Publicidade
Publicidade
Quando a leitura cai feito uma luva
PublishNews, Henrique Rodrigues, 02/01/2023
Em sua coluna, Henrique Rodrigues aponta o livro como bem cultural a ser valorizado pela sociedade

Estava escrevendo a última colaboração do ano aqui para o PublishNews sobre o que esperar para 2023. Ziguezagueava pelas redes sociais e, talvez direcionado via algoritmo para o assunto, vi a notícia de um canal chamado Choquei. A legenda: “GRAVE: Luva de Pedreiro ganha livro de presente do amigo oculto do Fantástico”.

No texto de descrição do post, o “choque” continuava: “O Gustavo Scarpa deu um livro pro Luva de Pedreiro no amigo secreto do Fantástico. Por isso que eu não entro nessas brincadeiras e vocês?!”. (sic) Não preciso descrever a trajetória do jovem baiano Iran Ferreira, já bastante conhecida. Mas diante do espanto o meu filho me atualizou do contexto: o Luva de Pedreiro seria analfabeto. Umas pesquisas me fizeram pensar que ele talvez se enquadre num daqueles níveis de analfabetismo funcional, em que o indivíduo, apesar de conseguir decodificar letras e números e assinar o nome, tem dificuldade de compreender textos e realizar operações matemáticas.

Os níveis de analfabetismo funcional são alarmantes no país. É daquelas doenças invisíveis, que passam despercebidas por pessoas, empresas e governos, mas cujos sintomas estão intimamente ligados à nossa desigualdade social endêmica. Segundo o Indicador de Alfabetismo Funcional (INAF), apenas 12% da população brasileira entre 15 a 64 anos chegam ao maior nível de alfabetização funcional, chamado Proficiente. É muito pouco. É vergonhoso, na verdade.

Além dos desafios da educação e cultura, também bastante conhecidos, o que me chama a atenção aqui é o lembrete que o post do Choquei dá a todos nós que trabalhamos nesta área: a ideia de livro e leitura como algo prazeroso, positivo e libertador não é comungada por boa parte da população. Fora as discussões internas de sempre (brasileiro lê/brasileiro não lê), é importantíssimo que tenhamos noção de que, fora das redomas, bolhas e nichos do setor, no mundo real mesmo, há muito trabalho a se fazer.

Assim, o Choquei não choca tanto, pois a postagem reflete um pensamento bem comum. Dar um livro de presente, especialmente se aquele que recebe não tem aquele objeto como parte do seu dia a dia, deveria ser algo a se comemorar, e não ser tratado como um motivo de chacota. Essa engrenagem da desleitura não é nova, pois faz parte de uma secular estratégia elitista de manutenção da pobreza e da miséria, que está sedimentada tão profundamente nas nossas vidas que são repetidas no automático por muita gente.

Outro aspecto que faz dessa postagem irresponsável é o discurso, também batido mas ainda muito vigente, de que não é necessário ler, estudar para se dar bem na vida. Aquele papo de que “tem muito advogado dirigindo táxi”, comum nos anos 1990, encontra seu eco megafonado nas redes sociais com sua lógica perversa e lucrativa como fonte de sucesso. Por outro lado, essa linha de pensamento é bem impulsionada neste período horrendo de perseguição e censura a livros, de desvalorização da cultura, de tantas miopias no pior governo de que se tem notícia. Um adolescente que já não tem estímulo à leitura em casa, na escola e em nenhum outro lugar, ao ver postagem como esta, dificilmente vai mudar de ideia sobre o valor simbólico de um livro.

Leio que o novo agente do Luva de Pedreiro, o jogador de futsal Falcão, está orientando o jovem para que ele estude e encontre sua autonomia. Talvez sem querer, foi a Paulo Freire. Nessa linha, ao ganhar milhões em publicidade, Iran Ferreira poderia abrir caminho para que outros tantos jovens que não têm oportunidade também encontrem uma saída para a vida difícil.

Por isso foi que Gustavo Scarpa deu um objeto precioso ao jovem Iran. Imagem esquisita de início, analfabeto funcional com livro sim é o verdadeiro choque, a partir do qual a sociedade brasileira pode despertar e sair da inércia atual. Porque onde livros não chegam é onde mais precisam estar – e que esse seja um mote para nos guiar neste 2023 que se inicia. Para mim, o presente caiu feito uma luva.

Henrique Rodrigues nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, em 1975. É curador de programações literárias e consultor para projetos e programas de formação de leitores. Formou-se em Letras pela Uerj, cursou especialização em Jornalismo Cultural pela Uerj, mestrado e doutorado em Letras pela PUC-Rio. Já foi atendente de lanchonete, balconista de videolocadora, professor, superintendente pedagógico da Secretaria de Estado de Educação do RJ, coordenador pedagógico do programa Oi Kabum! e gestor de projetos literários no Sesc Nacional. É autor de 24 livros, entre poesia, infantis, juvenis. www.henriquerodrigues.net

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Em sua coluna, Henrique Rodrigues defende os concursos como forma de democratizar o acesso às práticas de escrita e leitura
Em sua coluna, Henrique Rodrigues apresenta sugestões de ações práticas contra o cerceamento à literatura
Em sua coluna, Henrique Rodrigues comenta a recorrente perseguição à literatura contemporânea
Em nova coluna, Henrique Rodrigues comenta as temáticas literárias das escolas de samba do Carnaval carioca
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre o papel das premiações na trajetória de autores
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Entrevista tentou evitar alguns lugares-comuns que se criaram nos últimos tempos e procurou focar em usos específicos e indicações para profissionais do mercado do livro e interessados nesses processos
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Seção publieditorial do PublishNews apresenta livros publicados pela Aboio e Outono Edições e escritos por Milena Martins Moura e Francirene Gripp de Oliveira
'O Cordeiro e os Pecados dividindo o pão', obra de Milena Martins Moura, aborda a ligação entre o sagrado e o desejo feminino, numa releitura subversiva das figuras femininas míticas arquetípicas
Obra infantojuvenil de Francirene Gripp de Oliveira conta a história de um dinossauro que aparece num parque de conservação ambiental em pleno Cerrado de Minas Gerais
Não vejo que o digital forme mais leitores. Acho que ele atrai quem lê para ler ainda mais
Marcos Pereira
Presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e CEO da Sextante
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar