Publicidade
Publicidade
Sabedoria, teu nome é mudança
PublishNews, Paulo Tedesco, 22/09/2022
Em nova coluna, Paulo Tedesco fala das mudanças trazidas com a maturidade e da necessidade de recuperar a cultura, salvar o livro e a educação

Fosse pela previsível sensação de vazio frente às perdas de gente próxima, fosse pelas perdas físicas por doenças e acidentes, até perdas financeiras e materiais que, sabemos, dificilmente um dia reaveremos, talvez a maturidade não seria o que é. Mas a maturidade também traz aprendizado, sobretudo. Traz, junto com as coisas da idade, caminhos e certezas, ponderamentos e reflexões, passagens obrigatórias de quem pode ver o mundo diante da própria experiência e por quem ensinou e já partiu.

Talvez a maior riqueza da maturidade resida na compreensão de que nem todo o risco vale a pena. Nem toda a vontade precisa ser satisfeita. E que alguns clichês terminam se mostrando inarredáveis e permanecem vivos, pulsantes.

Logo, não há mal que dure para sempre, e não há concretude que não se desintegre. E, sim, somos todos passageiros, não somos donos de nada, tampouco senhores, e senhoras, de alguma razão.

Nossa vida nunca nos pertenceu, nossos livros nunca foram nossos. Ah, e os sonhos, pobres sonhos, nada mais foram do que parte de outros sonhos, muitas vezes sonhados juntos e alimentados indistintamente, feito partes de um grande romance sonhado coletivamente e de nome mudança.

Porque não se muda sozinho, e quem muda, muda junto e muda a si mesmo, e ainda que não queira mudar, mudado é, mudado está. E quem contesta, quem reclama, mal sabe, será mudado por quem, antes de todos, mudou.

E se a maturidade nos traz a aversão ao risco e deixa ao jovem a aventura, aquilo que proporciona fortuna também proporciona desespero. Aquilo que proporciona fantasia também nos traz o terror.

E o terror foi nossa pandemia do Covid-19. E foi nossa porque 400 mil mortos dos quase 700 mil mortos bem poderiam ter sido salvos com a compra da vacina, enquanto outros países, mesmo os mais arredios, vacinavam e salvavam os seus. E de terror foi também a destruição da cultura nacional, da extinção em massa de feiras do livro, da miséria, e, por que não, suicídio, de muito artista, e da falência de muitos sonhos de liberdade e criação.

E esta a hora da maturidade. Esse o momento de recuperarmos a cultura, de salvarmos o livro, a educação, e sermos consequentes. Sim, CONSEQUENTES. Porque não dá mais para viver sem o Ministério da Cultura, sem a honestidade e a franqueza, e da abertura. Porque de sigilo e esconde-esconde o poder público não pode ser feito, porque a falta da democracia não é algo da maturidade mas sim da canalhice.

Sejamos, todos, desta vez, maduros.

Paulo Tedesco é escritor, editor e consultor em projetos editoriais. Desenvolveu o primeiro curso em EAD de Processos Editorais na PUCRS. Coordena o www.editoraconsultoreditorial.com (livraria, editora e cursos). É autor, entre outros, do Livros Um Guia para Autores pelo Consultor Editorial, prêmio AGES2015, categoria especial. Pode ser acompanhado pelo Facebook, Twitter, Instagram e LinkedIn.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Paulo Tedesco escreve sobre a valorização do trabalho manual versus o trabalho intelectual e criativo
Em novo artigo, Paulo Tedesco lembra que 'nunca é tarde para reagir' e que ainda há muito a ser feito em 2024
As distantes galáxias separadas da Terra pelo vácuo parecem muito com as críticas, por exemplo, sobre o preço do livro
Em novo artigo, Paulo Tedesco faz um paralelo entre homens e livros e a sociedade como uma grande biblioteca e sobre como ela merece ser lida com maior profundidade e nas entrelinhas
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
As ruas foram tomadas por um público leitor majoritariamente jovem que me deu esperança de um futuro urgente
Publicado pela Giostri, 'Brancos não sabem pedalar', de Vanderson Castilho Munhoz, se passa em 2035, em um Brasil governador por um ditador que apoia o domínio no futebol brasileiro do Clube de Regatas Flamengo
Obra escrita por Paula Carminatti faz parte da duologia 'Ária de Yu'
Escrita por Juily Manghirmalani, 'Vivências asiático-brasileiras: raça, identidade e gênero' aborda questões como identidade cultural, autorreconhecimento, conflitos geracionais e construção de mitos sobre os povos asiáticos
Poesia, literatura, é melhor ler num lugar tranqüilo, com janela, se possível com paisagem, para as pausas meditativas.
Ivan Angelo
Escritor brasileiro
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar