Publicidade
Publicidade
E era o vácuo universal
PublishNews, Paulo Tedesco, 21/11/2023
As distantes galáxias separadas da Terra pelo vácuo parecem muito com as críticas, por exemplo, sobre o preço do livro

À noite, quando estamos a olhar estrelas no gigantesco espaço nos céus, estamos a ver outras galáxias praticamente inalcançáveis. Destarte o sistema solar, como o Sol, os planetas, suas luas e os asteroides, o que vemos é algo incrível e distante, muito distante. Paradoxalmente, e isso talvez o mais maravilhoso, é que não podemos enxergar a olho nu ou com telescópio amador, o que supostamente estaria mais próximo de nós, os vizinhos na nossa própria galáxia.

Neil deGrasse Tyson, astrofísico negro e o mais destacado dos astrônomos na mídia norte-americana, e possivelmente na mundial, foi quem me fez ver esse fato, das distâncias. Sendo o desenho de nossa galáxia um não muito espesso espiral, o que vemos nas madrugadas é um universo de outras galáxias. E o mesmo ocorre se olharmos para a direção oposta, para o abismo abaixo. E o astrônomo ainda acrescenta: de nossa própria Via Láctea pouco ou nada podemos ver.

Ouvir o Neil foi revelador e também desconcertante. Mas era o óbvio, ora, se estamos numa galáxia não muito espessa como nos mostram as imagens (são imagens de um grande espiral que nunca foram tiradas por nenhum equipamento, mas comprovado pelas projeções), aquele impressionante espaço entre nós e as estrelas, só poderia ser o que dizem ser o vácuo entre as galáxias, e não a distância entre outros sistemas da própria Via Láctea.

Acredito na ciência, na sua lógica e observação, como forma de observar a própria natureza humana. A exemplo da matemática como substrato absoluto do tempo e do espaço. Com os métodos científicos foi que compreendi que se o nosso tempo é espiralado, guardando pontos equidistantes em sua evolução, as nossas expectativas de mundo podem também acontecer diferente do que pensamos, e podem ser mais reais do que desconfiamos.

Olhemos outros universos, os universos do livro. Olhemos para outros países que não vivem somente da vida privada do livro. As distantes galáxias separadas da Terra pelo vácuo parecem muito com as críticas, por exemplo, sobre o preço do livro. Como assim, dizer que o livro está caro e ninguém rebate? Essa pergunta está muito longe da realidade, porque nada resolve nem nada explica dos problemas do livro no Brasil.

Fomentem e protejam o livro como se protegem setores fundamentais da indústria; regulem o preço do livro como se regulam outros setores vitais e começaremos a equilibrar as coisas. Querem preços? Subam salários, ativem o poder de compra da maioria, deem proteção à bibliodiversidade e incentivem o mercado. Pressionem as fábricas de papel assim como os fretes, e voltaremos a falar de uma nação leitora, de um universo mais próximo. Enquanto isso, apreciemos à noite o vácuo e as estrelas tão distantes e intocáveis.

Paulo Tedesco é escritor, editor e consultor em projetos editoriais. Desenvolveu o primeiro curso em EAD de Processos Editorais na PUCRS. Coordena o www.editoraconsultoreditorial.com (livraria, editora e cursos). É autor, entre outros, do Livros Um Guia para Autores pelo Consultor Editorial, prêmio AGES2015, categoria especial. Pode ser acompanhado pelo Facebook, BlueSky, Instagram e LinkedIn.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Um pedido de apoio ao mercado editorial e gráfico gaúcho
Em novo artigo, Paulo Tedesco fala sobre a importância da regulação da comunicação digital e ações para frear a mentira e a violência digital e informativa
A L&PM foi a pioneira na produção, mas principalmente na manutenção das vendas de livros de bolso no Brasil
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Paulo Tedesco escreve sobre a valorização do trabalho manual versus o trabalho intelectual e criativo
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Esta semana, 'Os passarinhos' dão espaço para uma nova tira da Rê Tinta
Em novo artigo, Fernando Tavares convida o leitor a se aprofundar no tema da inteligência artificial e explorar suas múltiplas funcionalidades
Seção publieditorial do PublishNews traz obras escritas por Israel Rodrigues e Cecília Soares
Em 'Geração Fracassada. Não faça parte dela', Israel Rodrigues destaca a desconexão entre as expectativas impostas pela sociedade moderna e aquilo que realmente funciona
Escrito por Cecília Soares, 'Barões de Tamancos' oferece uma história ilustrada sobre produção e consumo de calçados durante o período imperial, com foco no Rio de Janeiro
Pontuação tem a ver com a forma como pensamos.
Gonçalo M. Tavares
Escritor português
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar