Publicidade
Publicidade
Por que sempre vamos precisar de uma festa em Palermo e também das feiras de livros?
PublishNews, Carlo Carrenho, 22/03/2021
Em seu artigo, Carlo Carrenho fala sobre a importância das festas e eventos literários presenciais para o negócio do livro

Um bar em Palermo, Buenos Aires, bairro onde o PublishNews Espanhol planejava uma festa antes da pandemia | © Divulgação
Um bar em Palermo, Buenos Aires, bairro onde o PublishNews Espanhol planejava uma festa antes da pandemia | © Divulgação
Um artigo recém-publicado por Mark Williams na The New Publishing Standard, reunindo declarações de Philip Jones, editor do Bookseller, sobre o futuro das feiras de livros me motivou a escrever este artigo. Meu colega Philip faz observações muito certeiras, mas, na minha cabeça (e coração), o artigo contribuiu para uma ideia crescente entre profissionais do mercado editorial: a de que as feiras de negócios do livro poderiam muito bem desaparecer, já que elas não fizeram falta no ano pandêmico de 2020.

Eu não poderia discordar mais.

Eu acredito que as feiras de livros ou outros eventos literários presenciais são a chave para o negócio do livro, e aqui, eu ressalto a palavra negócio. Não, feiras de livros não são só um pequeno carnaval, com festas sem sentido, como fazem supor alguns controladores financeiros de grupos corporativos. As feiras são destinadas aos negócios. E, sim, elas são divertidas. Lá acontecem festas e eventos sociais, mas tudo isso faz parte do negócio. A propósito, mesmo o maior Carnaval do mundo, no Brasil, é também um grande negócio, só para constar.

Negócios pedem confiança. Não qualquer tipo de confiança, mas confiança pessoal. Em uma indústria com tantos lançamentos de produtos, tantos fornecedores, e também tantos varejistas, construir confiança não é só importante como é um grande desafio e um evento presencial serve muito bem para esse propósito. Sentar-se à mesa para uma reunião, olhar olho no olho, dá uma perspectiva pessoal que uma reunião no Zoom nunca oferecerá.

O negócio do livro é um negócio promíscuo. Precisamos conquistar novos autores, novos tradutores, novos varejistas, novos impressores... E você já tentou conhecer novas pessoas on-line? Eu já e posso dizer que não é a mesma coisa. Além disso, o acaso não acontece e a nossa indústria está cheia de histórias em que o acaso fez total diferença. Agora, as ferramentas virtuais têm se mostrado ótimas para manter relacionamentos, admito e sou muito grato a elas, mas construir novas relações on-line são outros quinhentos: é extremamente difícil.

Para pessoas que lidam com o desenvolvimento de novos negócios, como eu, não estar nos eventos e não poder viajar torna o trabalho virtualmente impossível – trocadilho intencional. Acabei de me juntar ao time da StreetLib, na Itália, e, embora a recepção virtual de boas-vindas tenha sido calorosa, eu terei claramente que ir até a Itália tão logo seja possível para entender melhor a empresa.

As feiras de livros também são a melhor, mais fácil e rápida maneira de ver o que o resto do mercado está fazendo pelo mundo. É onde as tendências se tornam quase que palpáveis; onde são apresentados os novos modelos de negócios; novas ideias são testadas e é onde se torna possível a descoberta de novos autores e novas categorias que se tornarão best-sellers. Mas, mais importante do que tudo isso: as feiras são a chave para entender os mercados estrangeiros, seus players e sua literatura. Sem os eventos físicos, o mercado editorial corre o risco de voltar para o nacionalismo e ao etnocentrismo.

O meu histórico pessoal e profissional não poderia ser mais distante da Rússia, mas, em 2019, eu comecei a trabalhar com o mercado russo de audiolivros, e visitando a Feira de Livros de Não Ficção de Moscou, naquele ano, tive um panorama do mercado russo, mesmo eu não sabendo ler o alfabeto cirílico. Em uma das noites, tive a chance de ir a uma festa organizada pela descolada editora Ad Marginem, onde pude conhecer pessoas novas. Eu só fui convidado para essa festa porque um editor brasileiro me apresentou um dos editores da Ad Marginem em uma edição passada da Feira do Livro de Frankfurt. Os dois foram colegas do programa no Fellowship de Frankfurt.

Por fim, as feiras de livros são importantes para a moral, do ponto de vista dos recursos humanos (RH) mesmo. Os profissionais do mercado do livro são mal pagos em todos os lugares. Mas nós aceitamos os salários mais baixos em troca de fazer algo que amamos e com o qual nos divertimos. O mercado editorial também é cheio de frustrações, a tal ponto que o todo-poderoso Markus Dohle, o chama de “negócio do fracasso”. Então nós, profissionais da edição, não só merecemos, mas precisamos da diversão e das festas intrínsecas às feiras de negócios do livro. Tire a diversão – e as festas – da equação e é melhor que a indústria do livro comece a pagar salários mais decentes para manter suas melhores cabeças.

Festa de 15 anos do PublishNews Brasil em um bar em São Paulo
Festa de 15 anos do PublishNews Brasil em um bar em São Paulo
Aliás, as festas e eventos sociais merecem mais um comentário. Às vezes, eu me sinto quase culpado quando as pessoas falam sobre eles. Bem, não há nada do que se envergonhar ou se sentir culpado. Em primeiro lugar, nós merecemos (pense no seu salário). Em segundo lugar, eles significam negócios. A longo prazo, eu me atrevo a dizer que as festas e eventos sociais em Frankfurt – como as noites no Steigenberger Frankfurter Hof – geram mais negócios do que qualquer reunião durante o dia. Como organizador das melhores festas nas feiras brasileiras com o PublishNews (sem falta modéstia, acredito), vi como elas são importantes para os negócios. E, por falar nisso, pergunte à Kobo e Bookwire, patronos de uma das melhores festas em feiras de livros, se os eventos valem o dinheiro investido na bebida e nas noites sem dormir de seus funcionários num dia de feira. Na verdade, nem se preocupe em perguntar, a resposta é óbvia.

Sim, existem muitos problemas e o novo coronavírus pode ter nos forçado a encarar esses problemas e também melhorar os eventos literários. É claro que as feiras de livros podem fazer melhor e que precisam se adaptar e mudar. A maioria das críticas é válida. Eu realmente não vejo sentido nos estandes cheios de ostentação, de dois andares, nas feiras latino-americanas voltadas para o público final. Além disso, os preços das acomodações em Frankfurt são exorbitantes. Algumas feiras perderam sua identidade tentando ser um evento profissional e ao mesmo tempo voltado ao público. Não tenho dúvidas de que o futuro das feiras de livros é híbrido. Elas existirão tanto fisicamente como on-line, permitindo uma necessária democratização e inclusão que eventos elitistas como Frankfurt e Londres nunca permitiram. E isso é ótimo.

No entanto, as feiras de livros simplesmente não são substituíveis ainda e nunca serão enquanto a humanidade permanecer baseada nas relações sociais. Os profissionais do livro ainda são humanos e a indústria valoriza a sua diversidade. O ramo da publicação precisa do networking e isso raramente acontece no ambiente on-line. No Reboot Books, estamos sempre discutindo como promover o networking nos eventos sociais e até agora não chegamos nem perto de uma solução decente.

Enquanto isso, nunca vou me esquecer do que aconteceu em um intervalo da nossa conferência do Reboot em outubro passado, quando alguns palestrantes, entre eles os CEOs da Planeta (Espanha), da Sextante (Brasil) e Mauro Spagnol (Itália), começaram a conversar na frente de todos os presentes, com sede de socializar. Ok, todos eram latinos, mas mesmo assim...

No final das contas, as feiras de livros digitais são como sexo virtual. Pode funcionar por um tempo, é mais seguro, mas não é real, e a concepção – seja de bebês ou de novos negócios – é quase impossível.

Eu gostaria de terminar com um convite. A pandemia estourou quando eu estava tentando organizar uma festa do PublishNews Espanhol na Feira do Livro de Buenos Aires, no ano passado. Eu queria fazer isso num bar badalado no bairro de Palermo, bem perto da feira, copiando as festas do PublishNews Brasil. Eu até tinha um patrocinador! Bem, os planos foram adiados, mas não cancelados. Todos estão convidados!

E seja em Buenos Aires, na minha cidade natal São Paulo, na minha agora doméstica feira de livros em Gotemburgo, na gigantesca Frankfurt, na descolada Londres, na divertida Bolonha, na descontraída Thessaloniki, na elegante feira de Não Ficção de Moscou ou na badalada Guadalajara, só quero ver, abraçar e beijar todos os meus amigos e colegas quando a próxima feira do livro acontecer. Cara, eu sinto falta disso! E tenho certeza de que “o fim do mundo” acabará em breve e todos vamos comemorar em um bar de Palermo. Reitero o convite.

Obs.: Caso você tenha pensado que esse artigo era sobre Palermo, na Itália, bem, podemos considerar uma festa lá também.

Carlo Carrenho é o fundador do PublishNews no Brasil e co-fundador do PublishNews na Espanha. Formado em Economia pela FEA-USP, especializou-se em Edição de Livros e Revistas no Radcliffe Publishing Course, em Cambridge (EUA). Atualmente trabalha na área de desenvolvimento internacional de novos negócios para a Word Audio Publishing International na Suécia e é advisor da Meta Brasil e da BR75 no Brasil. Como especialista no mercado de livros, já foi convidado para dar palestras e participar de mesas em países como EUA, Alemanha, China, África do Sul, Inglaterra e Emirados Árabes, entre outros. É co-curador da conferência profissional Feira do Livro de Tessalônica.

Carlo é paulista, morou no Rio, e atualmente vive em Estocolmo, na Suécia. É cristão, mas estudou em escola judaica. É brasileiro, mas ama a Escandinávia. Enfim, sua vida tende à contradição. Talvez por isso ele torça para o Flamengo e adore o seriado Blue Bloods.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Carlo Carrenho entrevista três respeitados profissionais de marketing e vendas do mercado de livros no Brasil: Daniela Kfuri, Bruno Zolotar e Gerson Ramos
Em sua coluna, Carlo Carrenho faz uma análise sobre o mercado de audiolivros e tenta responder a essa pergunta que é uma das grandes questões do momento
Carlo Carrenho seleciona o melhor da programação da maior feira de livros do mundo
Carlo Carrenho analisa a relação entre gênero e suporte nas vendas dos editores suecos
Carlo Carrenho traz números e tendências do audiolivro no Reino Unido e na França
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Podcast do PublishNews dessa semana recebeu Anselmo Bortolin, CEO da Meta Brasil - UmLivro e Simei Junior, da Bookwire, para falarem sobre o assunto
Recentemente, o mundo se espantou ao saber que uma colagem de milhares de imagens virtuais foi vendida por US$ 69 milhões. É o NFT. O que é isso e o que isso pode implicar no mercado de livros? Gustavo Martins de Almeida responde.
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Em sua crônica do mês, Luciana Pinsky fala sobre o ato de nadar para relaxar e pensar na vida
Podcast do PN destaca o mercado português de livros. Simone Paulino, da Nós, e Jaime Mendes, da distribuidora Saudade, são os convidados dessa semana.
Livro é luta, livro é resistência.
Telma Kobori
Gerente de catálogo do Grupo Autêntica
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar