Publicidade
Publicidade
Eventos presenciais: vamos começar tudo de novo
PublishNews, Henrique Rodrigues, 06/01/2022
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre a expectativa para a retomada de eventos literários

Depois de um longo e tenebroso período pandêmico, nossas esperanças se voltam para a possibilidade de retorno ao antigo normal. Que, vale dizer, já não estava nada fácil. Caso as previsões se confirmem, decretaremos de vez o fim da era das lives, que já deram o que tinham que dar, convenhamos.

(Enquanto escrevo, vejo as manchetes sobre o crescimento da nova variante da covid. Nesse caso, essa coluna otimista com título que faz lembrar uma letra de Beto Guedes pode caducar em breve, de modo que sigo no risco mesmo assim.)

Pera lá. É preciso reconhecer que as lives e outros formatos que se utilizam das redes sociais foram responsáveis por muitos diálogos, permitindo alguma interação entre escritores e leitores nesse período. Por ser on-line, a coisa foi mais democrática, pois uma pessoa numa cidade mais afastada dos grandes centros urbanos poderia participar de um bate-papo – ou, o que é até mais importante, ela mesma ser uma das participantes do encontro.

Por outro lado, vale lembrar que as lives cansaram um pouco, talvez tenham até se banalizado como formato, visto que no mundo digital tudo envelhece mais rapidamente. Além de travamentos e outras limitações tecnológicas, alguns profissionais da área não são muito familiarizados com a ideia de falar olhando para uma câmera, especialmente se estiverem isolados.

Talvez para a turma de booktubers, já acostumados com o processo de gravação e edição de vídeos, tenha sido mais fácil atravessar esse caminho. Mas vi muitos escritores, isolados em suas casas, constrangidos por não saberem configurar corretamente os aparelhos, tendo que ainda administrar luz, interferências sonoras e outros detalhes técnicos. Ora, eles não são obrigados a essas adequações da noite para o dia: escrever já é muito, não?

Participei de um catatau de lives no período e, apesar de não parecer, algumas são extenuantes. E vale lembrar: o mundo da literatura não é o mesmo das apresentações musicais populares, cujos cachês foram bem altos para figurarem nas telinhas durante a pandemia. Saiba que, na maioria dos encontros literários que você viu pela internet nos últimos meses, os participantes não receberam um centavo. Como escrevi aqui há uns anos, considera-se normal no Brasil que escritores trabalhem de graça.

Outro aspecto, que considero dos mais relevantes para a retomada dos eventos presenciais, é que os eventos literários são fundamentais para a sociabilização das pessoas que compõem toda a cadeia produtiva da área: escritores, leitores, editores, ilustradores e produtores culturais.

A literatura é uma das formas de arte mais solitárias, de modo que os eventos literários constituem não só a oportunidade de escritores saírem da toca, mas que os próprios leitores se encontrem e compartilhem as muitas experiências em torno da literatura. É por essas e outras que pensar uma “Flip virtual” soa quase como uma contradição em termos. Não se trata apenas de ver palestras, mas todo um conjunto de vivências e experiências cuja premissa é justamente a presença física, o olho no olho.

Recentemente, participei de alguns eventos literários presenciais. Depois de tanto tempo, parece que valorizamos mais cada etapa, desde o contato com a equipe de produção, o encontro em si e o papo boêmio pós-evento – a que chamamos, carinhosamente, de paradidático. Fiquei comovido quando um senhor de quase 80 anos disse que sonhava em publicar seu primeiro livro. E quando minha jovem colega de mesa narrava o seu esforço para criar uma biblioteca comunitária na favela carioca onde morava.

Em Foz do Iguaçu, foi marcante visitar também uma escola pública, onde crianças recebiam pela primeira vez um escritor desde que a pandemia havia começado.

É nessas ocasiões em que também aprendemos muito sobre o ofício. Quando um menino de 10 anos me perguntou qual a importância de discutir política com crianças e lutar contra as formas de repressão, me fez refletir acerca de bastante coisa. Tinha acabado de ler com eles um trecho da adaptação para jovens do livro A Revolução dos Bichos que estava lançando, cujo exemplar deixaria de presente para a biblioteca da escola, a fim de fisgar aqueles leitores para quem jogara as iscas em forma de fábula. Como disse C. S. Lewis: “A criança não despreza florestas reais porque leu sobre florestas encantadas: a leitura faz todas as florestas reais um pouco encantadas”.

Outra pergunta interessantíssima de outra criança, que meu deu certa confusão inicial: qual o primeiro livro que postei? Para ela, postar e publicar são sinônimos. De fato, em vários aplicativos o verbo é publicar mesmo, então faz todo o sentido que para ela o processo de publicação de um livro seja o mesmo que tornar público um texto pelo celular.

Todas essas vivências só se tornam realmente possíveis quando estamos juntos, lendo, trocando ideias e discutindo. Por isso, ficamos na torcida para que esse antigo normal retorne o quanto antes. E com cachê, certo?

Henrique Rodrigues nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, em 1975. É curador de programações literárias e consultor para projetos e programas de formação de leitores. Formou-se em Letras pela Uerj, cursou especialização em Jornalismo Cultural pela Uerj, mestrado e doutorado em Letras pela PUC-Rio. Já foi atendente de lanchonete, balconista de videolocadora, professor, superintendente pedagógico da Secretaria de Estado de Educação do RJ, coordenador pedagógico do programa Oi Kabum! e gestor de projetos literários no Sesc Nacional. É autor de 24 livros, entre poesia, infantis, juvenis. www.henriquerodrigues.net

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Em nova coluna, Henrique Rodrigues comenta as temáticas literárias das escolas de samba do Carnaval carioca
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre o papel das premiações na trajetória de autores
Em sua coluna, Henrique Rodrigues faz duas críticas sobre pontos recorrentes à Bienal do Livro e defende a implementação de atividades de leitura no cotidiano
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre como os eventos literários podem criar desdobramentos locais
Em sua coluna, Henrique Rodrigues aponta para a necessidade de entendimento e profissionalização de artistas da palavra
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos da Editora Vista Chinesa, Uiclap e um livro independente
Escrito por Marina Hadlich, 'Até essa comédia se tornar romântica' é uma história divertida e com uma personagem que ultrapassa as páginas e conversa diretamente com o leitor
Publicado pela UICLAP, livro de Luiz Müller é um guia completo que conta a história geral da ordem maçônica
Querer escrever é um anseio legítimo de qualquer leitor que se sinta motivado a compartilhar o que vai pela cabeça.
Joca Reiners Terron
Escritor brasileiro em entrevista ao jornal Cândido
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar