Publicidade
Publicidade
Entretanto em Portugal
PublishNews, Julio Silveira, 08/04/2020
Em sua coluna, Julio Silveira relata como Portugal e em especial, editores e livreiros, estão lidando com a pandemia da covid-19

Não vai ter Páscoa, neste país tão católico. Ninguém poderá sair de seu concelho (município) para celebrar com a família em torno de um bacalhau. Aliás, há guardas na rua “estimulando” as pessoas a ficarem em casa e celebrarem a paixão de Cristo on-line. Eis uma ilustração de Portugal em estado de emergência. Ainda que os casos não tenham explodido, as notícias da vizinha Espanha não deixam os lusitanos, em geral já pragmáticos e recolhidos, relaxarem.

A resposta portuguesa foi rápida, mas também vêm rápidos os efeitos sobre a economia: ruas desertas e comércio fechado, à exceção dos supermercados e farmácias, onde só podem entrar cinco compradores por vez. As livrarias — tanto as de shopping quanto as de rua — estão (quase) proibidas de abrir, embora a ministra da cultura (sim, aqui ainda há) tenha ressaltado que elas podem funcionar se recorrerem a um postigo (um balcão/janela para a rua, como a das farmácias brasileiras em áreas de risco).

Ver como os editores e livreiros portugueses reagem a este pouso forçado e quais soluções vislumbram pode servir de referência, ou consolo, para seus colegas da margem esquerda do Atlântico. Mas antes de encontrar semelhanças, é preciso estabelecer as diferenças:

O mercado português de livros difere do brasileiro em tamanho e situação: é bem menor (na melhor das estimativas, equivale a um sexto) e vai bem melhor: vem há alguns anos com um crescimento, nada exuberante, mas consistente (embora ainda não tenha voltado aos números anteriores à última crise, em 2011). A cadeia do livro opera em bases mais salutares, numa ecologia que viabiliza livrarias de rua, ao lado de grandes redes e da venda em hipermercados (40% do mercado).

Isso posto, ressalte-se que em Portugal há um governo ativo e coeso (e respeitado) que reconhece o papel estruturante da cultura para a economia e sociedade, e também uma população confiante e acostumada a recorrer aos governantes. Isso talvez explique que em Portugal os profissionais do livro primeiro foram cobrar as autoridades institucionais, enquanto que livreiros e editores do Brasil abriram guerra entre si.

Há medidas governamentais de proteção da economia, algumas gerais — como a moratória do pagamento de aluguéis, incluindo os particulares —, outras específicos para a cultura, como uma linha de apoio emergencial a criadores e promotores. Mas não se sabe o quanto isso pode mitigar o cataclisma: nas primeiras duas semanas de confinamento, o total de livros vendidos foi de apenas um terço do mesmo período do ano passado e, com a perspectiva de mais um mês em estado de emergência, a tendência é achatar a curva do faturamento até o zero.

“É uma situação dificílima que se está a viver neste momento, porque todo o circuito parou”, diz o presidente da APEL (a equivalente lusa da CBL), “as vendas estão completamente paradas, não há venda nenhuma, as que ainda subsistem são on-line, mas mesmo as livrarias virtuais têm um peso muito pequenino no conjunto do mercado, se representarem 5% das vendas é muito bom”.

Além da baixa participação do digital no mercado (em comparação aos 40% no Brasil), por conta da boa rede de livrarias e a maturidade do hábito de leitura, o vírus pegou o livro português no contrapé: a última semana antes do confinamento tinha registrado aumento de 12% frente ao mesmo período do ano anterior; e 2019 registrou um crescimento leve (uns 3%) porém seguro da economia do livro.

O maior temor é que as algumas livrarias que fecharam por ordem do estado de emergência… não abram pela desordem financeira.

A primeira reação organizada partiu de um grupo de (maior) risco: as livrarias independentes. Reuniram-se 57 delas (número vale a pena comparar com a base brasileira de livrarias mapeadas por Beatriz Alves) para subscrever uma carta dirigida aos governantes e à sociedade em geral. O manifesto da ReLI (Rede de Livrarias Independentes) reivindica apoio e sugere medidas tanto emergenciais (para manter o segmento vivo) quanto estruturais para fortalecer o que sobrar do mercado, “se conseguirmos acordar desta longa noite”.

Do governo, a ReLI pede recursos para cobrir aluguéis e manter funcionários — o que já está no plano geral anti-crise do Estado —, mas pleiteia que não sejam apenas uma moratória, porque “o problema é o adiamento do problema”, como diz José Pinho, livreiro da gigantesca (embora independente) Ler Devagar e promotor do Festival Literário de Óbidos. “Como nas rendas [aluguéis], no layoff [demissões], nos empréstimos que não forem a fundo perdido, ou noutra área qualquer, todas estas medidas que até parecem simpáticas e solidárias não passam de medidas proporcionadoras de acumulação de dívida contraídas por empresas que provavelmente, não vendendo, nem daqui a dois ou três anos estarão em condições de amortizar.” Também demanda que livrarias independentes tenham prioridade nas compras governamentais e que os livros didáticos, um dos esteios do mercado, sejam prioritariamente vendidos pelas lojas independentes.

A Lei do Preço Fixo voltou a ser invocada para defender as livrarias. Ela vigora em Portugal, mas sua aplicação é pouco rigorosa, e assim como o touro nas touradas à portuguesa, os infratores não sofrem graves consequências. O editor Hugo Xavier, da e-Primatur, que busca novas soluções para o velho negócio do livro, opina que “se alguma coisa deveria acontecer era uma luta e um pedido de regulamentação legal do desconto comercial” e prefere o estabelecimento de novas regras em comum. Para Hugo, “a ReLI precisa criar mecanismos e princípios comuns e os cumprir, para ira além de uma amálgama de intenções. […] O resto ficaria a cargo da imaginação e capacidade e risco de cada agente do livro, e os pequenos livreiros aí tem uma vantagem na agilidade e criatividade que as grandes cadeias não terão.”

Do lado proativo, as livrarias da ReLI propõem fortalecer a rede e conquistar espaço, ou não perdê-lo para as redes e as lojas virtuais. As medidas incluem a constituição de um e-commerce próprio e coletivo, que constituiria “o embrião de uma central de compras e de distribuição”. Talvez aí resida a melhor inspiração para as livrarias brasileiras: trocar o corporativismo pelo cooperativismo. Porém, para além das dificuldades inerentes da criação de uma federação de livrarias, acomodando todos os diversos interesses, há coisas que Portugal poderia fazer e o Brasil não, como o compartilhamento de um e-commerce onde o endereço do comprador determinaria qual livraria fará a venda — impensável no cenário do Brasil, com um imenso território onde as poucas livrarias independente dividem os mesmos poucos bairros nas mesmas poucas cidades.

Porém, enfim, é Semana Santa e a ressurreição da economia pode vir, não por milagre, mas pela inflexão da curva de contágio, o que já faz sonhar com uma volta à rua e aos livros. Que não se subestime a resiliência portuguesa: há 265 anos, após terremoto, tsunami e incêndios, Lisboa tratou logo de “enterrar os mortos e cuidar dos vivos” e a cidade foi logo reconstruída, em bases mais seguras e majestosas. Do mesmo modo, imagino que lá para agosto ou setembro, vencida a calamidade, a Feira de Lisboa estará cheia de livros e de leitores (mesmo que com máscaras).

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Portugal reabre livrarias e editoras brasileiras já podem participar da retomada
Em sua coluna, Julio Silveira fala sobre sua experiência na Feira do Livro de Lisboa que aconteceu mesmo com a pandemia do novo coronavírus
Livrarias italianas podem abrir, mas não querem; letãs querem abrir no fim de semana, mas não podem; francesas não podem vender, mas também não deixam a Amazon tomar seu espaço: como o livro europeu se vira com o vírus
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
No segundo capítulo da série 'Escrever para lembrar: o que os grandes escritores me ensinaram', Suzana Vargas lembra de episódios marcantes vividos ao lado do poeta gaúcho
Podcast do PublishNews recebe Alex Amorim, presidente do Instituto Brasileiro de Segurança, Proteção e Privacidade de Dados, para falar tudo o que o editor e livreiro precisam saber sobre a Lei Geral de Proteção de Dados
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso. Hoje, mais uma vez, o posto foi ocupado por Rê Tinta
Podcast do PublishNews conversou com Giovana Bruno Lima e Maju Alves sobre como as editoras podem tirar proveito do aplicativo do momento
Portugal reabre livrarias e editoras brasileiras já podem participar da retomada
Escrever e editar é buscar memória. Quando publico meus textos ou os de outros, minha ilusão não é tanto que se chegue a um ponto final, mas que a história tenha um depois de amanhã
Julio Villanueva Chang
Escritor peruano
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar