Publicidade
Publicidade
O Brasil à lusitana
PublishNews, Henrique Rodrigues, 28/10/2019
Em sua coluna, Henrique Rodrigues relata a impressão que teve ao participar de programações culturais em Portugal

Por esses dias aconteceu a Feira do Livro de Frankfurt, maior evento do mundo na área editorial, conforme acompanhado e muito bem relatado aqui pela equipe do PublishNews, que desbundou solerte pelos salões alemães, detalhando as principais negociações e novidades do universo livresco. Mas nem só de Nilo e Amazonas vive a dimensão dos rios: há inúmeros outros vivendo simultaneamente, além de córregos, riachos e filetes onde várias águas atravessam diferentes vastidões para desembocar num oceano mais próximo. Assim é o mar imenso da leitura.

Estive em algumas missões literárias em Portugal por esses dias, o que me permitiu continuar com um pouco mais de profundidade uma investigação que me inquieta há uns anos. Como a literatura brasileira vem sendo divulgada, distribuída e lida em Portugal?

Fui acompanhar os vencedores do Prêmio Sesc de Literatura 2018, Juliana Leite e Tobias Carvalho, no Festival Literário de Óbidos. Em sua quarta edição, trata-se de um evento recente, com clara inspiração na Festa Literária de Paraty. Vim pela segunda vez, mas pelo que acompanhei desde o início os brasileiros convidados para as programações principais são, em sua maioria, autores que já participaram da Flip, apontando também uma influência curatorial da festa paratiense. Creio que seja uma referência quase inevitável quando se tem um olhar de fora para o Brasil, uma vez que o evento de Paraty se estabeleceu muito bem nesses 17 anos. O debate os dois prêmios sesquianos foi excelente, como sempre, ainda que metade da plateia fosse constituída de brasileiros que vivem por aqui e foram ao FOLIO.

Seguimos para Lisboa, onde levei os dois autores para conversar com jovens numa escola pública. Pouco antes, o motorista do Uber ouviu que conversávamos sobre visita ao Liceu Secundário Pedro Nunes, e revelou com entusiasmo que estudara nessa escola, assim como vários presidentes, incluindo o atual, recém-eleito. Alguns podem discordar – e é bom que assim seja visto que a discordância move ideias –, mas dentre os autores com quem trabalho é consenso que o público mais surpreendente para uma conversa é o de alunos. Pelo menos é o relato que temos do Arte da Palavra, circuitão que leva dezenas de autores para escolas públicas e unidades do Sesc pelo país. E no caso dali, mesmo considerando a timidez típica dos portugueses, gerou um debate bem rico, que nos acompanhou quando saímos da escola.

Se o encontro com jovens foi bom, em Loures a emoção saltou forte com um público formado por idosos. A Biblioteca Municipal José Saramago, inaugurada em 2001 com a presença do Nobel português, é gigante e paradisíaca. Falávamos ao lado de um grafite enorme do escritor num muro externo, de modo que aos olhares de afeto se somava o daquele senhor de expressão firme. No dia seguinte, encerramos o circuito com um encontro parecido na própria Fundação José Saramago, em Lisboa.

Segui para Coimbra, onde iria dar uma palestra sobre o panorama da literatura brasileira contemporânea. Resumi as duas últimas décadas, desde o surgimento dos blogs até o fenômeno dos saraus – o qual, acredito, é o movimento literário mais importante no Brasil hoje. Havia até uns chineses assistindo, e a professora era alemã, de modo que alguns aspectos que para nós são corriqueiros soaram como grande novidade. Em seguida, os alunos me levaram para um tour das letras, visitando espaços naquelas ladeiras onde viveram grandes autores portugueses.

De todos esses encontros, do grande evento, passando por bibliotecas, universidade, fundação e escola pública, além da conversa informal com brasileiros residentes no país e livreiros locais, tentei desenvolver o questionamento inicial.

Numa comparação geral, vejo um desequilíbrio grande nos índices de leitura entre Brasil e Portugal. Enquanto portugueses são festejados como grandes estrelas em nosso país, com grande número de leitores e constituindo principais nomes de vários eventos – a Flip contribuiu bastante para essa renovação nos últimos anos –, o mesmo não ocorre em terras lusas. À exceção de um Jorge Amado, Clarice Lispector e outros best-sellers (o destaque atual é Augusto Cury), não percebo um interesse proporcional por brasileiros. Há que se mencionar os esforços da ótima Revista Pessoa, a recente vitória do Prêmio LeYa para o baiano Itamar Vieira Jr. pelo romance Torto arado e o lançamento português de O sol na cabeça, do Geovani Martins. Mas no quadro geral de volume de leitores, a balança ainda pesa muito para um lado.

Outros fatores podem contribuir para esse quadro. Um deles é a dificuldade de entrada de livros estrangeiros em terras europeias. As taxas são altas, deixando o produto final com preço impraticável. O normal para participação em eventos é que os autores brasileiros tragam seus livros acomodados nos 23kg de mala.

A troca precisa ser de mão dupla e com o mesmo número de faixas. José Pinho, da lindíssima livraria Ler Devagar, vem buscando soluções para que essa ponte tenha mais tráfego nos dois sentidos. E a nova Livraria da Travessa em Lisboa pode não só ajudar como também servir de termômetro para o interesse dos leitores portugueses para a nossa produção atual.

Sempre observo a disposição dos setores nas livrarias. E esse aspecto também diz muito sobre o funcionamento da etapa final da cadeia produtiva dos livros em cada comunidade leitora. Nas lojas daqui, como é normal em todo lugar, depois das gôndolas de novidades e best-sellers, as primeiras seções fixas são da literatura nacional. Quem já entrou nas muitas livrarias de Buenos Aires, por exemplo, pode ter notado. Em Portugal é o mesmo. Mas no Brasil é justamente o contrário: quase sempre o setor de literatura nacional fica escondido, muitas vezes resumido a uma pequena estante – procure poesia brasileira ao rés do chão.

Naturalmente, trata-se de um negócio, em que o produto mais divulgado é o que tem mais saída, mas entramos também num efeito tostines de que vende menos porque é menos divulgado, e vice-versa. Será que é mais uma faceta da chamada síndrome de vira-latas, em que atribui maior qualidade ao que vem do exterior? E um puxadinho da pergunta: como queremos que nossos irmãos da Terrinha valorizem a literatura brasileira se nós não fazemos isso?

Saio dessas questões sem muitas respostas, mas com várias perguntas se multiplicando. E me lembro do João, adolescente alto como são altos os seus sonhos, lá da escola pública, que ouviu atentamente o papo com Juliana e Tobias e levou os livros para casa, tendo descoberto ali naquele encontro algo que se comunicava com sua própria história

Agora sigo para uma residência artística em Bruxelas, onde vamos criar um filme sobre meio ambiente, tema caríssimo nesses dias. Mas isso é assunto para a próxima coluna. Até!

Henrique Rodrigues nasceu no Rio de Janeiro, em 1975. É formado em Letras pela Uerj, com especialização em Jornalismo Cultural pela Uerj, mestre e doutor em Letras pela PUC-Rio. Já foi atendente de lanchonete, balconista de videolocadora, professor, superintendente pedagógico da Secretaria de Estado de Educação do RJ e coordenador pedagógico do programa Oi Kabum!. Trabalha na gestão de projetos literários no Sesc Nacional. É autor de 13 livros, entre poesia, infantis, juvenis e o romance O próximo da fila (Record), publicado também na França. Site do autor: www.henriquerodrigues.net

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre o livro como caminho para o desenvolvimento do país
Ao jogar um videogame dos anos 1990, o escritor Henrique Rodrigues faz paralelo entre a pandemia atual com a Era Collor
Em sua coluna, Henrique Rodrigues defende as possibilidades de criação e divulgação literárias em tempos de quarentena
Em sua coluna, Henrique Rodrigues aponta para possíveis caminhos para a circulação livre de ideias no mundo dos livros
Em sua coluna, Henrique Rodrigues analisa a polêmica da Flip e o cenário literário atual no país
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Podcast do PublishNews conversou com Juliana Borges, da Banca HG, e João Varella, da Livraria Gráfica, novos espaços para os livros na capital paulista
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Waldir da Silveira, diretor do Banco de Livros do Rio Grande do Sul, está no PublishNews Entrevista dessa semana
Podcast do PublishNews reuniu alguns clubes de assinaturas de livros para fazer um recorte sobre esse modelo de negócio
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Um livro deve ser o machado que quebra o mar gelado em nós
Franz Kafka
Escritor tcheco (1883-1924)
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar