Publicidade
Publicidade
Já é hora de deixar o futuro chegar
PublishNews, 14/02/2014
Já é hora de deixar o futuro chegar

Com as bibliotecas por assinatura, a literatura digital faz sentido

Com 20 anos a gente já tem de saber quem a gente é. Desde que a Amazon.com abriu [já se vão 20 anos], a leitura digital vem chegando, entre tímida e espalhafatosa. Nesse entretempo o mercado, como todo adolescente, foi alternando desprezo (“isso não é livro”, “meu cliente é a livraria”) e euforia (“vamos digitalizar todo o catálogo!”, “um tablet na mão de cada criança!”). O “livro digital” acabou não explodindo como anunciavam os eufóricos, mas segue em crescimento constante, sendo acolhido pelo mercado tradicional e convertendo antigos céticos. Mas ainda não sabe o que é, nem o que pode.

Um sinal de que a leitura digital atingiu a maioridade é que já não está tão preocupada em parecer o que não é. Isto é, o foco está saindo do e-book, um simulacro digital de um livro de papel, com as desvantagens do livro de papel (custo, restrição, imutabilidade) e sem as vantagens do digital (ubiquidade, capacidade, mutabilidade, diálogo). É o caminho seguro e preguiçoso da emulação, reduz-se um produto às características que os compradores já conhecem, como as primeiras televisões eram meros rádios com imagem. Porém se características intrínsecas à materialidade do livro impresso fazem dele uma mercadoria, essas características somem na imaterialidade. O livro digital não precisa ser estocado, transportado, nem pode ser acumulado na cabeceira. Ele pode ser mais que uma mercadoria. Essa noção pode chocar quem só conhece a leitura atrelada a um objeto, como é e tem sido desde 1468, a ponto de não haver distinção na língua entre “livro” (objeto de páginas sequenciadas) e “livro” (narrativa ou informação compilada). Mas pode explodir o alcance da leitura — até economicamente.

Se o caro leitor está assustado, porém ainda não fugiu, recomendo a leitura de nosso artigo. Ele demonstra, em resumo, que o livro está em vias de entrar em uma nova fase econômica e comportamental, a “Fase Líquida”. Nesta fase, em que a música (Deezer, Rdio) e o audiovisual (Netflix, Youtube) já entraram, o livro deixará de ser uma propriedade/mercadoria e passa a ser um direito de acesso. Não estou falando klingon. Quem já comprou livros “vivos” na Safari da O’Reilly há alguns anos sabe. Quem viu a decana 24symbols há 3 anos entende. E a biblioteca de empréstimos do Kindle? Aqui mesmo em nossas praias, quem já acompanha a Nuvem de Livros ou a Minha Biblioteca sabe do que se trata. O palavrão cochichado no mercado em 2013 está virando a palavra da moda em 2014: assinatura.

Lá fora os tambores rufam para a Oyster, a prometida “Netflix dos livros”, uma startup cacifada por investidores e vigiada por editores, que querem ver aonde isso vai levar. Aqui estão fazendo barulho as novíssimas Biblioteca Xeriph e a Árvore de Livros. O discurso é mais ou menos o mesmo: as instituições de ensino e os governos podem “adquirir” uma biblioteca 24h de milhares de títulos para os estudantes. A lamentar somente que essa arrancada para a leitura digital seja feita com o freio de mão puxado e a ré engatada.

Isso porque os “modelos de negócio” acordados com as editoras voltam a emular o livro-impresso-mercadoria. Isto é, um livro digital volta a ter “tiragem”, e assim um arranjo infinita e instantaneamente replicável de elétrons pode, esdruxulamente, não estar “disponível” para um leitor, se tiver “emprestado” para outro. O leitor perde, a editora também. É a lógica do medo, a mesma que criou o DRM para exterminar piratas e expulsou leitores. Talvez as editoras achem que o atual modelo de negócios do livro — com suas margens abissais e pontos de equilíbrio estratosféricos — seja bom demais para se tentar outra coisa.

Com 20 anos e quase maior de idade, não dá para ficar impondo o que a leitura digital pode ou não pode fazer.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Portugal reabre livrarias e editoras brasileiras já podem participar da retomada
Em sua coluna, Julio Silveira fala sobre sua experiência na Feira do Livro de Lisboa que aconteceu mesmo com a pandemia do novo coronavírus
Livrarias italianas podem abrir, mas não querem; letãs querem abrir no fim de semana, mas não podem; francesas não podem vender, mas também não deixam a Amazon tomar seu espaço: como o livro europeu se vira com o vírus
Em sua coluna, Julio Silveira relata como Portugal e em especial, editores e livreiros, estão lidando com a pandemia da covid-19
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Paulo Tedesco, depois de um tempo ausente, reassume a sua coluna no PN falando sobre novos formatos do livro
Mais uma vez, o telefone tocou na Agência fictícia criada por Marisa Moura. Do outro lado, uma raridade: uma pessoa com nome, sobrenome e correspondência no mundo real: o editor Pascoal Soto.
Luiza Del Monaco e Rita Mattar, editoras das duas casas, participam do Podcast do PublishNews dessa semana
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Podcast da semana fala com editoras que encontraram em petshops, lojas de presentes ou farmácias seus parceiros para fazer seus livros chegarem aos leitores
Pra trabalhar com livro, tem que ser valente. Tem que ser persistente.
Luiz Alves Jr.
Fundador da Global Editora e ganhador do Prêmio PublishNews de Contribuição ao Mercado Editorial
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar