Publicidade
Publicidade
O retrato da voz
PublishNews, Gustavo Martins de Almeida, 10/02/2022
Em novo artigo, Gustavo Martins de Almeida fala sobre um recurso atrativo para o crescente mercado do áudio

Não é novidade a constatação de uma das grandes descobertas do futuro ser a redescoberta do passado.

Os livros em áudio começaram basicamente em gravações feitas em fitas cassete, para pessoas deficientes visuais ou para aprendizado de línguas, com a possibilidade de se ouvir a pronúncia de outro idioma. Antes disso, disquinhos coloridos tocavam histórias infantis.

Hoje, a utilização de voz nas máquinas vem crescendo enormemente e abrange não só os livros, como manuais técnicos, aparelhos de localização geográfica, comando de assistentes caseiros etc.

No estágio atual, o padrão exposto nos contratos de direito autoral para a edição de audiobooks tem sido o de estipular a narrativa linear do texto, em uma só voz, sem emoção. Como já disse numa coluna anterior (A voz do livro, o livro da voz | PublishNews), tudo indica que a narrativa emocional tipo “rádio novela” ocupará seu espaço.

Mas outro ponto surge – que somente o audiobook comporta – o de permitir a quem escreva biografias, baseadas em entrevistas feitas com o biografado, “transcrever” a voz registrada na gravação original, como citação auditiva.

Assim, é possível que o audiobook conte determinada passagem a respeito de um biografado, ou de um personagem, e esta seja complementada por uma citação em áudio original do protagonista.

O livro fica mais atrativo com o realismo sonoro, decorrente da presença vocal do biografado, ou da pessoa em torno da qual gira o enredo do livro.

Um registro histórico curioso: pode-se recriar o perfume de Cleópatra, com base nos textos e fórmulas descritivos da época, pode-se refazer a receita de pratos de Brillat Savarin, é possível executar-se uma sinfonia de Mozart, com base na partitura encontrada, ou apreciar-se um quadro retratando determinado personagem histórico.

No entanto, somente a partir do registro sonoro de Graham Bell, Thomas Edson e outros, em máquina com agulha e cilindro de cera, é que pôde ser ouvida a voz registrada de personagens.

Como teria sido um grito de Independência ou Morte, ou o tom usado no alea jacta est, ou ainda o timbre sonoro de personagem que pronunciou discurso histórico? Isso não se saberá.

Com o audiobook ganha destaque o recurso de perpetuar a voz do biografado na própria biografia. Já mencionei aqui também (Papel, tela, fone de ouvido | PublishNews) o impressionante fenômeno da verbalização do discurso que John Kennedy pronunciaria em 23/11/1963, data em que foi assassinado em Dallas. O texto datilografado do discurso foi inserido em computador previamente alimentado com a voz e entonações do Presidente, em outros discursos gravados, e a máquina sonorizou o texto seco.

Indispensável a repercussão desses fatos na área jurídica, já que as editoras deverão receber do biografado não só autorização para divulgar dados sobre a sua vida, mas também licença para uso de sua voz, com ou sem exclusividade, na publicação do audiobook.

É mais um recurso atrativo para o crescente mercado desse tipo de livros, que vai aos poucos ganhando espaço no público ouvinte, principalmente na faixa jovem.

Do mesmo modo que a fotografia ilustra o texto escrito, a citação, a transcrição de trecho com voz original realça a narrativa, dá outro patamar sonoro, é um “retrato auditivo”.

Identificar um livro pela voz do biografado ou poder ouvir um trecho do audiobook numa loja de venda de produtos audiovisuais é uma nova frente que se abre para os mercados editorial e publicitário, e ainda encosta no aspecto histórico do registro do timbre de voz do personagens retratados em livros.

Gustavo Martins de Almeida é carioca, advogado e professor. Tem mestrado em Direito pela UGF. Atua na área cível e de direito autoral. É também advogado do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e conselheiro do MAM-RIO. Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida aborda os reflexos jurídicos das novas formas e hábitos de transmissão de informações e de conhecimento. De forma coloquial, pretende esclarecer o mercado editorial acerca dos direitos que o afetam e expor a repercussão decorrente das sucessivas e relevantes inovações tecnológicas e de comportamento. Seu e-mail é gmapublish@gmail.com.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
O direito de autor de obra literária de conservá-la inédita é absoluto? Esse direito passa para seus herdeiros com a sua morte?
Em novo artigo, Gustavo Martins de Almeida aborda o projeto de lei que visa regular o uso da inteligência artificial e discute a polêmica por trás da pergunta
Lei de Acesso à Informação ainda não foi estudada sob o novo ângulo dos usos da inteligência artificial, de recriação e abertura de arquivos, comportando enorme potencial de debate e repercussão no segmento de informação
Em novo artigo, Gustavo Martins fala sobre o potencial das interações culturais com mobiliário urbano e como isso poderia ser melhor aproveitado no Brasil
Em novo artigo, Gustavo Martins de Almeida discorre sobre o "grande lance do futuro" ser "redescobrir o passado"
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
As ruas foram tomadas por um público leitor majoritariamente jovem que me deu esperança de um futuro urgente
Publicado pela Giostri, 'Brancos não sabem pedalar', de Vanderson Castilho Munhoz, se passa em 2035, em um Brasil governador por um ditador que apoia o domínio no futebol brasileiro do Clube de Regatas Flamengo
Obra escrita por Paula Carminatti faz parte da duologia 'Ária de Yu'
Escrita por Juily Manghirmalani, 'Vivências asiático-brasileiras: raça, identidade e gênero' aborda questões como identidade cultural, autorreconhecimento, conflitos geracionais e construção de mitos sobre os povos asiáticos
Para mim o livro é prazer; não uma coisa obrigatória. Não vejo problema nenhum em parar no meio quando não estou gostando
Ana Maria Machado
Escritora brasileira
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar