhor, bem melhor, até porque, melhorar o país do buraco da pandemia e logo após, não me parece ser muito difícil.

Quem viver verá.

Paulo Tedesco é escritor, editor e consultor em projetos editoriais. Desenvolveu o primeiro curso em EAD de Processos Editorais na PUCRS. Coordena o www.editoraconsultoreditorial.com (livraria, editora e cursos). É autor, entre outros, do Livros Um Guia para Autores pelo Consultor Editorial, prêmio AGES2015, categoria especial. Pode ser acompanhado pelo Facebook, Twitter, Instagram e LinkedIn.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Paulo Tedesco escreve sobre a valorização do trabalho manual versus o trabalho intelectual e criativo
Em novo artigo, Paulo Tedesco lembra que 'nunca é tarde para reagir' e que ainda há muito a ser feito em 2024
As distantes galáxias separadas da Terra pelo vácuo parecem muito com as críticas, por exemplo, sobre o preço do livro
Em novo artigo, Paulo Tedesco faz um paralelo entre homens e livros e a sociedade como uma grande biblioteca e sobre como ela merece ser lida com maior profundidade e nas entrelinhas
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
As ruas foram tomadas por um público leitor majoritariamente jovem que me deu esperança de um futuro urgente
Publicado pela Giostri, 'Brancos não sabem pedalar', de Vanderson Castilho Munhoz, se passa em 2035, em um Brasil governador por um ditador que apoia o domínio no futebol brasileiro do Clube de Regatas Flamengo
Obra escrita por Paula Carminatti faz parte da duologia 'Ária de Yu'
Escrita por Juily Manghirmalani, 'Vivências asiático-brasileiras: raça, identidade e gênero' aborda questões como identidade cultural, autorreconhecimento, conflitos geracionais e construção de mitos sobre os povos asiáticos
Tive certeza de que viveria da literatura e que enquanto alguns capitalizavam a realidade, eu fazia parte dos que socializavam sonhos.
Sérgio Vaz
Criador da Cooperifa
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar