Publicidade
Publicidade
HQs digitais já são uma realidade
PublishNews, Cassius Medauar, 28/06/2019
Em sua coluna, Cassius Medauar dá início a uma nova série de artigos nos quais vai esmiuçar o universo das HQs digitais

Depois da entrada e consolidação dos livros digitais no mercado brasileiro (apesar dos números de vendas digitais ainda serem pequenos), os quadrinhos não demoraram a começar a também dar as caras aqui e ali, e agora se tornam uma realidade crescente para muitas editoras do setor.

Mas, diferentemente dos livros, o digital já era, há muito tempo, uma grande alternativa para autores independentes de HQ mostrarem seus trabalho de forma gratuita na internet e arregimentarem seguidores. E, inclusive, muitos se tornaram tão grandes que sempre conseguem bater muitas metas em sites de financiamento coletivo, como o Catarse, para publicar as versões impressas desses quadrinhos. Mas isso é assunto para outra coluna.

Mesmo com essa diferença, as HQs digitais enfrentaram e ainda enfrentam os mesmo problemas dos livros digitais, os principais sendo: gente que acha que nunca vai conseguir ler no digital porque não é a mesma experiência, gente que acredita que o digital veio para matar o impresso e, ainda, muita gente que acha que o digital deveria ser de graça ou bem mais barato por não ter impressão e, como é “caro”, é melhor ler pirata.

Bom, quanto a primeira reclamação, é gosto pessoal e não tenho como discutir. Já a questão do digital matar o impresso vem sendo refutada com o passar do tempo, seja pelos impressos ainda estarem aí, firmes e fortes, seja pelos estudos que já estão saindo e mostrando que livros que têm versão digital acabam tendo a venda da versão física impulsionada (a Amazon diz isso, por exemplo). E especificamente nas HQs, que se trabalha com colecionismo, dificilmente os fãs não vão querer ter a edição física bonitona na estante ou comprar seu álbum autografado pelo seu autor favorito.

Em relação aos preços, existe muita desinformação, mesmo entre profissionais do mercado. Pessoas ainda acham que versão digital é apenas um arquivo PDF da versão física, quando na verdade é necessária uma conversão dos arquivos originais que, especialmente em HQs, devem deixar o resultado final com uma qualidade maior do que a física, pois as pessoas podem dar zoom no digital. Além disso, é preciso diagramar páginas duplas novamente e juntá-las. Existe distribuição digital igual a das edições físicas, em que as lojas ficam com uma boa parte do preço de capa. E, por último, o contrato das versões digitais licenciadas não é o mesmo da física, e os royalties digitais podem chegar a ser três vezes maiores do que da versão impressa.

Cada vez mais editoras estão entrando nesse mundo digital. O mercado tem alguns plataformas de quadrinhos ao estilo Netflix, sendo o Social Comics a mais famosa. Algumas editoras disponibilizam HQs gratuitas em seus websites (Jambô e Draco são dois bons exemplos), outras disponibilizam em sites como o Tapas (como é o caso da Balão Editorial com a série Hell no!), para depois lançar volumes impressos. E muitas entraram mesmo na venda de e-books. Dá pra se ter uma boa ideia olhando as listas de HQs digitais da Amazon.

Já fazia um tempo que eu queria escrever esta coluna, pois minha experiência com digitais na Editora JBC vem sendo muito boa e realmente acredito que livros e quadrinhos digitais são sim o futuro (na verdade já são o presente) e também são um dos bons caminhos que o mercado editorial tem para superar essa crise de distribuição sem precedentes.

Nas próximas colunas, entrarei mais nos meandros das HQs digitais, o que tem ou não funcionado, contarei mais do projeto JBCgoDigital e tentarei prever um pouco do futuro desse mercado.

Cassius Medauar (@cassiusmedauar) é formado em Jornalismo pela Cásper Líbero e está no mercado editorial há quase vinte anos, tendo trabalhado como editor na Conrad, Pixel e Ediouro, além de também ter passado pela editora Abril. Fanático por quadrinhos, cultura pop em geral e esportes, trabalhou como tradutor e jornalista freelancer durante alguns anos, tendo traduzido Beber, Jogar e F@#er, O vendedor de armas, a série Dexter, Um otimista incorrigível (biografia de Michael Fox) e Cicatrizes (HQ), entre outros. Atualmente, é Gerente de Conteúdo da Editora JBC, onde é o responsável pela linha de mangás e HQs da editora. Sua coluna mensal agora aborda principalmente o mercado de quadrinhos, mas assuntos como mercado geek, trabalho freelancer, surfe e futebol podem marcar presença.

Tags: HQs
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Cassius Medauar fala sobre a importância de se estreitar os laços entre o mercado livreiro e de HQs
Em sua coluna, Cassius fala sobre a importância da presença dos quadrinhos no Prêmio Jabuti e na Comic Con Experience
Nosso colunista Cassius Medauar esteve na exposição 'Quadrinhos', no MIS-SP, e conta o que viu por lá
Cassius Medauar retoma a sua coluna no PublishNews dando dicas de como conhecer o mundo das Histórias em Quadrinhos
Você vai levando a sua vidinha de freelancer, mas de repente aparece aquela proposta. E agora?
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Alberto Martins, editor da 34 e também poeta e escritor, é o convidado dessa semana da PublishNewsTV
O presidente do SNEL falou sobre crise e sobre audiolivros enquanto a agente alemã contou como foi a conversa com o coordenador do Programa de Apoio à Tradução da Biblioteca Nacional
Júri elegeu os cinco profissionais de até 35 anos que merecem destaque por seu trabalho inovador
Na coluna de Luciana Pinsky, sua segunda crônica com o tema ‘portas’
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Começo a escrever e lentamente vou reunindo mais e mais daquilo que espero ser o tipo de livro que pretendo.
Markus Zusak
Escritor australiano
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar