Publicidade
Publicidade
Futuro dos leitores, leitores do futuro
PublishNews, Henrique Rodrigues, 25/09/2018
Em sua coluna, Henrique Rodrigues observa o que as novas gerações ensinam sobre o mundo e os livros

Quando eu era criança, ficava um pouco assustado quando os adultos me viam estudando em casa, ou mesmo na rua com o uniforme da escola, e diziam: “olhaí, esse é o futuro do país”. Era algo pesado demais para a nossa galerinha, cuja maior preocupação era tirar uma nota decente e passar de ano. Ao entrar na adolescência, imaginava que essas mesmas pessoas haviam recebido comentários similares quando mais jovens, e questionava por que, tendo crescido, eles jogavam a responsabilidade para os próximos da fila. Hoje entendo que é o ciclo natural da esperança.

Por esses dias aprendi muito com jovens, que têm cada vez mais a nos ensinar, em vários aspectos. Circulou um vídeo (abaixo) de uma entrevista com o Gustavo Gomes Silva dos Santos, de 10 anos, após uma sessão de narração de contos africanos no projeto “Leituraço”, promovido nas escolas de São Paulo. Foi espantosa a síntese e as associações que o menino fez das histórias com suas próprias raízes africanas, o atual momento político e o respeito ao próximo. Em suma, o vídeo, de 2014 mas parece feito para hoje, é um tipo de realização do resultado ideal para todos que trabalham com formação de leitores.

Outra situação aconteceu em Itaperuna, durante a primeira edição da festa literária da cidade no norte fluminense. Dividi uma mesa com duas escritoras, em que falávamos para diversas turmas de jovens. Nesses eventos, a timidez inicial da plateia vai gradativamente cedendo espaço para a curiosidade, até se transformar numa grande troca de ideias. Em dado momento, a pergunta de uma menina que devia ter uns 17 anos: “Como influenciar o próximo positivamente sem ser chato ou agressivo?” É de uma lucidez para deixar envergonhados os milhares de militantes belicosos de redes sociais.

Não é de hoje que essa chamada geração Z, ou millennials - ou qualquer outra definição "powerpôintica" – vêm quebrando várias expectativas sobre seu comportamento e visão de mundo. Especificamente na área dos livros, lembro-me bem de quando, lá por 1997, quando estava na faculdade e os adventos digitais começavam a se popularizar, surgia o alerta apocalíptico: “essa tal internet vai acabar com os livros”. E quem nascia naquela época se tornou o grupo que hoje vai às bienais com malas, cria seus próprios canais de discussão sobre livros, torna-se booktuber (que até assusta os profissionais mais velhos, que há pouco davam todas as cartas no mundo editorial), e lê mais que outras faixas etárias aqueles mesmos volumes impressos e pesados da qual os jovens das gerações anteriores tinham horror. E uma característica interessante nesse processo é que eles leem sem fazer a distinção preconceituosa segundo a qual “esse aqui é um livro de qualidade estética, e agora estou absorvendo pura arte” versus “isso aqui é um produto raso de entretenimento fruto do deus-mercado”. Meu moleque de 16 anos leu espontaneamente nesses meses Jorge Amado, Kafka e um romance num feiticeiro, o Witcher - tudo sem rotular e, o melhor, sem ser rotulado. Como diz o flanelinha, deixa solto, dotô.

E esse cenário pode ser observado em todo o país. Coordenamos um circuito literário nacional do Sesc, o Arte da Palavra, que leva escritores, contadores de histórias, rappers, cordelistas e oficineiros de um canto a outro, e a recepção dos jovens tem sido muito acima do esperado. Segundo nossos acompanhamentos internos, além do próprio relato dos artistas envolvidos, a galera tem abraçado muito a possibilidade de dialogar sobre literatura. Num desses depoimentos, há ainda a ciência dessa troca, como na fala de uma garota do Crato/Ceará dirigida à dupla Melanie Peter e Daniel Galera: “Não adianta vocês serem escritores e estarem trancados dentro de um quarto enlouquecidos com o livro, vocês precisam desses momentos. A partir daqui vão sair com mais ideias, e vocês vão ter o toque: ‘Poxa, a minha escrita tocou uma pessoa de forma diferente’.” Ainda que o processo de escrita seja em si uma experiência solitária, a jovem entendeu que o processo literário é uma via de mão dupla.

Por falar em via, vamos às ruas. Ontem, voltando para casa, dei um livro para o garoto que pede dinheiro no sinal. Carrego sempre livros para crianças e jovens no carro, e descobri que felizmente muitos colegas da área estão fazendo o mesmo. Acostumados às negativas dos vidros fechados, os moleques se surpreendem quando recebem o livro: quase sempre correm para calçada e começam a folhear os volumes. Outro dia o garoto desandou a pular e dançar, feito um sátiro, revelando como o objeto cultural mais importante e acessível precisa fazer parte da vida dessa galera – ajudando-os, se os governos fizerem o seu dever básico e cumprirem a lei, a sair das ruas.

E vamos em frente. Como disse o saudoso Millôr, cuja visão de mundo faz muita falta hoje em dia: “O futuro chega com tal rapidez que começo a desconfiar que agora já está atrás de mim”. Mais do que nunca, precisamos ouvir e entender um pouco mais as novas gerações. Se há não muito tempo o adolescente era só um meio termos entre a criança e o adulto, sem direito a dar um pio, a situação está bem diferente. Em 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude, que garante os diversos deveres em relação a esse público.

Mas em vez de citar lei, prefiro encerrar com uma frase do pequeno grande Gustavo, cujo depoimento nos diz e nos orienta tanto: “Ninguém pode viver isolado, todo mundo tem que estar num conjunto, numa equipe bem grande.”

Henrique Rodrigues nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, em 1975. É curador de programações literárias e consultor para projetos e programas de formação de leitores. Formou-se em Letras pela Uerj, cursou especialização em Jornalismo Cultural pela Uerj, mestrado e doutorado em Letras pela PUC-Rio. Já foi atendente de lanchonete, balconista de videolocadora, professor, superintendente pedagógico da Secretaria de Estado de Educação do RJ, coordenador pedagógico do programa Oi Kabum! e gestor de projetos literários no Sesc Nacional. É autor de 24 livros, entre poesia, infantis, juvenis. www.henriquerodrigues.net

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Em nova coluna, Henrique Rodrigues comenta as temáticas literárias das escolas de samba do Carnaval carioca
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre o papel das premiações na trajetória de autores
Em sua coluna, Henrique Rodrigues faz duas críticas sobre pontos recorrentes à Bienal do Livro e defende a implementação de atividades de leitura no cotidiano
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre como os eventos literários podem criar desdobramentos locais
Em sua coluna, Henrique Rodrigues aponta para a necessidade de entendimento e profissionalização de artistas da palavra
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
As ruas foram tomadas por um público leitor majoritariamente jovem que me deu esperança de um futuro urgente
Publicado pela Giostri, 'Brancos não sabem pedalar', de Vanderson Castilho Munhoz, se passa em 2035, em um Brasil governador por um ditador que apoia o domínio no futebol brasileiro do Clube de Regatas Flamengo
Obra escrita por Paula Carminatti faz parte da duologia 'Ária de Yu'
Escrita por Juily Manghirmalani, 'Vivências asiático-brasileiras: raça, identidade e gênero' aborda questões como identidade cultural, autorreconhecimento, conflitos geracionais e construção de mitos sobre os povos asiáticos
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos das editoras Mandaçaia, Giostri e Insight
Eu não sei escrever pra gente pobre. Eu detesto.
Vera Fischer
Atriz brasileira
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar