Publicidade
Publicidade
‘Estamos trabalhando para novos alicerces da Saraiva’, disse CEO da empresa no Sabatina PublishNews
PublishNews, Leonardo Neto, 25/11/2021
Marcos Guedes foi o quinto convidado do Sabatina PublishNews. O executivo foi entrevistado por Marcos da Veiga Pereira, Judith de Almeida, Leonardo Neto e Talita Facchini.

Nos últimos anos, o mercado editorial brasileiro acompanhou apreensivo o encolhimento da rede de livrarias Saraiva. Até 2018, a varejista era responsável por grande parte das vendas de livros no país. No entanto, começou a atrasar pagamentos, fechar lojas, demitir funcionários e, há exatamente três anos e dois dias, entrou na Justiça com pedido de recuperação judicial.

Neste período, houve trocas no comando da empresa. A última delas aconteceu em janeiro de 2020, quando foi anunciado que Marcos Guedes assumiria como CEO da empresa. O executivo foi o quinto entrevistado do Sabatina PublishNews. Guedes foi sabatinado por Marcos da Veiga Pereira, sócio da Sextante e presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros; Judith de Almeida, gerente comercial da Autêntica; Leonardo Neto, editor-chefe do PublishNews, e Talita Facchini, âncora do programa.

Marcos declarou que a sua principal missão tem sido o reestabelecimento da comunicação com o mercado editorial, a estabilização da companhia e fazer a empresa voltar a crescer. “Estamos trabalhando para novos alicerces da Saraiva”, disse durante a entrevista.

“A Saraiva não está num momento fácil. Se estivesse fácil, ela não estaria em recuperação judicial. Se fosse fácil, teria conseguido implementar o primeiro plano e a vida teria seguido facilmente”, declarou.

Guedes seguiu reconhecendo o momento de dificuldade da empresa: “A gente tem dívidas grandes com editores na recuperação judicial, mesmo pós-recuperação judicial. Essa condição é de mostrar como é que vai fazer esse pagamento e como a gente está buscando a capitalização da companhia para que isso ocorra”, disse. “A gente está trabalhando o ano de 2021 bastante para que a companhia tenha condições de voltar a pagar as suas obrigações a partir do ano que vem. Vai começar a pagar de forma módica e, conforme for melhorando a sua condição de pagamento, ela vai resolver o plano de recuperação judicial”, completou.

No entanto, a informação foi rebatida por Marcos Pereira, que apontou que a empresa acumulou dívidas pós-concursais, sem que procurasse seus fornecedores para a quitação desse novo montante. “A Saraiva ainda não gera caixa”, disse o presidente do SNEL. “Enquanto ela não gerar caixa, ela não vai conseguir pagar nem o que ela vai passar a dever”, completou.

“Você tem razão”, respondeu Guedes. “Ainda existe uma dívida pós-concursal. Foi definida, em plano, uma tentativa de pagamento, que não deu certo. E agora, isso está sendo remodelado”, seguiu. “Hoje, estamos muito próximos da geração de caixa. Quando você olha trimestre a trimestre, mesmo com a pandemia, existe um aumento da venda, uma melhoria do resultado e diminuição do custo operacional da companhia. Existem melhorias significativas. Elas só não são tão rápidas e tão eficientes quanto a gente gostaria que fosse e isso faz parte do processo de reestruturação. Ele nem sempre tem a velocidade que a gente gostaria. A gente precisa de um pouco de paciência”, finalizou.

Crescimento do faturamento e das Lojas físicas

Em setembro passado, a Saraiva divulgou aos seus investidores um laudo de viabilidade econômica que projeta crescimento de 80% já em 2022 e aumento do número de lojas de 37 para 83 até 2026. “O crescimento se dá não por que alguém é mágico. Muda porque não aconteceu uma crise, então, a gente vai ter uma venda melhor. Muda por que a gente vai ter um escolar melhor do que a gente teve nesse ano. Muda porque a capacidade de vendas das lojas vai ser maior do que se ocorreu durante esse ano”, disse.

Guedes reforçou que a aposta da Saraiva é nas lojas físicas: loja menores, com custos operacionais e de instalação mais baixos, com necessidade de capital menor. “Tem espaço no mercado para aumentar o número de lojas físicas. Eu vejo muito tranquilo esse aumento de lojas para os próximos anos”, disse. “Tem espaço para o mercado crescer”, completou.

Novamente, Guedes foi interpelado por Marcos Pereira: “Eu acho a sua ambição de 86 lojas irrealista. E qualquer plano irrealista me incomoda. O que eu quero é que essa marca que já foi uma máquina de vender livros volte a acontecer, mas de uma maneira saudável e orgânica. Não tem dinheiro para abrir loja. Imaginar que a Saraiva vai conseguir gerar caixa para pagar o pós-concursal e ainda abrir 50 lojas parece completamente fora da realidade”, disse o presidente do SNEL.

Guedes respondeu que só abrirá novas loja se tiver dinheiro e repetiu: “O mercado está carente de ter pontos físicos de venda de livros. O mercado está carente. O mercado tem falta de livrarias”. E reforçou que as novas lojas serão menores e mais baratas. “Podemos fazer isso no futuro. Não significa que vamos abrir loja para ter prejuízo”, completou.

Judith de Almeida questionou Marcos sobre o novo comportamento do leitor brasileiro que migrou grande parte de suas compras de livros para o ambiente virtual. “Se o consumidor quer isso, por mais que se abram lojas, como é que a gente vai lidar com essa preferência do consumidor pela compra on-line?”, questionou a gerente comercial da Autêntica.

Guedes reforçou que vê oportunidades para o crescimento da rede em lojas físicas, apesar dessa mudança de comportamento. Sobre o e-commerce da empresa, ele reconheceu que no último ano, a companhia não fez investimentos na sua loja virtual, mas prometeu melhorias num futuro próximo. Revelou ainda que há planos da companhia em voltar a vender, no seu e-commerce, categorias descontinuadas como eletrônicos. “Vamos voltar a ter um site como foi no passado”, disse.

O programa tem apoio da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e da Metabooks e já recebeu, em edições anteriores, Luiza Helena Trajano, presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza; Marcus Teles, diretor da Livraria Leitura; a deputada Fernanda Melchionna (PSOL/RS), presidente da Frente Parlamentar Mista de Defesa do Livro, Marcos da Veiga Pereira, presidente do SNEL.

A PublishNewsTV reúne entrevistas e reportagens especiais do PublishNews

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Economista e sociólogo, o autor de 17 obras publicadas desde 1981 faz relatos de seu cotidiano em livrarias e, a partir deles, discute o momento do mercado editorial
Agente literária foi a primeira sabatinada de 2022 e falou sobre o papel do agente, do câmbio, da internacionalização da literatura brasileira e dos programas de apoio à tradução
Fundador e CEO da Companhia das Letras falou da cena de editoras independentes, lei do preço comum, consignação e da sua relação com as livrarias
No Sabatina PublishNews, Marcos da Veiga Pereira fez um balanço dos sete anos em que esteve à frente do SNEL e resumiu: ‘o convencimento foi a marca da gestão’
Presidente da Frente Parlamentar do Livro foi sabatinada nesta segunda-feira (16) e defendeu mobilização do setor em torno da Política Nacional de Leitura e Escrita.
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
As ruas foram tomadas por um público leitor majoritariamente jovem que me deu esperança de um futuro urgente
Publicado pela Giostri, 'Brancos não sabem pedalar', de Vanderson Castilho Munhoz, se passa em 2035, em um Brasil governador por um ditador que apoia o domínio no futebol brasileiro do Clube de Regatas Flamengo
Obra escrita por Paula Carminatti faz parte da duologia 'Ária de Yu'
Escrita por Juily Manghirmalani, 'Vivências asiático-brasileiras: raça, identidade e gênero' aborda questões como identidade cultural, autorreconhecimento, conflitos geracionais e construção de mitos sobre os povos asiáticos
A tradução é uma ponte entre duas culturas.
Lia Wyler
Tradutora brasileira
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar