Publicidade
Publicidade
Já é hora de deixar o futuro chegar
PublishNews, 14/02/2014
Já é hora de deixar o futuro chegar

Com as bibliotecas por assinatura, a literatura digital faz sentido

Com 20 anos a gente já tem de saber quem a gente é. Desde que a Amazon.com abriu [já se vão 20 anos], a leitura digital vem chegando, entre tímida e espalhafatosa. Nesse entretempo o mercado, como todo adolescente, foi alternando desprezo (“isso não é livro”, “meu cliente é a livraria”) e euforia (“vamos digitalizar todo o catálogo!”, “um tablet na mão de cada criança!”). O “livro digital” acabou não explodindo como anunciavam os eufóricos, mas segue em crescimento constante, sendo acolhido pelo mercado tradicional e convertendo antigos céticos. Mas ainda não sabe o que é, nem o que pode.

Um sinal de que a leitura digital atingiu a maioridade é que já não está tão preocupada em parecer o que não é. Isto é, o foco está saindo do e-book, um simulacro digital de um livro de papel, com as desvantagens do livro de papel (custo, restrição, imutabilidade) e sem as vantagens do digital (ubiquidade, capacidade, mutabilidade, diálogo). É o caminho seguro e preguiçoso da emulação, reduz-se um produto às características que os compradores já conhecem, como as primeiras televisões eram meros rádios com imagem. Porém se características intrínsecas à materialidade do livro impresso fazem dele uma mercadoria, essas características somem na imaterialidade. O livro digital não precisa ser estocado, transportado, nem pode ser acumulado na cabeceira. Ele pode ser mais que uma mercadoria. Essa noção pode chocar quem só conhece a leitura atrelada a um objeto, como é e tem sido desde 1468, a ponto de não haver distinção na língua entre “livro” (objeto de páginas sequenciadas) e “livro” (narrativa ou informação compilada). Mas pode explodir o alcance da leitura — até economicamente.

Se o caro leitor está assustado, porém ainda não fugiu, recomendo a leitura de nosso artigo. Ele demonstra, em resumo, que o livro está em vias de entrar em uma nova fase econômica e comportamental, a “Fase Líquida”. Nesta fase, em que a música (Deezer, Rdio) e o audiovisual (Netflix, Youtube) já entraram, o livro deixará de ser uma propriedade/mercadoria e passa a ser um direito de acesso. Não estou falando klingon. Quem já comprou livros “vivos” na Safari da O’Reilly há alguns anos sabe. Quem viu a decana 24symbols há 3 anos entende. E a biblioteca de empréstimos do Kindle? Aqui mesmo em nossas praias, quem já acompanha a Nuvem de Livros ou a Minha Biblioteca sabe do que se trata. O palavrão cochichado no mercado em 2013 está virando a palavra da moda em 2014: assinatura.

Lá fora os tambores rufam para a Oyster, a prometida “Netflix dos livros”, uma startup cacifada por investidores e vigiada por editores, que querem ver aonde isso vai levar. Aqui estão fazendo barulho as novíssimas Biblioteca Xeriph e a Árvore de Livros. O discurso é mais ou menos o mesmo: as instituições de ensino e os governos podem “adquirir” uma biblioteca 24h de milhares de títulos para os estudantes. A lamentar somente que essa arrancada para a leitura digital seja feita com o freio de mão puxado e a ré engatada.

Isso porque os “modelos de negócio” acordados com as editoras voltam a emular o livro-impresso-mercadoria. Isto é, um livro digital volta a ter “tiragem”, e assim um arranjo infinita e instantaneamente replicável de elétrons pode, esdruxulamente, não estar “disponível” para um leitor, se tiver “emprestado” para outro. O leitor perde, a editora também. É a lógica do medo, a mesma que criou o DRM para exterminar piratas e expulsou leitores. Talvez as editoras achem que o atual modelo de negócios do livro — com suas margens abissais e pontos de equilíbrio estratosféricos — seja bom demais para se tentar outra coisa.

Com 20 anos e quase maior de idade, não dá para ficar impondo o que a leitura digital pode ou não pode fazer.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Livrarias italianas podem abrir, mas não querem; letãs querem abrir no fim de semana, mas não podem; francesas não podem vender, mas também não deixam a Amazon tomar seu espaço: como o livro europeu se vira com o vírus
Em sua coluna, Julio Silveira relata como Portugal e em especial, editores e livreiros, estão lidando com a pandemia da covid-19
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Camila Cabete celebra dez anos como colunista do PublishNews: 'Revendo minhas colunas antigas eu tive um sentimento de muita gratidão. Posso dizer ao ver que fiz parte desta história'
Em seu artigo, Gustavo Martins de Almeida fala sobre a autorização de uso de obras encontradas na internet
Podcast do PublishNews conversou com Jaime Mendes, historiador que escreveu, recentemente, dois artigos para o PN analisando o mercado editorial brasileiro
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Neste episódio especial do PublishNews Entrevista, André Argolo reuniu alguns de seus entrevistados para compartilharem pensamentos sobre o mundo, suas preocupações e sonhos
Todos os livros que escrevi foram livros que desejei escrever.
Wesley Peres
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar