Publicidade
Publicidade
Projeto Retomada
PublishNews, Bernardo Gurbanov, 15/07/2020
Bernardo Gurbanov faz uma análise dos impactos da pandemia no negócio das livrarias e aproveita para chamar a atenção do leitor para o Projeto Retomada, que busca formar um fundo para garantir capital de giro a pequenos livreiros.

O curso da história pode ser alterado, dentre outros, por três fatores: as invenções, as revoluções e as pandemias. A prensa de Gutenberg possibilitou a democratização do acesso ao livro a partir do século XV. A Revolução Francesa marcou no final do século XVIII a transição do absolutismo para a instauração da república. A pandemia do covid-19, em pleno século XXI, nos colocou diante de desafios inéditos em função da sua veloz expansão global. Ela instaura uma nova era que requer respostas imediatas, tanto por parte do poder público como da sociedade civil.

Alguns meses na transmissão do vírus foram suficientes para paralisar as atividades econômicas na tentativa de diminuir o número de óbitos, o número de pessoas contaminadas e para desnudar as deficiências do Sistema Público de Saúde.

Como um aluvião incontrolável, o novo coronavírus encurralou o mundo, desafiou a ciência e colocou a prova a capacidade de resposta que necessariamente as sociedades e os seus representantes políticos tem de articular.

O mercado editorial, especificamente, já vinha enfrentando sucessivas crises a partir dos anos de 1990 com a expansão de um modelo de negócio hiper concentrador.

As novas tecnologias, se bem deram uma enorme contribuição para agilizar os processos de produção e comercialização, também contribuíram e contribuem para potenciar mais ainda a concentração de capitais. Como resultado, o mercado editorial e livreiro está, a olhos visto, cada dia mais controlado por menos empresas.

A concorrência desenfreada e muitas vezes desleal, ao mesmo tempo que beneficia o consumidor, depreda o sistema acenando para a distopia do produtor-vendedor único.

As livrarias resistem. Resistem porque são historicamente um lugar de resistência, um lugar de encontro, um lugar de produção cultural, um lugar civilizatório.

O homem, em tanto ser gregário, precisa encontrar seus pares. Encontrá-los fisicamente como na ágora grega, para compartilhar seus projetos, suas comemorações e até para oferecer seus produtos e serviços. Enfim, precisa conviver em comunidade, agora também virtual.

A nova era das livrarias estará marcada pela evolução rumo a um modelo de negócio híbrido, transitando entre atividades presenciais, a criação de conteúdos transmitidos em modo virtual e as transações online.

Esse parece ser o caminho que a atual pandemia desenhou, acelerando um processo que sem sombra de dúvidas, estava em curso.

As livrarias brasileiras, assim como as de outros países, reagiram dentro das suas possibilidades.

Aquelas que já trabalhavam com o comercio eletrônico, impulsionaram suas ações via internet e fecharam temporariamente suas lojas físicas.

As que não estavam preparadas, fizeram das mídias sociais seu canal de comunicação com os clientes e até em alguns casos, conseguiram expandir suas audiências e gerar alguma renda.

Mesmo com todos os esforços e profissionalismo demonstrados pelos livreiros, a quebra de faturamento foi dramática. Dramática ao ponto de comprometer a continuidade dos negócios por falta de capital de giro, essencial para seu normal funcionamento.

A Associação Nacional de Livrarias (ANL), juntamente com as demais entidades nacionais do livro, colaborou na formatação de dois projetos de lei específicos para o conjunto do mercado editorial (PL 2.148/2020 e PL 2604/2020) e um outro já sancionado, hoje conhecido como Lei Aldir Blanc (Lei 14.017/2020) que aponta a fortalecer toda a economia da cultura enquanto vigorar a emergência sanitária.

No entanto, precisam tomar consciência os legisladores da necessidade de reconhecer as livrarias de forma permanente como empresas culturais e não apenas como meras pessoas jurídicas da área comercial. Empresas que contribuem para a produção e circulação das ideias. Empresas estimuladoras da escrita e da leitura. Empresas que promovem ações civilizatórias e, nesse sentido, que estimulam a socialização e colaboram na construção de cidadania.

O Projeto Retomada -- iniciativa de um grupo de editores, distribuidores e livreiros com apoio da Câmara Brasileira do Livro (CBL), da ANL, e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) -- é uma ação concreta de arrecadação de contribuições voluntárias visando auxiliar 50 pequenas livrarias com uma injeção de capital de giro, simbolicamente um respirador, de modo a que possam recuperar parte da dinâmica perdida.

Bem que o poder público poderia encampar a ideia e assumir sua responsabilidade sob a bandeira do Projeto Retomada promovendo ações eficazes e permanentes para fortalecer de uma vez e para sempre o ecossistema do livro.

Simples, assim: criar editais para estimular atividades de mediação de leitura, diminuir a carga tributária, oferecer linhas de crédito de fato acessíveis para viabilizar a transformação digital das empresas, renovar os estoques, renegociar dívidas, executar reformas e possibilitar a ampliação da rede de varejo, medidas todas elas em prol da sobrevivência das livrarias, centros irradiadores de conhecimento, de descobertas e de inclusão social.

Bernardo Gurbanov é presidente da Associação Nacional de Livrarias (ANL) e proprietário da Editora Letraviva. Para conhecer mais sobre sua história livreira e de vida, leia aqui mesmo no PublishNews matéria A saga dos livreiros Gurbanov na Argentina e descubra porque ele é nosso argentino brasileiro predileto.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Gurbanov fala sobre a sua participação no Fórum sobre Políticas Públicas e a Rede de Livros no México e como o Brasil se comporta nesse quesito
Em seu artigo, Gurbanov fala sobre a obra escolhida pelo Prêmio Jabuti como Livro do Ano e que o mercado do livro precisa urgente aprimorar sua gestão 'para sair desse estado de inércia'
Bernardo Gurbanov foi para a Feira do Livro de Buenos Aires e fala de se promover a leitura de forma criativa
Bernardo Gurbanov foi para a Avenida Corrientes acompanhar a 11ª edição da Noite das Livrarias e conta o que viu
Em sua coluna Bernardo Gurbanov faz um panorama da relação entre Brasil e Espanha, trazendo inclusive números e dados importantes dentro desse cenário
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Verena Borelli, terceira finalista do Prêmio Jovens Talentos a participar do PublishNews Entrevista, fala dos desafios em transformar o trabalho presencial em remoto
Camila Cabete usa a sua coluna para apontar como a crise elegeu novos arautos do negócio digital no Brasil: ‘me surpreendo com pessoas que renegavam o formato e negócio digital surgirem como os grandes palestrantes do ramo’
'A leitura literária de um livro físico é uma experiência sinestésica e artística fundamental para a infância. Sem essa experiência, a formação de leitores fica bastante comprometida', defende Volnei Canônica em sua coluna
Dianne Melo, coordenadora de Engajamento Social e Leitura do Itaú Social, é a entrevistada desta semana no Podcast do PublishNews
Em sua coluna, Marcio compartilha o seu sonho com Mike Shatzkin e reflete sobre o reconhecimento aos profissionais do livro
O melhor momento é escrever o roteiro, quando você não tem que se preocupar com dinheiro, produção, atores...é a liberdade total.
Nelson Pereira dos Santos
Cineasta brasileiro
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar