Publicidade
Publicidade
Os membros do mercado editorial, a crise e os manifestos
PublishNews, Felipe Lindoso, 30/03/2016
Em sua coluna de hoje, Felipe Lindoso argumenta que 'quem acha que é possível dar uma de avestruz e enfiar a cabeça no seu mundinho supostamente profissional pode, mais tarde, se arrepender'

Semana passada, em ótima iniciativa, o PublishNews publicou duas opiniões sobre o recente manifesto Escritores e profissionais do livro pela democracia que, pela contagem que acabei de fazer, já tem quase nove mil assinaturas. Luís Maffei defende a necessidade do manifesto, e Henrique Farinha escreve que "a luta política não pode contaminar as pautas profissionais".

Com o devido – e sincero – respeito às posições pessoais do Henrique Farinha, não posso deixar passar a oportunidade de comentar o assunto.

Para deixar claro: assinei o manifesto, votei na Dilma em 2014 – e votaria novamente, apesar das inúmeras e imensas críticas que tenho ao seu governo. Trabalhei pela legalização do PT, lá pelos anos 1980, mas não sou afiliado ao partido e nem tenho nenhuma militância partidária estrictu senso.

Mas me considero um homo politicus, inclusive no sentido aristotélico da palavra. Eu não sou fora da polis onde vivo. E minha relação com a polis (ou com a societas, como queiram), é que me conforma como cidadão, como profissional. Como ser humano, em suma.

É esse o cerne da questão.

Não vivo em Marte nem em etéreos mundos isolados dessa polis. Vivo neste Brasil de 2016, com 66 anos. Vivi a ditadura em sua integridade. Combati-a como pude, fui preso, torturado, e tive que me exilar. Meu primeiro filho nasceu no exterior.

Assim, além do mais, é minha história que me define.

Mas isso é genérico.

O fato é que ser editor hoje, e ter sido editor nos estertores da ditadura me ensinou uma diferença fundamental: a importância da legalidade democrática. Que não se expressa tão somente nas formalidades. O ambiente político social em que vivemos marca indelevelmente nossa atividade profissional. Ter a garantia de que um tira não pode me prender pela minha cara ou pelo que faço que não seja criminalmente definido por lei é algo inestimável para quem viveu os anos sombrios. Por isso, não bastam os formalismos, mas a forma é também fundamental.

Pensam que é fácil?

Uma anedota ilustrativa.

Na Marco Zero, a editora que Maria José Silveira, Márcio Souza e eu tivemos entre os anos 1980 e 1990, fomos os primeiros a publicar no Brasil um certo autor português, então muito jovem. Os cus de Judas, de António Lobo Antunes, foi publicado por nós nos anos 1980. Pois bem, um belo dia vimos uma resenha do livro ocupando quase uma página no então prestigiadíssimo Caderno B. Só com um pequeno detalhe: o título não era mais o original. Para o JB passara a ser Os cafundós do Judas.

Não havia mais censura explícita. Mas o ambiente da ditadura ainda perpassava tudo. “Cu”, nem no singular nem no plural, podia ser impresso em um jornal de circulação nacional. Hoje virou imprecação de estádio na Copa do Mundo...

E o ambiente que vivemos hoje me evoca isso – com dor no coração.

A deterioração do ambiente político do país é simplesmente assustadora. Quando as pessoas têm que pensar qual a cor da roupa que vestem, porque isso pode provocar uma agressão, é uma tragédia. E isso aconteceu muito rapidamente.

Apesar da dureza da campanha de 2014, ainda se mantinha um nível de civilidade que, de lá para cá, perdeu-se completamente. Nas eleições de 2014 saí de casa para votar no Colégio São Luís, na Paulista (onde o Aécio deve ter tido uns 80% dos votos), com uma camiseta vermelha, comprada em Leningrado, em homenagem à Revolução de Outubro na Rússia. Depois, fiquei observando o movimento e uma senhora me pediu ajuda para saber como votar no Aécio. Ensino o beabá para ela, que saiu toda pimpona para votar no seu candidato.

Isso, há pouco mais de dois anos. Hoje seria, literalmente, impensável. Se eu aparecer para votar com camiseta vermelha, no Colégio São Luís, a possibilidade de ser agredido é altíssima, como se tem visto. E que haja alguém que me pergunte como votar em candidato que não seja o meu... sem palavras.

É a ruptura da liberdade vestir de qualquer cor, de dizer o que quero, publicar o que desejo e que os leitores leiam o que lhes dê na gana que vejo ameaçada nessa quadra de proposição de métodos ilegais para depor a presidenta Dilma Roussef, eleita com a maioria absoluta dos votos em 2014.

Juízes e outras cabeças falantes arrotam declarações na imprensa dizendo que o “impeachment é legal”. Ora, até nosso prezado conselheiro Acácio iria se ruborizar com tal platitude. O pedido em tramitação foi feito com base na acusação de que a presidenta fez “pedaladas” fiscais – adiantou recursos para pagar as contas. Ou seja, usou o cheque especial. Está na companhia de mais 17 governadores, de todo o espectro partidário, que fizeram a mesma coisa. Vários dos quais, lépidos e fagueiros, engrossam o coro da deposição. Só que nem se fala mais nas tais “pedaladas”, e se imputa à presidenta acusações que nunca foram nem mesmo mencionadas, sequer dentro desse sistema inquisitorial de prender para delatar, inaugurado quinhentos anos atrás por Torquemada e colegas.

A justiça funciona, a polícia investiga – ainda que muito seletivamente – e já houve condenações também correndo a membros de todos os partidos. Todos.

Só que a solução para os imensos e profundos problemas que afetam nosso país não é apelar para pesquisas de opinião para “decidir” o que a “maioria” deseja. A maioria decide na hora de votar. Quatro anos depois isso é julgado pelos eleitores, e ponto parágrafo.

Tudo isso afeta, sim, nosso trabalho profissional. Não apenas como cidadãos, como também como membros dessa comunidade que vive do intercâmbio de ideias, do contraditório de opiniões. Quem acha que é possível dar uma de avestruz e enfiar a cabeça no seu mundinho supostamente profissional pode, mais tarde, se arrepender. Como alguns órgãos de imprensa que apoiaram o golpe de 1964, “contra a corrupção”, e pagaram caro por isso.

Evidentemente, todo o direito é devido a quem acha o contrário. Mas considero que, quem está no mercado editorial, editor, escritor, ilustrador – enfim, toda a gama de ofícios – e for favorável à deposição da presidenta deve dizê-lo com todas as letras, e não se escudar em uma irreal neutralidade profissional, que não existe. Podem (devem) ir à luta e arregimentar assinaturas para suas posições, sem desqualificar os demais. E, diga-se de passagem, defender o mandato e a democracia não significa nem ser conivente com crimes e muito menos apoiar as políticas aplicadas.

A expressão de posições não prejudica – necessariamente – relações pessoais nem profissionais. Meu quadro de relacionamentos, e acredito que o de muita gente – inclui pessoas (parentes, inclusive), de todos os quadrantes políticos. Com firmeza, mas sem argumentos ad hominem e destemperos, não só podemos, como temos obrigação de nos colocarmos no mundo. E convivermos.

Felipe Lindoso é jornalista, tradutor, editor e consultor de políticas públicas para o livro e leitura. Foi sócio da Editora Marco Zero, diretor da Câmara Brasileira do Livro e consultor do CERLALC – Centro Regional para o Livro na América Latina e Caribe, órgão da UNESCO. Publicou, em 2004, O Brasil pode ser um país de leitores? Política para a cultura, política para o livro, pela Summus Editorial. Mantêm o blog www.oxisdoproblema.com.br. Em sua coluna, Lindoso traz reflexões sobre as peculiaridades e dificuldades da vida editorial nesse nosso país de dimensões continentais, sem bibliotecas e com uma rede de livrarias muito precária. Sob uma visão sociológica, ele analisa, entre outras coisas, as razões que impedem belos e substanciosos livros de chegarem às mãos dos leitores brasileiros na quantidade e preço que merecem.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Lindoso fala sobre a importância e crescimento das traduções em língua inglesa nos últimos anos
Em sua coluna, Felipe Lindoso analisa a pesquisa 'Kids & Family Reading Report - The Rise of Read-Aloud' feita pela editora americana Scholastic
Em sua coluna, Felipe Lindoso dá seus pitacos sobre a crise que afeta o mercado livreiro – e consequentemente o editorial – brasileiro
Em sua coluna, Lindoso fala sobre a lei aprovada na Colômbia que coloca o país no pelotão de vanguarda na atualização da legislação de direitos autorais não apenas na América Latina
Em sua coluna, Felipe Lindoso analisa recentes dados de pesquisas que mostram os hábitos de leitura nos EUA
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Carlo Carrenho traz números e tendências do audiolivro no Reino Unido e na França
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Volnei Canônica conta que foi convidado, ao lado de nomes como André Neves, Roger Mello e Marina Colasanti para participar do Salão do Livro Infantil e Juvenil da cidade espanhola de Pontevedra
Na crônica deste mês, Luciana Pinsky brinca com encontro e desencontros
Você vai entendendo o potencial de seu projeto literário aos poucos.
Reinaldo Santos Neves
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar