Publicidade
Publicidade
'Um mercado muito complexo'
PublishNews, Felipe Lindoso, 16/03/2016
Em sua coluna dessa semana, Lindoso usa as discussões da DBW 2016 para bater na tecla da importância dos metadados para o mercado editorial

A frase que dá título ao artigo de hoje é de Michael Cader, o organizador da Digital Book World Conference (DBW) que recém terminou. Cader, que é um dos mais renomados especialistas em análise de dados do mercado editorial, marcou vários pontos nos últimos dias.

O primeiro é o reconhecimento da complexidade do mercado e, principalmente, das sérias inconsistências dos dados disponíveis para análise de seu desempenho (em geral e de cada livro, ou editora, em particular). E isso, vindo de alguém que é dos mais dedicados defensores da importância dos metadados, não é pouca coisa.

Cader estava falando dos dados sobre o mercado dos EUA. Se olhasse os daqui, teria um faniquito.

A razão, explicou ele, é que o mercado é tão complicado “que é quase impossível ter uma apreciação clara dele”. E as razões enumeradas se resumem ao fato de que “as três fontes primárias de dados sobre vendas não pintam nada que se assemelhe a uma visão geral”.

Quais são essas três fontes? A Association of American Publishers (AAP) monitora vendas de livros impressos e digitais a partir de números fornecidos pelos editores. Só que, como a AAP registra basicamente as vendas de editoras grandes e médias, é impossível saber “o desenho total da paisagem” que esses números representam. (Existe outro fator complicador, tratado mais adiante).

A outra fonte é o Nielsen Bookscan, que monitora as vendas de livros impressos. Mas essa, como sabemos, lá e aqui, só monitora a venda de grandes clientes: redes de livrarias (e nem todas), a parte do segmento de “linha branca” que vende também livros (Americanas, Ponto Frio e congêneres). Lá, como aqui, o Bookscan é preciso nesse registro no que diz respeito a unidades vendidas e o preço de venda de cada unidade. Mas não tem condições de informar sobre o faturamento total da indústria editorial. Acompanha com precisão – como aliás temos visto nos Painéis das Vendas de Livros no Brasil divulgados aqui pelo SNEL – aquilo que é vendido nos pontos de venda que eles acompanham. Quem não está ligado ao sistema da Nielsen está fora. E isso inclui não apenas todas as livrarias independentes, como também a segmentação de vendas que é feita através das distribuidoras. Das vendas ao poder público, então, nem falar.

Finalmente, a PubTrack, que cobre apenas e-books. Originalmente fundada pelo Bowker, hoje é controlada também pela Nielsen, e divulga seus dados a cada três meses.

Entretanto, o problema é ainda maior. Os grandes varejistas eletrônicos não fornecem nenhum dado agregado. Amazon, Apple, Google e Kobo informam as editoras sobre suas vendas, é claro. E essas informam o PubTrack, na periodicidade acertada.

Mas a discrepância continua: qual a parcela das vendas das grandes editoras no conjunto do mercado editorial dos EUA?

O grupo Author Earnings, que congrega especialmente os autores independentes, ou seja, os autopublicados, já há muito contesta furiosamente os dados apresentados por essas três fontes. Sustenta que o segmento da autopublicação é muito maior do que as editoras estabelecidas pensam, e que esses dados estão simplesmente errados.

Desde há dois anos, a pinimba entre a Author Earnings e o pessoal do Digital Book World foi grande.

Daí que a grande surpresa da DBW Conference deste ano foi precisamente convidar o autor que vem trabalhando para desmontar os dados tradicionais para fazer uma das conferências e depois um colóquio. E foi convidado pelo próprio Cader. Ele usa o pseudônimo de Data Guy (DG) e revelou que sua experiência de análise de dados provém das vendas de vídeogames.

Cader reservou um dos horários nobres do último dia da conferência para o DG, que se revelou simpático e acessível. Informou que é autor de dois livros (autopublicados), mas não disse o nome. A qualquer momento alguém que o conheça vai informar, com certeza.

Mas isso é o de menos.

A presença de DG transformou o previsível confronto em uma substancial troca de informações que pode ser mutuamente proveitosa (indústria estabelecida e autopublicação).

DG explicou como calcula as vendas, principalmente da Amazon. Ele faz uma triangulação entre os metadados fornecidos pela própria Amazon – por exemplo, posição no ranking de cada livro em vendas pelo Kindle – e a quantidade total de livros vendidos diariamente pela Amazon. Diz que assim produz um “instantâneo” das vendas dos livros dos autores independentes.

A Publishing Perspectives produziu um post sobre a presença de DG no qual tenta explicar a metodologia usada por ele nos cálculos.

Cader revelou que vem mantendo contato com DG já há algum tempo, e que existe de fato a possibilidade de uma “fusão” de dados que enriqueceria as informações sobre o mercado de e-books. Há muito ceticismo a respeito disso, mas, segundo a Publishing Perspectives, o clima de confronto virou clima de cooperação e daí podem surgir coisas interessantes e úteis para todos os segmentos da indústria editorial.

Há muita matemática envolvida na explicação e nos cálculos, área em que meus conhecimentos são definitivamente deficientes.

Mas o espírito da coisa é que se abre o caminho para conseguir um retrato mais realista do conjunto da indústria editorial por lá, mesmo sem a colaboração dos “Quatro Cavaleiros” (do apocalipse do mercado editorial?).

E por aqui?

Bem, se por lá existe esse tipo de reclamações, aqui a situação é muito, mas muito pior.

Começa que a maioria dos editores simplesmente não consegue perceber que, mesmo com todas as deficiências existentes, é possível extrair muitas informações importantes para o desenvolvimento do mercado de cada editora.

Aqui temos basicamente duas fontes de informação. A primeira, a pesquisa de Produção e Vendas do Mercado Editorial, que teoricamente seria mais ou menos equivalente à informação da AAP. Afirmação só possível com uma enorme quantidade de boa vontade. Na minha opinião, a pesquisa FIPE / CBL-SNEL se degradou bastante nos últimos anos e está longe, mas muito longe, de ter a qualidade do material produzido pelo BISG. Mas é o que temos. E não deixa de ser útil, se bem usada. Afinal, aqui o fenômeno da autopublicação, ainda que crescente, está longe de chegar à proporção que assumiu nos EUA.

A segunda fonte de dados é o BookScan que vem sendo implantado aqui pela Nielsen, e que o SNEL contratou para dar um resumo mensal de seus dados, que vem sendo publicados sistematicamente pelo PublishNews. Os dados do BookScan têm os mesmos defeitos (e virtudes) detectados por lá, com talvez uma agravante: a quantidade de empresas informantes de dados é provavelmente muito menor. O universo da BookScan não é revelado em termos quantitativos nos relatórios do SNEL. No Brasil a Nielsen Bookscan tem concorrência com a empresa alemã GfK, que desenvolve um sistema que, na prática, é igual ao deles. A GfK, entretanto, não fez convênio com nenhuma entidade para divulgação de seus dados.

Não temos algo como o PubTrack.

A qualidade dos dados, portanto, é bem pior que nos EUA.

Some-se a isso, como já mencionei em vários posts, a incompreensão ainda dominante na maioria das editoras, de que a análise de dados e o acompanhamento do desempenho através do rastreio de metadados é despesa, e não investimento.

Ou seja, analisar o mercado editorial brasileiro não é fácil. Aliás, é bem mais difícil que em outros países.

A ausência de dados confiáveis, entretanto, não impediria que, com o que se dispõe, as editoras pudessem melhorar, e muito, vários aspectos do seu funcionamento.

Um bom exemplo foi divulgado pelo Carlo Carrenho na edição do PublishNews do dia 8 de março passado. A matéria sobre a “aula imperdível” de Peter McCarthy é um excelente exemplo de como a criatividade e a percepção correta do uso de dados pode ajudar todo o mercado editorial a ter um melhor desempenho. Vale a pena ver o PowerPoint.

Felipe Lindoso é jornalista, tradutor, editor e consultor de políticas públicas para o livro e leitura. Foi sócio da Editora Marco Zero, diretor da Câmara Brasileira do Livro e consultor do CERLALC – Centro Regional para o Livro na América Latina e Caribe, órgão da UNESCO. Publicou, em 2004, O Brasil pode ser um país de leitores? Política para a cultura, política para o livro, pela Summus Editorial. Mantêm o blog www.oxisdoproblema.com.br. Em sua coluna, Lindoso traz reflexões sobre as peculiaridades e dificuldades da vida editorial nesse nosso país de dimensões continentais, sem bibliotecas e com uma rede de livrarias muito precária. Sob uma visão sociológica, ele analisa, entre outras coisas, as razões que impedem belos e substanciosos livros de chegarem às mãos dos leitores brasileiros na quantidade e preço que merecem.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Lindoso fala sobre a importância e crescimento das traduções em língua inglesa nos últimos anos
Em sua coluna, Felipe Lindoso analisa a pesquisa 'Kids & Family Reading Report - The Rise of Read-Aloud' feita pela editora americana Scholastic
Em sua coluna, Felipe Lindoso dá seus pitacos sobre a crise que afeta o mercado livreiro – e consequentemente o editorial – brasileiro
Em sua coluna, Lindoso fala sobre a lei aprovada na Colômbia que coloca o país no pelotão de vanguarda na atualização da legislação de direitos autorais não apenas na América Latina
Em sua coluna, Felipe Lindoso analisa recentes dados de pesquisas que mostram os hábitos de leitura nos EUA
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Carlo Carrenho traz números e tendências do audiolivro no Reino Unido e na França
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Volnei Canônica conta que foi convidado, ao lado de nomes como André Neves, Roger Mello e Marina Colasanti para participar do Salão do Livro Infantil e Juvenil da cidade espanhola de Pontevedra
Na crônica deste mês, Luciana Pinsky brinca com encontro e desencontros
Livros relidos são livros eternos.
Machado de Assis
Escritor brasileiro

(1839-1908)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar