Publicidade
Publicidade
Arte de consumo, palavras descartáveis
PublishNews, Paulo Tedesco, 21/02/2020
Em nova coluna, Paulo Tedesco comenta como o crescimento da cultura do entretenimento pode aposentar 'hardwares' como o livro e até a própria arte

Nesse primeiro quarto de século e início de milênio, há um acelerar de tudo, e em tudo vai se imprimindo feições, não só de fragmento, mas de esboço. Repentino, tudo, e falo tudo mesmo, passou a virar esboço, sem o acabamento essencial que o artista e o profissional, diletantes ou não, possam dar.

Os tais “hardwares”, ou aparelhos duros, crescem em obsolescência, e vão se inutilizando, a cada dia, mais velozmente. Aliás, comenta-se que com o 5G e a internet 3.0, todos os aparelhos dispensarão a necessidade de muita memória, cedendo espaço para ergonomia, usabilidade e praticidade. É justo de se imaginar, portanto, que os aparelhos de manuseio, chamados de “hardware” em oposição ao “software”, aparelhos de uso suave ou macio, em tradução literal, como nunca antes visto serão ainda mais descartáveis em pouco tempo de uso.

E assim o será para os veículos de deslocamento como automóveis e outros. Você usa e ele acaba na sua mão. E o que antes era um patrimônio, agora será, no máximo, alugado de terceiros, para ser descartado logo adiante. No caso dos países mais ricos e de grande consumo, para evitar lixo no quintal, toda sucata será “exportada” para países na África e para cá, no Brasil. Como já ocorre no vestuário.

Então, o livro em papel, um “hardware”, cederá em definitivo ao software do livro digital, a ser lido em descartáveis “hardwares”? Sim, é possível e quase inescapável. Mas, e a linguagem, e a cultura? Virará lixo, a exemplo de tanta coisa ruim como pornografia, violência e autodepreciação nas redes sociais e onde mais for?

Sim, a tal cultura do entretenimento tende a seguir num crescendo. Descartando artistas, descartando histórias e enterrando perspectivas de arte. E, longe de mim buscar respostas, porque quem dará respostas são as gerações que chegam à maturidade do consumo e do poder aquisitivo. Eu, pela minha geração, nascida entre os 1960 e os 1970, cabe lutar pelo exemplo e pelo alerta, porque como público consumidor e eleitor, o maior interesse já é das casas de repouso, planos de saúde e das funerárias.

Talvez devamos nos acostumar com o inacabamento, com frases incompletas e palavras tortas, deformadas. Talvez. Talvez devamos aceitar os “reality shows” de péssima qualidade como algo bom, porque ainda não vimos o pior. E talvez devamos aceitar a cultura do entretenimento nos livros e na leitura, porque, pelo menos, algum pouco se lê e algum pouco se discute. Mesmo que de forma claudicante e arrevesada.

Claro que a linguagem cotidiana, essa coisa rápida, anglicizada e fragmentada, será também cada vez mais descartável, a gíria de ontem não é mais a de hoje, e o falar de anteontem virou algo incompreensível. E assim o será até que, em algum país, com algum esforço intelectual mais comprometido com o humano, surja algo novo, e retome que a arte e boa cultura são infinitamente mais importantes do que o mero entretenimento. Enquanto isso fica o apelo dessa geração que agora dá início à sua partida: por favor, antes que seja tarde, salvem a arte e a língua.

Paulo Tedesco é escritor, editor e consultor em projetos editoriais. Desenvolveu o primeiro curso em EAD de Processos Editorais na PUCRS. Coordena o www.editoraconsultoreditorial.com (livraria, editora e cursos). É autor, entre outros, do Livros Um Guia para Autores pelo Consultor Editorial, prêmio AGES2015, categoria especial. Pode ser acompanhado pelo Facebook, Twitter, Instagram e LinkedIn.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Paulo Tedesco escreve sobre a valorização do trabalho manual versus o trabalho intelectual e criativo
Em novo artigo, Paulo Tedesco lembra que 'nunca é tarde para reagir' e que ainda há muito a ser feito em 2024
As distantes galáxias separadas da Terra pelo vácuo parecem muito com as críticas, por exemplo, sobre o preço do livro
Em novo artigo, Paulo Tedesco faz um paralelo entre homens e livros e a sociedade como uma grande biblioteca e sobre como ela merece ser lida com maior profundidade e nas entrelinhas
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
As ruas foram tomadas por um público leitor majoritariamente jovem que me deu esperança de um futuro urgente
Publicado pela Giostri, 'Brancos não sabem pedalar', de Vanderson Castilho Munhoz, se passa em 2035, em um Brasil governador por um ditador que apoia o domínio no futebol brasileiro do Clube de Regatas Flamengo
Obra escrita por Paula Carminatti faz parte da duologia 'Ária de Yu'
Escrita por Juily Manghirmalani, 'Vivências asiático-brasileiras: raça, identidade e gênero' aborda questões como identidade cultural, autorreconhecimento, conflitos geracionais e construção de mitos sobre os povos asiáticos
Para mim, não há prazer maior do que sentar em uma poltrona, pegar um livro e mergulhar na história.
Patrícia Melo
Escritora brasileira em entrevista ao Rascunho
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar