Publicidade
Publicidade
E o Cid Moreira
PublishNews, Paulo Tedesco, 24/01/2022
Em nova coluna, Paulo Tedesco fala sobre os diversos sotaques no jornalismo, no audiovisual e na escrita

Lembro-me dos debates e críticas necessárias, lá nos 1980/90, à “cidmoreirização” de praticamente todos os telejornais locais e nacionais em TV aberta. Sim, Cid Moreira era quem abria o Jornal Nacional da poderosa, dominadora, e carioca Rede Globo de televisão. Se fosse retransmissora da Globo, ou mesmo telejornal ou documentário de outra emissora, o jornalista tinha que imitar o Cid Moreira em tudo. Sendo que as mulheres dificilmente guardavam assento nos jornais, exceto nos de variedades, como Fantástico e telejornais matutinos.

A audiência massiva da líder incontestável de audiência, no único tipo de televisão, a televisão aberta e captada por antenas externas e internas, chegava a também “carioquizar” o resto país com um suposto sotaque da zona sul carioca, fazendo com que puxar o “r” e o “s” fosse algo bonito e repetido. E não, esse sotaque não era necessariamente de todo morador do Rio, mas uma variante dos sotaques que se distinguia, mais exclusivamente, na zona sul da cidade como Ipanema, Copacabana, Leblon, Leme e outros.

As poderosas telenovelas Globais também propagavam o “falar carioca”, fazendo com seus diretores e preparadores de artistas proibissem outros sotaques de outras regiões. Falar na grande Globo com sotaque pernambucano, baiano, paulistano, gaúcho da fronteira, goiano, era somente dentro de um acordo prévio com o diretor e roteirista, e ainda assim com maneirismos muitas vezes beirando o ridículo.

Bom, hoje, quando ligamos a TV e encontramos Ivete Sangalo soltando o “baianês” ou um humorista abusando livremente do paulistano da Mooca ou Bixiga, poucos devem se recordar de que isso seria heresia na telinha – simplesmente não podia. E o choque, quando outro canal de TV, a Rede Manchete, trouxe a novela O Pantanal? Quando outros sotaques apareceram, com outras paisagens e reviraram o meio novelístico, incomodando os índices da TV Globo como nunca antes visto, o abalo foi tal que mesmo décadas depois ainda O Pantanal repercute.

Pois as transmissões de novelas e telejornais massivos estão com seus dias contados, tal como a carioquização falseada, e inclusive o futebol como esporte único da nação, ao menos na televisão aberta. A fragmentação e produção do acesso ao conteúdo conseguiram descentralizar os discursos e as produções, e trouxeram não somente outros sotaques, mas embaralharam também outras línguas com outros falares, a exemplo de gírias, dialetos, idioletos e principalmente a língua inglesa, que, por enquanto, é avassaladora em todas as instâncias da vida cotidiana.

Dia desses, vi uma boa discussão sobre os sotaques regionais serem dialetos e se deveríamos nos utilizar das gírias ao escrever. O assunto que é antigo e quase acadêmico agora estava ali, aberto, recheado de opiniões e sugestões, e até sugestões bibliográficas. Portanto, acabou não só a cidmoreirização da comunicação brasileira, mas também qualquer espaço para platitudes e obviedades quando se escreve e se publica. Enfim, não dá para pular no mar das ideias sem técnicas de sobrevivência, o autor se afogará com certeza, e não será na glamorosa Copacabana da Globo.

Paulo Tedesco é escritor, editor e consultor em projetos editoriais. Desenvolveu o primeiro curso em EAD de Processos Editorais na PUCRS. Coordena o www.editoraconsultoreditorial.com (livraria, editora e cursos). É autor, entre outros, do Livros Um Guia para Autores pelo Consultor Editorial, prêmio AGES2015, categoria especial. Pode ser acompanhado pelo Facebook, Twitter, Instagram e LinkedIn.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Paulo Tedesco escreve sobre a valorização do trabalho manual versus o trabalho intelectual e criativo
Em novo artigo, Paulo Tedesco lembra que 'nunca é tarde para reagir' e que ainda há muito a ser feito em 2024
As distantes galáxias separadas da Terra pelo vácuo parecem muito com as críticas, por exemplo, sobre o preço do livro
Em novo artigo, Paulo Tedesco faz um paralelo entre homens e livros e a sociedade como uma grande biblioteca e sobre como ela merece ser lida com maior profundidade e nas entrelinhas
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
As ruas foram tomadas por um público leitor majoritariamente jovem que me deu esperança de um futuro urgente
Publicado pela Giostri, 'Brancos não sabem pedalar', de Vanderson Castilho Munhoz, se passa em 2035, em um Brasil governador por um ditador que apoia o domínio no futebol brasileiro do Clube de Regatas Flamengo
Obra escrita por Paula Carminatti faz parte da duologia 'Ária de Yu'
Escrita por Juily Manghirmalani, 'Vivências asiático-brasileiras: raça, identidade e gênero' aborda questões como identidade cultural, autorreconhecimento, conflitos geracionais e construção de mitos sobre os povos asiáticos
Não gosto de repetir fórmulas. Só começo um novo livro quando estou seguro de que não conseguirei escrevê-lo. É um desafio, não posso me deixar vencer pelas palavras.
António Lobo Antunes
Escritor português
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar