Publicidade
Publicidade
Crise dos livros, festa das leituras
PublishNews, Henrique Rodrigues, 07/12/2018
Em sua coluna, Henrique Rodrigues analisa outros lados da cadeia produtiva da literatura

Certa vez, esbarrei com o saudoso Bartolomeu Campos de Queirós no aeroporto, poucas semanas antes de ele nos deixar. O escritor já estava bem cansado, mas não deixava de frequentar eventos para promover a leitura. Começamos a jogar conversa fora e, como estivesse diante de um mestre, pedi alguns conselhos sobre ler, escrever e publicar. Depois fiquei com aquele verso do Bandeira na cabeça: “todas as manhãs o aeroporto em frente me dá lições de partir”.

Do nosso papo, o querido Bartô deu um grande ensinamento de que nunca me esqueci: “Tirando algumas exceções, como aqueles autores que ganham muito em contratos de exclusividade, não vale a pena publicar só por uma editora. Pequenas, grandes, médias, todas vão ter alguma lacuna. Uma não paga direitos autorais, outra não distribui nem divulga, outra não atende o autor etc. Mas o problema de uma não existe na outra e, no geral, ficam elas por elas”. Depois desses anos, e tendo publicado por diferentes editoras, confirmo que é por aí mesmo. E tentamos ser felizes com o que há de positivo. Mesmo porque a justificativa que circula é sempre aquela: a crise.

Caramba, desde que me entendo por gente escuto que estamos em crise, e em todos os setores. Mesmo levando em conta que ela é mais acirrada em alguns momentos, como parece ser agora, sempre fiquei com a sensação de que se trata de algo relativo, não absoluto. E de fato, parando para olhar com calma, realmente a situação não é de terra arrasada. Observando apenas alguns fatos e notícias das últimas semanas, durante uns pulos aqui e ali, vi o seguinte quadro:

- Saraiva pede recuperação judicial, devendo milhões para grandes editoras. Não sou especialista nessa área, mas essas megastores até vendem livros no meio de tanta coisa. A literatura brasileira ficava bem escondida, só com uma estantezinha, onde muitas vezes os destaques eram os best-sellers da hora. Nesses casos, lamento mais pelos funcionários que venham a ficar sem trabalho.

- Livraria da Travessa abre loja em São Paulo e Lisboa. Nós, leitores e autores cariocas, amamos esse espaço onde o clima é voltado para a leitura, o diálogo, os livros em si na sua diversidade. E com funcionários que entendem do assunto. Só falta ser como a parisiense Shakespeare and Company e ter um cafofo pra gente pernoitar.

- Aliás, livraria e bar combinam pacas. A turma chegada aos livros também gosta de beber. Em São Paulo tem a Patuscada, livraria que é um bar. E a Mercearia, mais ou menos o contrário. Escrevo aqui de Vitória, onde a pequena editora Cousa, sustentada no tripé livros-café-cerveja, se tornou um ponto de encontro obrigatório para quem mora ou passa por aqui. E está expandindo os negócios, para a nooossa alegria.

- Editoras grandes estão publicando menos literatura brasileira, especialmente a “não comercial”. Ora, e quando foi muito diferente? Não precisa ser expert no assunto para saber que, na prática, existe um tipo bizarro de divisão entre “livros para vender” e “livros para prêmio”. Esses últimos, onde estão categorizados os livros que supostamente exigem um leitor mais especializado e em extinção, são aqueles que vendem mil exemplares e soltamos fogos. E nem quando ganham prêmios a situação muda. Publiquei aqui um artigo sobre isso. Uma exceção muito bem-vinda foi a pesada e eficaz campanha de marketing que a Companhia das Letras fez com O sol na cabeça, do conterrâneo Geovani Martins, mostrando que é possível ter retorno com o autor brasileiro, e não o tratar como um cotista do mercado.

- Eventos literários continuam acontecendo. Sim, desde que o modelo de feiras foi se moldando para o conceito de festa, a questão das vendas de livros deixou de ser uma causa e passou a ser consequência. Desse modo, é muito comum que os autores circulem levando na mala os próprios livros e vendam para quem se interessar após debates ou apresentações. Isso tem sido muito comum, especialmente na rede Sesc (se você é de São Paulo ou outra capital, talvez encontre outro tipo de situação), por conta da ausência de livreiros locais. Fizemos em Arcoverde (PE) o Farpa – Festival Arte da Palavra, encerrando o circuito nacional de mesmo nome, e a energia de ver autores de todos os tipos de editoras, cordelistas, rappers, slammers, contadores de histórias nos mostrou como a literatura brasileira está rica, diversa e pulsante.

- Amazon lança antologias digitais negociadas diretamente com agentes literárias. Um baita projeto de marketing (os caras são especialistas nisso, pois pagaram até a ida de jornalistas para cobrir o lançamento) faz com que 30 ótimos autores possam ser lidos por uma mixaria. As possibilidades de leitura efetiva são grandes, especialmente por ser um projeto totalmente online, e espero que façam uma boa mediação nesse sentido, para não ficar só no cacarejo e sim fazer eclodir o ovo.

Poderia continuar citando várias evidências paradoxais dessa crise da semana, do mês, do semestre. Mas circulando por aí, me parece que os problemas de um setor não existem ou não afetam tanto outros. E se por um lado o setor de comércio tradicional de livros está passando por uma situação difícil que prejudica sobretudo seus ricos proprietários, por outro a sede e fome de escrita e leitura está cada vez mais viva. E como um rio, ou um verso na garganta, ela sempre vai dar um jeito de desembocar.

Henrique Rodrigues nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, em 1975. É curador de programações literárias e consultor para projetos e programas de formação de leitores. Formou-se em Letras pela Uerj, cursou especialização em Jornalismo Cultural pela Uerj, mestrado e doutorado em Letras pela PUC-Rio. Já foi atendente de lanchonete, balconista de videolocadora, professor, superintendente pedagógico da Secretaria de Estado de Educação do RJ, coordenador pedagógico do programa Oi Kabum! e gestor de projetos literários no Sesc Nacional. É autor de 24 livros, entre poesia, infantis, juvenis. www.henriquerodrigues.net

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Em sua coluna, Henrique Rodrigues defende os concursos como forma de democratizar o acesso às práticas de escrita e leitura
Em sua coluna, Henrique Rodrigues apresenta sugestões de ações práticas contra o cerceamento à literatura
Em sua coluna, Henrique Rodrigues comenta a recorrente perseguição à literatura contemporânea
Em nova coluna, Henrique Rodrigues comenta as temáticas literárias das escolas de samba do Carnaval carioca
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre o papel das premiações na trajetória de autores
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Escrito por Gilber Rubim Rangel, 'Dicionário da genealogia' contém 3.500 verbetes e mais de 100 imagens, fornecendo informações claras e detalhadas sobre termos e conceitos-chave relacionados à genealogia
Seção publieditorial do PublishNews apresenta a obra 'Dicionário da genealogia', de Gilber Rubim Rangel e o terror nacional de Douglas Lobo, 'Terra amaldiçoada'
Obra de Douglas Lobo é um terror nacional que mescla a clássica tradição do romance regionalista nacional com um suspense sobrenatural
Em novo artigo, Gustavo Almeida discorre sobre o indicador da presença da arte imaterial individualizada ao abordar o caso da escritora Ana Maria Caballero que vendeu sua obra online por US$ 11,43 mil em leilão
Ouça os dois painéis do evento realizado na última quinta-feira (13) pelo PN e pelo Great Place to Work para apresentar o ranking inédito Melhores Empresas para Trabalhar no Mercado Editorial
A função da literatura é corroer a verdade que pretende ser verdadeira.
Altair Martins
Escritor brasileiro
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar