Publicidade
Publicidade
Literatura, amizade e a síndrome das tretas
PublishNews, Henrique Rodrigues, 24/08/2018
Em sua coluna, Henrique Rodrigues avalia os limites das relações profissionais e humanas no turbilhão da vida editorial brasileira

Durante a recente Bienal do Livro, ouvi do escritor e ativista ambiental João Meirelles Filho algo que me acompanhou por um bom tempo, ressoando até agora quando teclo estas linhas: “São Paulo é como um buraco negro, que consome tudo ao redor sem saber o que está comendo, e a qualquer hora vai ter uma dor de barriga daquelas”.

A imagem, de tão realista, adquiriu ao longo dessas semanas outros matizes, além daqueles sobre recursos naturais e financeiros, aos quais o autor se referia enquanto conversava com o público. Penso que, por diversos fatores, recentemente acabou se formando um bizarro centro gravitacional que atrai com avidez todos os assuntos e ideias, que mal se formam e já são absorvidos numa espiral, como um ralo gigante e invisível. Claro que, tendo cruzado a esquina da metáfora, não falo mais da capital paulista, e sim das redes sociais e sua fome incessante de conteúdos e conflitos.

Nas últimas semanas, parece que um vento de urucubaca varreu o pensamento e o diálogo entre diversos setores da área, tendo como arena, além de páginas e telas de jornais, o Facebook e seus campos de comentários. De curadores de eventos discutindo para ver quem foi mais inovador a resenhistas afirmando que autores morrem de medo de avaliações negativas; de acusações ressentidas de que toda a vida literária brasileira não passa de uma rede sinistra de apadrinhamentos espúrios a reclamação de consagrado sobre ter gente demais escrevendo; de acadêmicos defendendo aos brados sua profundidade de trabalho em detrimento do mundo superficial do mercado ao choque por valores cobrados por booktubers para fazer divulgação de livros. Tudo amplamente assistido com as democráticas possibilidades de interação, no conforto da distância que, hoje, só as redes sociais permitem. E tome treta!

Logo após a Bienal, estive na segunda edição da Flipelô – Festa Literária do Pelourinho. Aliás, foi bem interessante a sequência de eventos, iniciada com a Flip. Cada um desses projetos possui uma cara diferente, públicos distintos em volume, faixas etárias e estratos sociais – mas todos com um aspecto muito positivo em comum: gente interessada em ler, ouvir e falar sobre livros e ideias. Num tempo de vacas macérrimas, com torneiras fechando de todos os lados, reunir pessoas em torno de uma prática que parece tão dispensável segundo a nossa tradição é, de fato, um milagre cultural.

No evento soteropolitano, me incumbiram de mediar a mesa chamada A amizade é o sal da vida, que tratava justamente da relação entre Jorge Amado e João Ubaldo Ribeiro. Entre as muitas histórias lembradas por Geraldo Carneiro e Paloma Jorge Amado, teve destaque o episódio em que o autor de Viva o povo brasileiro ligou de madrugada para a casa do amigo, que já estava debilitado e sem vontade sequer de abrir os olhos, apenas para contar uma piada, sabendo que iria cair na secretária eletrônica e seria ouvida sem intermediários. Esse cuidado, marcado por uma ligação quase de pai e filho, pode parecer algo bem distante hoje em dia.

Se as relações entre escritores, editores e jornalistas se assemelham a uma pequena feira de trocas de favores salpicada por puxa-saquismos contumazes, não tardará quem diga que relações de afetos literários bastante conhecidas sejam revisitadas como broderagem galopante.

Talvez o maior exemplo seja da amizade entre Otto Lara Resende, Hélio Pellegrino, Paulo Mendes Campos e Fernando Sabino, que não hesitavam entre realizar a auto e interpromoção, especialmente por meio de cartas. Este último, aliás, se lembrou de como se dedicou a cavar espaço para outra escritora amiga, Clarice Lispector, conforme relata no seu livro O tabuleiro de damas: “Tornei-me uma espécie de agente literário de Clarice no Brasil. Andava às voltas com editoras para os seus livros e encaminhando seus contos para revistas”. Mais tarde iria encaixá-la da editora Sabiá, aquela panelinha formada com Rubem Braga. E o que não dizer das costas quentes que Mário de Alencar teve com Machado de Assis, cujo protecionismo poderia esconder que o fundador da Academia Brasileira de Letras na verdade era seu verdadeiro pai, e não José de Alencar. É faderagem!

(Ainda na triste e atual esperança de que a leitora tenha percebido a ironia do parágrafo anterior, porque infelizmente é preciso demarcá-la de forma explícita, na falta de um sinal ortográfico próprio, como já disse o Millôr Fernandes, continuo.)

Desde que me entendo por gente ouço que estamos vivendo uma crise. E talvez a do momento seja da grande dificuldade de entender o que se passa além do grupo do qual cada um faz parte. Creio que esse termo da moda, “bolha”, seja até insuficiente para dar conta do problema, porque designa uma esfera líquida que estoura fácil, e então as redomas desapareceriam. No caso dos envolvidos nessas tretas, parece haver uma necessidade de autoafirmação do próprio trabalho pelo dedo apontado a outros setores, cujas existências possuem outras regras de funcionamento. Talvez ainda precisemos de um tempo para descobrir que a malha editorial é cerzida com linhas diferentes, com segmentos que geram mais uma colcha de retalhos que um tecido monocromático. Cada pedaço de pano tem, ou deveria ter, o seu espaço e sua relevância no país-Emília.

Obviamente, a discussão e o debate são fundamentais sempre, mas se trata de outra coisa que não apenas a saudável e normal discordância. De combater o impulso do ódio impregnado nas certezas, de alimentar os algoritmos que parecem construir aquele buraco negro que consome as opiniões, os comentários, as ideias. Senão vamos acabar como aquele indivíduo que, ao visitar a exposição de arte, caiu num fosso pensando se tratar de uma pintura.

Henrique Rodrigues nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, em 1975. É curador de programações literárias e consultor para projetos e programas de formação de leitores. Formou-se em Letras pela Uerj, cursou especialização em Jornalismo Cultural pela Uerj, mestrado e doutorado em Letras pela PUC-Rio. Já foi atendente de lanchonete, balconista de videolocadora, professor, superintendente pedagógico da Secretaria de Estado de Educação do RJ, coordenador pedagógico do programa Oi Kabum! e gestor de projetos literários no Sesc Nacional. É autor de 24 livros, entre poesia, infantis, juvenis. www.henriquerodrigues.net

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Em nova coluna, Henrique Rodrigues comenta as temáticas literárias das escolas de samba do Carnaval carioca
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre o papel das premiações na trajetória de autores
Em sua coluna, Henrique Rodrigues faz duas críticas sobre pontos recorrentes à Bienal do Livro e defende a implementação de atividades de leitura no cotidiano
Em sua coluna, Henrique Rodrigues reflete sobre como os eventos literários podem criar desdobramentos locais
Em sua coluna, Henrique Rodrigues aponta para a necessidade de entendimento e profissionalização de artistas da palavra
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
As ruas foram tomadas por um público leitor majoritariamente jovem que me deu esperança de um futuro urgente
Publicado pela Giostri, 'Brancos não sabem pedalar', de Vanderson Castilho Munhoz, se passa em 2035, em um Brasil governador por um ditador que apoia o domínio no futebol brasileiro do Clube de Regatas Flamengo
Obra escrita por Paula Carminatti faz parte da duologia 'Ária de Yu'
Escrita por Juily Manghirmalani, 'Vivências asiático-brasileiras: raça, identidade e gênero' aborda questões como identidade cultural, autorreconhecimento, conflitos geracionais e construção de mitos sobre os povos asiáticos
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos das editoras Mandaçaia, Giostri e Insight
O mundo é complexo e é indecifrável, mas temos imensa dificuldade para aceitar isso. A literatura, ao contrário, parte dessa constatação.
José Castello
Crítico literário e escritor brasileiro
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar