Publicidade
Publicidade
O freela e o chá de sumiço
PublishNews, 28/03/2012
É muito chato quando o freela some. Desaparecer é muito pior do que atrasar o trabalho.

Já citei aqui em minha coluna algumas vezes o quanto é ruim o truque do desaparecimento, seja por parte do freela, seja por parte do empregador. Hoje resolvi dissecar o assunto porque ele é muito importante na relação de trabalho em qualquer área.

Já sou tradutor/jornalista freelancer há alguns anos, mas antes fui editor durante muito tempo na Conrad, Pixel e Ediouro, por isso tenho uma boa visão dos dois lados da coisa. É muito chato quando o freela some.

Você tenta entrar em contato para passar um trabalho e não há resposta. Ou tem uma primeira resposta e depois mais nada. E quando o freela já está fazendo um trabalho e some é ainda pior, é claro. Preste atenção agora: desaparecer é muito pior do que atrasar o trabalho. Sim, se você mantém contato e avisa seu empregador que vai atrasar, dá tempo para que ele se programe ou tome alguma atitude. A comunicação mostra que há respeito entre as partes.

Por outro lado, também é muito ruim quando você entrega um trabalho e o seu empregador desaparece. Alguns simplesmente somem, outros ainda agradecem o recebimento, perguntam algo e, então, adeus. Cadê o pagamento? Vai saber. E o pior é que, se você não entrar em contato, pode ser que se passem meses e nada. Às vezes, nem mesmo tentando contato alguém responde. O princípio aqui é o mesmo: o freela prefere ouvir que só poderá receber daqui a dois meses do que não ouvir nada.

O que vai acontecer? Ora, a empresa não vai querer contratar mais um freela que some, principalmente se isso não for um acaso, e sim a regra, independentemente de quão bom é o trabalho dele. E da mesma forma o freela, se tiver que escolher, pegará trabalhos das empresas parceiras, que não somem, pagam em dia e por aí vai.

Portanto, a regra é clara, amigo leitor. O truque do desaparecimento é algo que deve ser evitado a qualquer custo, pois isso só demonstra falta de profissionalismo e respeito para com a outra parte do negócio.

Cassius Medauar (@cassiusmedauar) é formado em Jornalismo pela Cásper Líbero e está no mercado editorial há vinte anos, tendo trabalhado como editor (Conrad, Pixel/Ediouro e JBC), tradutor e jornalista freelancer. Fanático por quadrinhos, cultura pop em geral e esportes, traduziu coisas como Beber, Jogar e F@#er, O vendedor de armas, a série Dexter, as biografias de Michael J. Fox, Tim Burton e Lily Allen, Cicatrizes (HQ), entre outros. Nos sete anos como Gerente de Conteúdo da Editora JBC, foi responsável pela mudança de qualidade da linha de mangás e HQs da editora e a implantação de seu modelo digital (publicações em e-book e mídias sociais). Sua coluna aborda especialmente o mercado de quadrinhos e geek, mas digital, trabalho freelancer, surfe e futebol podem marcar presença.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Cassius fala sobre os conteúdos digitais ligados ao mercado do livro e como eles podem ajudar a atrair mais leitores e divulgar novos produtos
Em sua coluna, Cassius Medauar dá início a uma nova série de artigos nos quais vai esmiuçar o universo das HQs digitais
Em sua coluna, Cassius Medauar fala sobre a importância de se estreitar os laços entre o mercado livreiro e de HQs
Em sua coluna, Cassius fala sobre a importância da presença dos quadrinhos no Prêmio Jabuti e na Comic Con Experience
Nosso colunista Cassius Medauar esteve na exposição 'Quadrinhos', no MIS-SP, e conta o que viu por lá
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Hendenson Fürst, ​editor jurídico, advogado, presidente da Comissão Especial de Bioética/OAB, professor e pesquisador universitário
Em sua crônica desse mês, Marcio Coelho faz analogias entre o construtor de um edifício e um editor de livros
O Podcast do PublishNews recebeu a drag queen dona do canal Tempero Drag, para falar sobre seu novo livro e de outros temas atuais e relevantes
Carlo Carrenho seleciona o melhor da programação da maior feira de livros do mundo
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Um escritor só consegue ser universal e profundo se for subjetivo, embora o fato de ser subjetivo não lhe garanta profundidade nem universalismo.
Marcelo Backes
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar