Publicidade
Publicidade
Na feira de Lisboa, o livro vence o vírus
PublishNews, Redação, 23/09/2020
Em sua coluna, Julio Silveira fala sobre sua experiência na Feira do Livro de Lisboa que aconteceu mesmo com a pandemia do novo coronavírus

© Booker
© Booker

Em abril publiquei aqui no PN um relato de como Portugal lidava com o Covid na tentativa de animar (ou melhor, consolar) o povo do livro no Brasil. Era mais ou menos o que tentavam fazer as crianças, que desenhavam um arco-íris com a frase “vamos todos ficar bem” e punham o desenho à janela (um desses ilustrava o artigo). Porém, para ser honesto, nada naqueles dias me garantia que ficaríamos bem: livrarias fechadas (à força da lei ou por falta de dinheiro), vendas abissais, prognósticos catastróficos. O único alento, a tênue luz no fim do túnel, era a confirmação de que a Feira do Livro de Lisboa, que fora cancelada em maio, voltaria a acontecer em agosto, logo antes da Feira de Frankfurt.

Frankfurt, enfim, acabou não acontecendo, mas a Feira de Lisboa foi muito bem, obrigado! Fiz lá minha reestreia como expositor (15 anos depois da minha última feira com a Casa da Palavra!), no “pavilhão” (estande) da Motor Editorial. Não estava lá muito confiante e estava menos ainda seguro. Iria encarar um público novo e a ele oferecer produtos novos (livros de sete editoras que aportavam em terras lusas, ainda por cima impressos “em brasileiro”). Contudo, pior do que não saber se o público aceitaria os livros… era não saber se tal público aceitaria vir à feira!… (Depois de uma aparente retração da epidemia, o número de novos infectados diários dobrava a cada dia, às vésperas da abertura, e já se temia um novo cancelamento).

…mas enfim o público veio. Nos primeiros dias até estourou a lotação máxima (3.300 visitantes). Parecia mesmo que as pessoas estavam compensando os frios dias de confinamento com horas ensolaradas num espaço aberto, entre livros. “Nós não nos rendemos a uma pandemia. […] Não há economia que vingue sem cultura: tecnocratas acham o contrário, mas estão enganados.” disse na abertura o presidente (e antigo-editor) Marcelo Rebelo de Sousa que, como é de sua tradição, voltou depois à feira para comprar muitos títulos (infelizmente nenhum do nosso estande). Precauções não faltaram: apesar do evento acontecer em um parque sem muros, foram erguidas entrada e saída únicas, para evitar excesso de gente (ou “enchentes” como se diz aqui). Algumas pessoas desistiram de ficar na fila, outras voltaram em outra hora (nos finais de semana o evento vai até a meia-noite). Álcool em gel por todo lado e máscaras no rosto o tempo todo (os guardas pediam que os poucos recalcitrantes as vestissem, “se faz favor”). Algumas editoras chegaram a oferecer livros plastificados para manipulação, desinfetados a cada folheada.

Fiquei com a impressão de que não foi o vírus o grande espanta-público. Após uma primeira semana de multidões, a segunda semana foi esvaziada pelo sol forte, com o público esperando a noite para vir dar uma espreitada nos livros. De qualquer modo, passada uma semana do encerramento, estima-se que o público foi só uns 40% menor do que o da última edição, uma conta a se comemorar, dentro das circunstâncias. Mais festejado foi constatar que o faturamento foi muito próximo ao de 2019, o melhor dos 90 anos em que a feira aconteceu. Não acostumados a celebrar, os editores e livreiros foram logo ressalvando que, por melhores que tenham sido as vendas, não há como salvar a queda de 30% no primeiro semestre. Se, por um lado, os organizadores anunciaram orgulhosos que a feira deste ano teve um recorde de “310 pavilhões, 117 participantes e representação de 638 marcas editoriais”, por outro uma editora tradicional como a Cotovia disse que foi sua última participação: vai fechar as portas no fim do ano.

Quanto a nós, na Motor Editorial, que estreávamos e não tínhamos nem base de comparação nem expectativa, a Feira foi bem mais que uma grande experiência. Conhecemos os leitores portugueses (e brasileiros e angolanos, cabo-verdianos, moçambicanos e guineenses) e eles conheceram nossos livros. Deu “match”. Muitos queriam descobrir a “nova” literatura brasileira que, aparentemente, parou em Rubem Fonseca. Outros se encantaram com os títulos de temáticas afro-brasileiras, políticas e de sexualidade — do catálogo das editoras Pallas, Hedra, Mórula, N-1, Kalinka, Circuito e Ímã Editorial — assuntos que parecem estar em falta nas prateleiras e estantes portuguesas, um vazio que a Motor já começa a preencher.

Criada para franquear o mercado português (e, em breve, o angolano) às editoras brasileiras, a Motor Editorial começou, a partir da Feira, abrir os canais. Os primeiros títulos brasileiros, impressos na Europa, estão a caminho das livrarias e já podem ser comprados em marketplaces como a Fnac e também na nossa loja.

Pode-se dizer que o clima hoje é de entusiasmo, muito diferente da atmosfera macambúzia que descrevi na crônica/alento de abril. Ainda não dá para garantir que “vamos todos ficar bem”, já que o vírus continua. Mas vê-se que vamos chegar lá, pela força do livro.

© Pedro Fiuza / Xinhua
© Pedro Fiuza / Xinhua

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Tags: Coronavírus
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Livrarias italianas podem abrir, mas não querem; letãs querem abrir no fim de semana, mas não podem; francesas não podem vender, mas também não deixam a Amazon tomar seu espaço: como o livro europeu se vira com o vírus
Em sua coluna, Julio Silveira relata como Portugal e em especial, editores e livreiros, estão lidando com a pandemia da covid-19
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Laura di Pietro, das editoras Roça Nova e Tabla, é a convidada do Podcast do PublishNews desta semana. Editora participará da Feira do Livro de Sharjah, que terá este ano, uma versão híbrida.
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Verena Borelli, terceira finalista do Prêmio Jovens Talentos a participar do PublishNews Entrevista, fala dos desafios em transformar o trabalho presencial em remoto
Camila Cabete usa a sua coluna para apontar como a crise elegeu novos arautos do negócio digital no Brasil: ‘me surpreendo com pessoas que renegavam o formato e negócio digital surgirem como os grandes palestrantes do ramo’
'A leitura literária de um livro físico é uma experiência sinestésica e artística fundamental para a infância. Sem essa experiência, a formação de leitores fica bastante comprometida', defende Volnei Canônica em sua coluna
Eu escrevo por uma urgência.
Marcelino Freire
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar