Publicidade
Publicidade
A primeira visita à biblioteca
PublishNews, Leonardo Garzaro, 14/12/2022
Em sua primeira coluna, Leonardo Garzaro fala sobre o seu primeiro contato com uma biblioteca e sua rotina, quando criança, no local

Foi conversando com a talentosa equipe do PublishNews que decidimos por uma coluna quinzenal sobre bibliotecas, livrarias e eventos literários. Já escrevi muito sobre os livros; falta escrever sobre como eles me encontram. Após algumas caminhadas solitárias, nos fins de tarde, mastigando as frases, cheguei a este primeiro texto. Sim, alguns arquivos deletados, parágrafos reescritos e palavras trocadas. Uma vez que cá estamos, prazer, Leonardo Garzaro. Sou escritor, editor e jornalista. Velejador amador. Apaixonado por mapas antigos. Estaremos juntos semana sim, semana não.

Como frequentador assíduo de livrarias e bibliotecas, cogitei começar narrando alguns dos fatos insólitos que já presenciei entre as estantes de livros. Na livraria Drummond, do Conjunto Nacional, um homem que discretamente lambeu uma página de um livro — e não comprou. Na entrada da Biblioteca Nacional de Buenos Aires, um jogo de amarelinha, riscado no cimento fresco, em referência ao Rayuela, do Cortázar.

Poderia também contar que frequentemente discordo do modo como os livros estão organizados, e, me esquivando dos livreiros, enfio meus livros preferidos na pilha dos mais vendidos (sim, César, fui eu). Também retiro das estantes centrais títulos que supostamente ensinam como enriquecer rapidamente e largo nos fundos da loja. Com o tempo, poderei contar todas essas histórias, e inclusive sobre a vez em que ajudei um vendedor que não localizava o pedido do cliente, interessado em adquirir “o Dom Quixote de Pierre Menard”. Alguém havia feito uma piada que o leitor não entendeu.

Me forcei, contudo, à lembrança da primeira visita a uma livraria ou biblioteca. Brás Cubas que me perdoe: começarei pelo princípio. Se a memória não me engana, foi seguindo a professora Marieliz, na companhia de outros 30 alunos, que debutei, conduzido para um passeio no qual me mostraram estantes de livros, mesas de estudo, uma jovem bibliotecária e o cartão que deveríamos rechear com empréstimos e restituições no prazo.

O primeiro livro retirado foi Tico Tico no Fubá, o qual devolvi após observar as figuras e não ler nada. O segundo, Barulhinho do silêncio, da Sonia Salerno Forjaz, que adorei. Daí em diante, retirar livros, ler e devolver se tornou rotina. Recebi meu primeiro prêmio (um livro de presente por ser o aluno que mais retirava livros), e a primeira multa, aos oito anos: duas semanas suspenso por conta de cinco dias de atraso na devolução de Reinações de Narizinho. A regra era clara: para cada dia de atraso, três dias de suspensão.

Pensar nestes tempos me deixou incrivelmente nostálgico. Para escrever esta coluna, mexi em algumas fotos, me revi com as botas ortopédicas, encontrei o antigo uniforme escolar. Para onde terá ido a bibliotecária? Era uma estudante de Letras que me apresentou o Terra dos homens, do Exupéry. Tenho medo de descobrir que ela se tornou trader de criptoativos. Busquei no Google alguma imagem do Tico Tico no Fubá e só encontrei livros de culinária e música clássica. Quem terá sido o autor do primeiro livro que tentei ler, sem sucesso?

Foi na caixa de cima, da casa dos meus pais, que encontrei meu antigo cartão da biblioteca da escola. E, debaixo dele, o último livro retirado, Contos Fluminenses, do Machado de Assis. Folheei as páginas amareladas, lembrando que li A Cartomante e deixei o resto para depois. Jamais terminei, e não devolvi por achar que faltava uma semana ou duas para concluir. No cartão, consta a data na qual deveria ter retornado: 01.06.1998.

Preciso voltar à biblioteca da escola e devolver o exemplar. Precisarei explicar ao porteiro que, apesar do diploma entregue há 20 anos, ainda tenho obrigações a cumprir naquele prédio. Será a última visita: pela regra, estarei suspenso pelos próximos 72 anos...

Leonardo Garzaro é escritor, editor e jornalista. Paulista, nascido em 1983, fundou diferentes editoras independentes e editou dezenas de livros. Seu primeiro romance, o infantojuvenil O sorriso do leão, teve os direitos vendidos para editoras de seis países, com traduções para o inglês, espanhol, turco e árabe. Alguns de seus contos foram publicados na premiada revista norte-americana Literal Latin Voices. É consultor de literatura brasileira das editoras Interzona, da Argentina; Arlequin Ediciones, do México; e Corredor Sur, do Equador. Lançou em 2022 O guardião de nomes, que foi elencado como um dos melhores romances de 2022 pelo Suplemento Literário Pernambuco.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
A editora havia sido inaugurada poucos antes quando um agente me trouxe a proposta: Que tal publicar o livro do rei do TikTok?
Ao saber que 20 artistas se reúnem para desenhar uma livraria, em um sábado pela manhã, sinto uma enorme esperança
O editor argentino Luciano Paez Souza se diz um afortunado por ter nascido não em um berço de ouro, mas sim em um berço de livros; ao conhecer a sua história, é difícil discordar
Segundo a ANL, o Brasil tem 2.972 livrarias, 1.167 em São Paulo. Esta é a história de uma delas
Seria difícil explicar para meu amigo Sherif Bakr, que veio do Egito para o Rio, com escala em Doha, que eu não conseguiria ir até o Rio
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Editoras dos selos Verus e Harlequin conversaram sobre as mudanças nas editoras, as características dos gêneros literários, sobre a negociação com os autores e autoras e outros assuntos
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos da Editora Vista Chinesa, Uiclap e um livro independente
Escrito por Marina Hadlich, 'Até essa comédia se tornar romântica' é uma história divertida e com uma personagem que ultrapassa as páginas e conversa diretamente com o leitor
Os poetas são como pássaros: a menor coisa os faz cantar
François Chateaubriand
Escritor francês (1768-1848)
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar