Publicidade
Publicidade
Pela igualdade editorial
PublishNews, Henrique Rodrigues, 08/03/2023
Em sua coluna, Henrique Rodrigues sugere estratégias para diminuir a desigualdade na balança de gênero no mundo dos livros

Aproveitamos o Dia Internacional da Mulher para, mais uma vez, nos lembrarmos de que a proporção feminina é muito aquém do que deveria ser na vida editorial brasileira, assim como em, praticamente, todos os setores da sociedade.

Em pleno 2023, temos atrasos seculares no Brasil de questões básicas. Quando ainda é preciso criar leis para distribuição de absorventes íntimos para meninas de baixa renda – espantosamente, há quem seja contra –, algo que já deveria ser política pública há décadas, pensar sobre a disparidade de espaços para manifestações literárias femininas parece quase um luxo. Mas não é.

Se voltarmos um pouco no tempo para o século XIX, às mulheres cabia a função de leitoras dos romances folhetinescos publicados em jornais e revistas (mutatis mutandis, as telenovelas vieram de lá), posteriormente reforçada pela destinatária dos cronistas (“a leitora que me lê agora...”).

Até hoje, no universo leitor há mais mulheres do que homens. Segundo a Retratos da Leitura no Brasil, que é nossa pesquisa mais confiável do setor, a presença feminina entre leitores de literatura é maior que a masculina. Em outro estudo, também realizado pelo Instituto Pró-Livro, dois grandes eventos literários (FLUP e Bienal do Livro Rio) são frequentados majoritariamente por mulheres.

A despeito desse quadro, é sabido que homens sempre publicaram mais.

Algo que me espanta nos últimos anos é notar que o Prêmio Sesc de Literatura, de cuja coordenação faço parte, tem mais homens inscritos do que mulheres. Mesmo sendo gratuita e aberta a todas as pessoas, há mais romances e livros de contos enviados por aspirantes masculinos a uma carreira literária. Conversando sobre o assunto com escritoras de gerações e lugares diferentes do país, voltamos a questões básicas do modus vivendi no qual as mulheres são sobrecarregadas de funções profissionais e domésticas.

Outro ponto, e sobre o qual poderia escrever ainda mais, mas prefiro ouvir das camaradas escribas, são os processos de autossabotagem, a falta de confiança na própria literatura e a ausência de estímulos de pares e outras pessoas próximas para publicar. Há não muito tempo, uma amiga escritora, hoje bastante reconhecida na cena literária, me revelou ter estreado tardiamente na literatura porque tinha um marido que, como primeiro leitor, desqualificava todo texto que ela produzia. Agora é ex, felizmente.

Quando entramos nas questões sociais, a coisa só piora. Para uma menina preta/parda/pobre, o acesso ao status de artista da palavra ainda parece ser um sonho distante. Quantas Carolinas Maria de Jesus temos hoje silenciadas nas favelas Brasil adentro? Nosso desafio é transformar a exceção em regra.

Daí a relevância de movimentos de leitura como o Leia Mulheres (e o Escreva Mulheres), o espaço nos saraus e inúmeras iniciativas que dão protagonismo feminino como autoras. A nós, organizadores de eventos, cabe o cuidado – que deve ser natural e não por cota – para que a proporção de mulheres nas programações seja pelo menos um pouco maior. Há algumas semanas, fizemos a curadoria coletiva do Arte da Palavra – Rede Sesc de Leituras, maior circuito literário brasileiro, cujos participantes, maioria feminina, serão divulgados em breve.

Como disse Virginia Woolf no seu conhecido ensaio “Mulheres e ficção”, publicado em 1929, haveria de chegar um período em que “as mulheres terão o que por tanto tempo lhes foi negado – tempo livre e um quarto só para si”. Continuemos batendo nesta tecla até que não seja mais necessária a escrita de um texto como este aqui.

Henrique Rodrigues nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, em 1975. É curador de programações literárias e consultor para projetos e programas de formação de leitores. Formou-se em Letras pela Uerj, cursou especialização em Jornalismo Cultural pela Uerj, mestrado e doutorado em Letras pela PUC-Rio. Já foi atendente de lanchonete, balconista de videolocadora, professor, superintendente pedagógico da Secretaria de Estado de Educação do RJ, coordenador pedagógico do programa Oi Kabum! e gestor de projetos literários no Sesc Nacional. É autor de 24 livros, entre poesia, infantis, juvenis. www.henriquerodrigues.net

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Em nova coluna, Henrique Rodrigues comenta as temáticas literárias das escolas de samba do Carnaval carioca
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre o papel das premiações na trajetória de autores
Em sua coluna, Henrique Rodrigues faz duas críticas sobre pontos recorrentes à Bienal do Livro e defende a implementação de atividades de leitura no cotidiano
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre como os eventos literários podem criar desdobramentos locais
Em sua coluna, Henrique Rodrigues aponta para a necessidade de entendimento e profissionalização de artistas da palavra
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos da Editora Vista Chinesa, Uiclap e um livro independente
Escrito por Marina Hadlich, 'Até essa comédia se tornar romântica' é uma história divertida e com uma personagem que ultrapassa as páginas e conversa diretamente com o leitor
Publicado pela UICLAP, livro de Luiz Müller é um guia completo que conta a história geral da ordem maçônica
Se o escritor de gabinete já não sobrevive a este século, por que o editor sobreviveria?
Dênis Rubra
Editor brasileiro
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar