Publicidade
Publicidade
Entretanto em Portugal
PublishNews, Julio Silveira, 08/04/2020
Em sua coluna, Julio Silveira relata como Portugal e em especial, editores e livreiros, estão lidando com a pandemia da covid-19

Não vai ter Páscoa, neste país tão católico. Ninguém poderá sair de seu concelho (município) para celebrar com a família em torno de um bacalhau. Aliás, há guardas na rua “estimulando” as pessoas a ficarem em casa e celebrarem a paixão de Cristo on-line. Eis uma ilustração de Portugal em estado de emergência. Ainda que os casos não tenham explodido, as notícias da vizinha Espanha não deixam os lusitanos, em geral já pragmáticos e recolhidos, relaxarem.

A resposta portuguesa foi rápida, mas também vêm rápidos os efeitos sobre a economia: ruas desertas e comércio fechado, à exceção dos supermercados e farmácias, onde só podem entrar cinco compradores por vez. As livrarias — tanto as de shopping quanto as de rua — estão (quase) proibidas de abrir, embora a ministra da cultura (sim, aqui ainda há) tenha ressaltado que elas podem funcionar se recorrerem a um postigo (um balcão/janela para a rua, como a das farmácias brasileiras em áreas de risco).

Ver como os editores e livreiros portugueses reagem a este pouso forçado e quais soluções vislumbram pode servir de referência, ou consolo, para seus colegas da margem esquerda do Atlântico. Mas antes de encontrar semelhanças, é preciso estabelecer as diferenças:

O mercado português de livros difere do brasileiro em tamanho e situação: é bem menor (na melhor das estimativas, equivale a um sexto) e vai bem melhor: vem há alguns anos com um crescimento, nada exuberante, mas consistente (embora ainda não tenha voltado aos números anteriores à última crise, em 2011). A cadeia do livro opera em bases mais salutares, numa ecologia que viabiliza livrarias de rua, ao lado de grandes redes e da venda em hipermercados (40% do mercado).

Isso posto, ressalte-se que em Portugal há um governo ativo e coeso (e respeitado) que reconhece o papel estruturante da cultura para a economia e sociedade, e também uma população confiante e acostumada a recorrer aos governantes. Isso talvez explique que em Portugal os profissionais do livro primeiro foram cobrar as autoridades institucionais, enquanto que livreiros e editores do Brasil abriram guerra entre si.

Há medidas governamentais de proteção da economia, algumas gerais — como a moratória do pagamento de aluguéis, incluindo os particulares —, outras específicos para a cultura, como uma linha de apoio emergencial a criadores e promotores. Mas não se sabe o quanto isso pode mitigar o cataclisma: nas primeiras duas semanas de confinamento, o total de livros vendidos foi de apenas um terço do mesmo período do ano passado e, com a perspectiva de mais um mês em estado de emergência, a tendência é achatar a curva do faturamento até o zero.

“É uma situação dificílima que se está a viver neste momento, porque todo o circuito parou”, diz o presidente da APEL (a equivalente lusa da CBL), “as vendas estão completamente paradas, não há venda nenhuma, as que ainda subsistem são on-line, mas mesmo as livrarias virtuais têm um peso muito pequenino no conjunto do mercado, se representarem 5% das vendas é muito bom”.

Além da baixa participação do digital no mercado (em comparação aos 40% no Brasil), por conta da boa rede de livrarias e a maturidade do hábito de leitura, o vírus pegou o livro português no contrapé: a última semana antes do confinamento tinha registrado aumento de 12% frente ao mesmo período do ano anterior; e 2019 registrou um crescimento leve (uns 3%) porém seguro da economia do livro.

O maior temor é que as algumas livrarias que fecharam por ordem do estado de emergência… não abram pela desordem financeira.

A primeira reação organizada partiu de um grupo de (maior) risco: as livrarias independentes. Reuniram-se 57 delas (número vale a pena comparar com a base brasileira de livrarias mapeadas por Beatriz Alves) para subscrever uma carta dirigida aos governantes e à sociedade em geral. O manifesto da ReLI (Rede de Livrarias Independentes) reivindica apoio e sugere medidas tanto emergenciais (para manter o segmento vivo) quanto estruturais para fortalecer o que sobrar do mercado, “se conseguirmos acordar desta longa noite”.

Do governo, a ReLI pede recursos para cobrir aluguéis e manter funcionários — o que já está no plano geral anti-crise do Estado —, mas pleiteia que não sejam apenas uma moratória, porque “o problema é o adiamento do problema”, como diz José Pinho, livreiro da gigantesca (embora independente) Ler Devagar e promotor do Festival Literário de Óbidos. “Como nas rendas [aluguéis], no layoff [demissões], nos empréstimos que não forem a fundo perdido, ou noutra área qualquer, todas estas medidas que até parecem simpáticas e solidárias não passam de medidas proporcionadoras de acumulação de dívida contraídas por empresas que provavelmente, não vendendo, nem daqui a dois ou três anos estarão em condições de amortizar.” Também demanda que livrarias independentes tenham prioridade nas compras governamentais e que os livros didáticos, um dos esteios do mercado, sejam prioritariamente vendidos pelas lojas independentes.

A Lei do Preço Fixo voltou a ser invocada para defender as livrarias. Ela vigora em Portugal, mas sua aplicação é pouco rigorosa, e assim como o touro nas touradas à portuguesa, os infratores não sofrem graves consequências. O editor Hugo Xavier, da e-Primatur, que busca novas soluções para o velho negócio do livro, opina que “se alguma coisa deveria acontecer era uma luta e um pedido de regulamentação legal do desconto comercial” e prefere o estabelecimento de novas regras em comum. Para Hugo, “a ReLI precisa criar mecanismos e princípios comuns e os cumprir, para ira além de uma amálgama de intenções. […] O resto ficaria a cargo da imaginação e capacidade e risco de cada agente do livro, e os pequenos livreiros aí tem uma vantagem na agilidade e criatividade que as grandes cadeias não terão.”

Do lado proativo, as livrarias da ReLI propõem fortalecer a rede e conquistar espaço, ou não perdê-lo para as redes e as lojas virtuais. As medidas incluem a constituição de um e-commerce próprio e coletivo, que constituiria “o embrião de uma central de compras e de distribuição”. Talvez aí resida a melhor inspiração para as livrarias brasileiras: trocar o corporativismo pelo cooperativismo. Porém, para além das dificuldades inerentes da criação de uma federação de livrarias, acomodando todos os diversos interesses, há coisas que Portugal poderia fazer e o Brasil não, como o compartilhamento de um e-commerce onde o endereço do comprador determinaria qual livraria fará a venda — impensável no cenário do Brasil, com um imenso território onde as poucas livrarias independente dividem os mesmos poucos bairros nas mesmas poucas cidades.

Porém, enfim, é Semana Santa e a ressurreição da economia pode vir, não por milagre, mas pela inflexão da curva de contágio, o que já faz sonhar com uma volta à rua e aos livros. Que não se subestime a resiliência portuguesa: há 265 anos, após terremoto, tsunami e incêndios, Lisboa tratou logo de “enterrar os mortos e cuidar dos vivos” e a cidade foi logo reconstruída, em bases mais seguras e majestosas. Do mesmo modo, imagino que lá para agosto ou setembro, vencida a calamidade, a Feira de Lisboa estará cheia de livros e de leitores (mesmo que com máscaras).

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Livrarias italianas podem abrir, mas não querem; letãs querem abrir no fim de semana, mas não podem; francesas não podem vender, mas também não deixam a Amazon tomar seu espaço: como o livro europeu se vira com o vírus
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Podcast do PublishNews conversou com Leonardo Garzaro e Leonardo Pinto Silva, dois dos nomes por trás da editora que pretende trazer títulos inéditos e focar na literatura nórdica
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Sexto episódio especial do PublishNews Entrevista reuniu profissionais que têm o duro trabalho de vender livros e fazê-los chegar aos leitores
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Edição especial do PublishNews Entrevista reúne respostas e diversos pontos de vista sobre os direitos fundamentais da humanidade: a leitura, a escrita e a literatura
Um livro se prova quando enfrenta o grande desafio de chegar aos leitores.
Jotabê Medeiros
Escritor brasileiro em entrevista ao Jornal Cândido
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar