Publicidade
Publicidade
E foram felizes...
PublishNews, Luciana Pinsky, 19/08/2019
Uma amiga encomendou a nossa colunista Luciana Pinsky uma crônica feliz, sobre o casamento... Ela fez...

Outro dia recebi um ultimato de uma amiga editora.

- Se ainda me quer como leitora e divulgadora de seus textos ficcionais, pare de ser tão soturna. Você só fala de relacionamentos que não acontecem ou que acabam. É muita desgraça. Escreva uma história feliz.

E eu que nunca me considerei cronista de fossa, que nunca julguei meus textos tão lúgubres assim (ok, um ou outro talvez arranquem uma lágrima aqui, outra acolá, mas é só ouvir Pedaço de mim para saber o que é triste de verdade), aceitei o desafio.

- Mas, sobre o que você quer que eu escreva?

- Ora, você nunca fala de casamento. Pronto, faça uma crônica sobre casamento.

Opa, então casamento é sinônimo de felicidade. Que maravilha. Fui investigar. Sim, porque quem diz que crônica não exige pesquisa nunca teve lagosta como protagonista.

Pois bem, Ela e Ele se conheceram por aí – ele conta que foi na praia, a história dela começa no parque, mas a verdade é que foi em uma festa de casamento: a noiva era amiga dela e prima dele; eles inventaram outra narrativa porque odeiam clichê. Começaram a sair, ele ligava, ela atendia; ela sugeria, ele compreendia; ele pedia, ela podia;. Era simples, fácil. A vontade era ficar junto e ficavam. A vontade era conversar, conversavam. A vontade era namorar, namoraram. Casaram.

A família dela gostava dele, a dele gostava dela (nada de Romeu e Julieta). Os amigos de um tornaram-se logo amigos do outro, pois tinham tanto em comum (“nossa, finalmente arranjou alguém legal depois de tanto traste”, era o duvidoso elogio que ambos escutavam). E o maior obstáculo foi liberar três gavetas do armário dela para, literalmente, juntarem os trapinhos. Ele não entrou em crise existencial, ela não ficou paralisada por relacionamentos anteriores obscuros. Tudo correu fora da literatura, porque literatura sem tensão é um tanto besta.

Sim, eles brigavam, mas eram brigas de excesso e não de falta. O casamento explicitava pequenas intolerâncias, como a diferença de ritmo (ele gostava de sair cinco minutos adiantado, ela, por mais que se esforçasse, estava sempre três minutos atrasada), de espaços (como o próprio início inventado por cada um já indicava: ele preferia praia, ela, parques) e hábitos (ela, que só bebia água e gelada, tinha horror a garrafas quase vazias na geladeira, ele morria de preguiça de enchê-las). Eram picuinhas sem importância e sem consequências, nada de diferenças estruturais ou impossibilidades fatais.

E, assim, com brigas nada cronicáveis e vida divertida nosso casal feliz seguiu, acompanhando tantos desencontros por aí, na família, nos amigos. Por vezes Ela e Ele se espantavam com o tempo juntos. Já três anos? E agora, oito? Nossa, 12! Desacostumaram-se à vida solitária, as decisões eram a dois, como o filme, as plantas, o jantar, as viagens.

Ah, as viagens, ambos adoravam (e quem não?). Aceitavam todo e qualquer convite e o pouco dinheiro que sobrava era para isso. Praia, montanha, cachoeira, cidade grande, lugarejos. Iam sempre animados, estudavam os lugares antes, pensavam no itinerário e também reservavam dias para surpresas.

Porém [perdão, amiga editora, sei que você me encomendou uma crônica sem adversativas, mas isso vai além da minha capacidade], um dia surgiu um convite para uma viagem que ele não podia ir – mudara de emprego e ainda não tinha férias. Ela podia. O convite era do tipo pegar ou largar. Ele sentiu, pois era louco para conhecer o lugar. Eles já tinham viajado separado, claro, mas aquele canto era tão desejado por ambos... Ele pensou em pedir para ela ficar, mas com que argumentos? Uma dúvida brotou na cabeça dela. Ela foi. Voltou três semanas depois, alegre, mas também apreensiva com a recepção em casa. Sedenta, abriu a geladeira: quatro garrafas de água cheias até a boca, geladinhas. Seus olhos marejaram. Olhou para Ele e sorriu. Sorriu não. Riu mesmo.

E me jurou:

- A felicidade de um casal consiste em uma geladeira com garrafas cheias de água. O resto é detalhe.

© Marcos IssaLuciana Pinsky é editora da Contexto, escritora e jornalista. Publicou o romance Sujeito oculto e demais graças do amor (Record) e mantém seu blog de crônicas. Há dois anos publica uma coluna sobre livros infantis no site Boraí.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Na coluna de Luciana Pinsky, sua segunda crônica com o tema ‘portas’
Na coluna de Luciana Pinsky, uma dupla de crônicas com o tema ‘portas’ aparece neste e no próximo mês. Em junho começamos com “Invasão”.
Em sua coluna, Luciana Pinsky se pergunta como seria tornar-se homem por um dia?
Para cada decisão um mar de questões passam pela cabeça do menino. Entrar ou não entrar?
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A leitura é sempre um encontro com alguém que pode nos inspirar a compreender melhor e a atuar na realidade.
Monja Coen
Escritora brasileira
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar