Publicidade
Publicidade
Luís e as semanas
PublishNews, Luciana Pinsky, 14/01/2019
Em nova crônica, Luciana Pinsky conta a história de uma mulher que vivia atrasada até que esbarrou num ciclista em pleno trânsito de SP

Não vi Luís. Não vi nada, na verdade. Estava atrasada, nasci atrasada (verdade, minha mãe conta que estava com 44 semanas, que por pouco não chego no Carnaval) e assim me mantive. O Luís passou atrás de mim. Eu com aquele carro grande, sempre odiei carro grande, gosto só do que posso controlar. E não o vi. Tive de dar uma ré. Uma ré que não era para dar, mas passou o ponto de fazer a virada, o outro carro me atrapalhou porque meteu o nariz na minha virada, Luís aproveitou para passar do meu lado, justo quando eu decidi pela ré. Não vi carro, não vi nada. Carro não tinha mesmo, mas Luís estava lá. E bati nele. Senti. Parei. Caos completo. Ele reclamou, disse que eu estava errada. E quando concordei ele ficou sem ação (me pareceu que ninguém havia, antes, concordado com ele).

Perguntei a Luís se ele se machucara. Ele disse que não. Pedi para sairmos do meio do trânsito, para pararmos na rua acima e conversarmos. Eu estacionei. Ele não apareceu. Será que foi embora, bravo? Quis ver também o que acontecera com o carro. Um pequeno arranhão. Nada, se comparado aos anos de vida que provavelmente eu perdera por estar sempre atrasada e não conseguir parar para pensar, parar para respirar, parar para conversar com tantos Luíses por aí.

Luís reclamou novamente, mas de um jeito delicado. Ele viu que eu me confessara culpada (será que devo me confessar culpada mais vezes, só para minar resistências?). Perguntei, novamente, se ele estava bem, se não se ferira. Fora um choque bem de leve, eu estava muito devagar, ele também. Quão rápido podemos estar indo para trás? Ele disse que tremia por causa do nervoso. Contou que não passara nem dois meses de um choque forte, dias de molho, prejuízo. E que o motorista nem parou.

Luís tremia, mas estava inteiro. Eu não tremia, mas estava bem aos pedaços pensando que poderia ter massacrado o moço que se atrevera com bicicleta no trânsito paulistano. Uma bicicleta que faz entregas, ele me contou. Disse que costumava trabalhar de moto, para uma empresa, mas já tinha tido acidentes demais assim (aquele anterior havia sido de moto) e que resgatou uma antiga bicicleta na casa da mãe, colocou bagageiro e passou a ser dono do próprio negócio. Sentia-se mais calmo, já tinha emagrecido oito quilos, sentiu a barriga achatar e percebeu que as mulheres começaram a dar mais bola a ele. Sim, tudo isso ele me contou enquanto parava de tremer. E eu que começara esta história atrasada, já estava atrasadíssima. Mas mais interessada em saber de Luís.

Até que ele também se percebeu atrasado. A entrega. Lá naquele bairro mesmo. A tremedeira passou, estou ótimo, me disse. Não vou deixar de pedalar. Isso tem de dar certo. O "isso" no caso seria sua empresa de entregas de bicicleta? A bicicleta? São Paulo? O trânsito compartilhado com carros, motos ônibus e bicicletas? Não deu tempo de perguntar. Luís me deu um sorriso, pegou a bicicleta e chispou. Eu larguei o carro e fui a pé. Nunca mais me atrasei. Nunca deixei de enxergar Luíses e Luísas.

E minha mãe disse que exagerou. Na verdade nasci de 41 semanas.

(nov 2018)

© Marcos IssaLuciana Pinsky é editora da Contexto, escritora e jornalista. Publicou o romance Sujeito oculto e demais graças do amor (Record) e mantém seu blog de crônicas. Há dois anos publica uma coluna sobre livros infantis no site Boraí.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Na crônica deste mês, Luciana Pinsky ​relata o primeiro contato de uma criança com a morte
Na crônica do mês, Luciana Pinsky imagina um futuro incerto: um diálogo entre mãe e filho
Em sua crônica do mês, Luciana pergunta: A luta diária pelo fim do pó terá final feliz?
O que nos mantém vivos? Qual é a receita? Em tempos de álcool gel, uma crônica que foge do coronavírus.
Em sua crônica do mês, Luciana Pinsky fala sobre o que é inevitável, que acontece sem anúncio. Ou será que não é bem assim?
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Verena Borelli, terceira finalista do Prêmio Jovens Talentos a participar do PublishNews Entrevista, fala dos desafios em transformar o trabalho presencial em remoto
Camila Cabete usa a sua coluna para apontar como a crise elegeu novos arautos do negócio digital no Brasil: ‘me surpreendo com pessoas que renegavam o formato e negócio digital surgirem como os grandes palestrantes do ramo’
'A leitura literária de um livro físico é uma experiência sinestésica e artística fundamental para a infância. Sem essa experiência, a formação de leitores fica bastante comprometida', defende Volnei Canônica em sua coluna
Dianne Melo, coordenadora de Engajamento Social e Leitura do Itaú Social, é a entrevistada desta semana no Podcast do PublishNews
Não há nenhum escritor que não se deixe embrulhar pelo universo do mundo das crianças.
Manuel Rui
Escritor angolano
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar