Publicidade
Publicidade
A Flip do acepipe
PublishNews, Henrique Rodrigues, 08/07/2019
Em sua coluna, Henrique Rodrigues defende que a Festa Literária de Paraty seja mais que uma ilha de ideias

Para quem trabalha no ramo, a Flip é mais ou menos como o Natal. É aquela época do ano em que todos fazem um tipo de balanço, miram nas possibilidades para o futuro e, dentro do que o orçamento permite, oferecem o melhor de si, na esperança de que a desgraceira restante dê uma trégua. Tudo bem que alguns saem no vermelho, mas não podiam ficar de fora da celebração.

Corrijo: é Natal para alguns do setor. Para outros, a época de bonança mesmo são as bienais do livro, pois é ali onde estão os leitores em quantidade, em busca massiva pelas celebridades dos livros – ou que, de alguma forma, tenham alguma ligação com esses objetos. Mas isso são outros 500 (mil).

Assim como no Natal, há o acúmulo de gente no mesmo espaço – a população da cidade dobra no período, e fazer uma refeição pode ser encarado com o um tipo de gincana. E também aparecem os parentes chatos que, se passam o ano inteiro exercendo sua chatice a distância, especialmente nas redes sociais, aparecem para dar um oi. Há que se ter paciência, a primeira virtude do período de festas.

E, tal qual no fim do ano, bebe-se bem.

Ainda que o evento goze de certa popularidade, a Flip parece não atrair mais tanta atenção das pessoas de fora do setor cultural, o que é natural para uma festa que já foi assimilada no calendário da cidade. Lembro-me bem que, nas primeiras edições, apareciam várias pessoas para abrilhantar ou ser abrilhantadas, tirando uma casquinha dos grandes nomes da literatura mundial, valendo-se do fato de a grande mídia brasileira estar presente em Paraty. Como esquecer a breve aparição do apresentador Gugu Liberato, que recebeu incontinenti a alcunha de Gugu Literato pelos camaradas escribas?

Neste ano, uma figura bastante esperada para a Flip é o jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, canal responsável pela divulgação de diálogos comprometedores de Sergio Moro com os procuradores da Operação Lava-Jato. Será um desbunde ouvir o Glenn, mas fico imaginando como seria se aparecesse por lá o Osmar Terra, ministro da Cidadania, já que a Flip sempre lança mão da Lei de Incentivo à Cultura (até há pouco Lei Rouanet). Ou o próprio ministro da Educação, Abraham Weintraub. Ou não pode?

Outro dia, esse nosso ministro, em mais um tropeço da língua, trocou “asseclas” por “acepipes”. Isso porque, semanas antes, afirmou ser leitor de Kafta – talvez seja certo autor árabe que dá um barato. Os equívocos são um prato cheio (opa) para piadas, mas de fato parecem típicos de quem finge andar para frente mas vai para trás, num moonwalk que não deu certo. E por que não ir ao mais relevante acontecimento literário brasileiro, a fim de embeber-se de uma pinga e do que há de melhor na produção brasileira e internacional, ver um slam acontecendo e conhecer um pouco da cultura caiçara?

Sim, parecem situações absurdas e improváveis, dado o típico público da Flip. mas gostaria de imaginá-las justamente porque, de outro lado, também seria importante que pautas progressistas – entre elas a própria valorização da diversidade cultural, que é evidente nesses dias em Paraty mas ausente no dia a dia da população. No que se refere ao nosso mundo dos livros, não existe hoje, no país, nenhum grande programa de incentivo à leitura em atuação. Há muitos projetos de pequeno porte, iniciativas isoladas que até atingem a casa dos milhares, mas nada em escala que consiga atender a demanda daquela “base” a que se referiu o Mano Brown ano passado.

Gostaria, no fundo, é de ver o Glenn falando em Seropédica, cantão fluminense onde cresci e que, hoje, segue a cartilha de milicianos e das bancadas evangélicas, aparecendo na mídia apenas em notícias sobre corrupção e violência. Repetindo um passado que julgávamos enterrado, artistas têm sido censurados, livros têm sido proibidos, professores achacados em sala de aula, as múltiplas formas de violência têm sido estimuladas, de armas reais a simbólicas. Se isso parece ruim, pior mesmo é ver tantas pessoas considerando normal, e é nelas que precisamos chegar, comunicando fora da redoma (bolha é metáfora ruim, pois estoura fácil). O desafio é fazer, da ilha, uma península – e, quem sabe, continente.

Por isso é que a celebração literária da Flip me parece meio natalina. Estaremos por lá, batalhando mais uma vez, e renovando os votos de que tenhamos, no restante do ano, a mesma liberdade de expressão, e a consequente valorização de livros, de poesia e de ideias. Porque além desses quatro dias de suspensão da descrença, precisaremos muito da refeição completa, senão ficaremos só no acepipe – ou seja, mero tira-gosto.

Henrique Rodrigues nasceu no Rio de Janeiro, em 1975. É formado em Letras pela Uerj, com especialização em Jornalismo Cultural pela Uerj, mestre e doutor em Letras pela PUC-Rio. Já foi atendente de lanchonete, balconista de videolocadora, professor, superintendente pedagógico da Secretaria de Estado de Educação do RJ e coordenador pedagógico do programa Oi Kabum!. Trabalha na gestão de projetos literários no Sesc Nacional. É autor de 13 livros, entre poesia, infantis, juvenis e o romance O próximo da fila (Record), publicado também na França. Site do autor: www.henriquerodrigues.net

Tags: Flip 2019
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Henrique Rodrigues analisa os formatos e impasses na seleção de nomes para eventos culturais
Em sua coluna, Henrique Rodrigues alerta para o perigo da censura na produção literária recente
Em sua coluna, Henrique Rodrigues avalia os diferentes formatos de premiações
Em sua coluna, Henrique Rodrigues analisa outros lados da cadeia produtiva da literatura
Em sua coluna, Henrique Rodrigues lista anotações sobre os nossos tempos de mudança
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
O presidente do SNEL falou sobre crise e sobre audiolivros enquanto a agente alemã contou como foi a conversa com o coordenador do Programa de Apoio à Tradução da Biblioteca Nacional
Júri elegeu os cinco profissionais de até 35 anos que merecem destaque por seu trabalho inovador
Na coluna de Luciana Pinsky, sua segunda crônica com o tema ‘portas’
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Primeiro Podcast do PublishNews em Paraty recebe André Palme e Mariana Rolier que falaram sobre como querem mostrar a cara da Storytel para o mercado brasileiro
A livraria é uma crise perpétua, sujeita ao conflito entre a novidade e o acervo, e precisamente por essa razão se situa no centro do debate sobre os cânones culturais.
Jorge Carrión
Escritor espanhol no livro 'Livrarias' (Bazar do Tempo)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar