Publicidade
Publicidade
Uma devastação amazônica
PublishNews, 29/05/2014
Um livro que o presidente da Amazon não quer ver nem de perto: "The everything store: Jeff Bezos and the age of Amazon", de Brad Stone

Chegou ao primeiro lugar na Amazon um livro improvável: um catatau de 700 páginas de um economista francês pregando contra a concentração de renda. Em O Capital no século 21, Thomas Piketty demonstra que a acumulação de lucros das empresas mais “eficientes” leva à desigualdade, com resultados nefastos a longo prazo para o mercado e para a economia. É o livro que Jeff Bezos deveria manter na cabeceira.

Já outro livro o presidente da Amazon não quer ver nem de perto: The everything store: Jeff Bezos and the age of Amazon, de Brad Stone. A obra (na 2.400ª posição entre os bestsellers) pinta-lhe um retrato nada lisongeiro. Detalha, entre outras, a tática de enfraquecer editoras, prejudicando suas vendas, até dobrá-las em negociações, “como um guepardo devora gazelas adoecidas”.

Everything Store é publicado pela Little Brown, um dos selos do conglomerado Hachette. E é justamente esse grupo editorial francês a gazela que decidiu atacar o guepardo. Está recusando as condições impostas pela Amazon e sofrendo as consequências: alguns de seus títulos somem das prateleiras virtuais; para outros a entrega custa mais caro e demora mais (como um sistema “un-prime”). Há ainda os livros que tem os descontos suspensos, e os que ganham a companhia de mensagens como “as pessoas estão comprando outro título, mais barato”.

O risco da Hachette (e de outras empresas) é grande. A Amazon detém um terço do mercado de livros impressos, e dois terços dos livros digitais. A questão é saber qual sacrifício é válido para apenas manter-se no mercado. Como uma gazela sedenta que sabe que à beira do riacho o guepardo espreita.

Leitores e editores devemos à Amazon o enorme avanço no mercado das palavras, com a pronta disponibilidade de uma imensidão de títulos. É preciso reconhecer que eles praticamente implementaram o mercado de livros digitais. Também é graças à Amazon que um mercado com métodos (e postura) bicentenários teve de descer do pedestal para entrar no século 21, e é razoável atribuir à Amazon o crescimento da leitura na geração digital. Há até quem aplauda (sem sarcasmo aparente) o empurrão (para o abismo) que a Amazon dá nas livrarias de rua, “essas instituições cult e agonizantes”. O que não se vê, no entanto, é que a eficiência amazônica foi obtida com margens ínfimas, muitas vezes negativas. O mercado endossou, na forma de investimentos, o crescimento vertiginoso da empresa de Seattle. Mas depois de tanto “add to cart”, é preciso fechar a conta. Com os livros digitais atingindo um platô de 30% do mercado, e o lucro operacional líquido (NOPAT) patinando em 1%, resta à Amazon engordar suas margens. Como a ponta do consumidor não dá para apertar (por conta de concorrentes como a BookDepository.com, que ela teve que comprar, e pelas ferramentas de comparação de preço), resta espremer as editoras, essas “intermediárias”.

O leitor final sempre foi a estrela guia da empresa. Para ele a Amazon pintou uma utopia de títulos sem fim em qualquer formato a preço baixo e entrega rápida (ou instantânea, com os kindle books). Foi em nome do leitor que ela ajudou a condenar as maiores editoras americanas quando elas teriam entrado “em conluio” com a Apple para oferecer e-books a preços acima do preconizado pela Amazon. Era em defesa do leitor que retirou os botões de “comprar” dos livros da MacMillan, quando ela ousou pedir mais que U$ 9,99 por um e-book. Fica difícil então sustentar que “em nome do leitor” ela esteja programando algoritmos para dificultar ou impedir a venda de livros que ele quer ler, mas que a Amazon não quer vender.

A cadeia do livro está, no mínimo, magoada. Pelos corredores escutam-se as palavras “boicote e monopólio”, mas sussurradas, para não acordar o Leviatã. James Patterson, um dos autores frequentes nas listas de best-sellers da Amazon, publicado por um dos selos da Hachette, definiu o confronto como uma “guerra econômica, e as livrarias, bibliotecas, autores e os próprios livros estão no meio de um tiroteio”. E arrematou: “se esse é o novo American way, então talvez seja o caso de mudar — pela lei, se preciso for — mas imediatamente. Se não antes”.

Ou talvez seja a hora de editores, livreiros e leitores abrirem o livro que está em 5º lugar na Amazon, do monsieur Piketty, e pensar o capital, e o mercado da literatura, no século 21. De preferência no Kindle.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A felicidade não se aprende nos livros, mas pode brotar deles.
Eduardo Gianetti
Economista e escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar