Publicidade
Publicidade
Audioverso, meuverso, seuverso, nossoverso...
PublishNews, André Palme, 30/05/2022
Em novo artigo, André Palme discorre sobre os universos de interesses de cada um e sobre a importância das estratégias relacionadas a criação e fomento de comunidades

Quero falar aqui sobre universos. Mas não o universo no sentido cósmico e todos os seus planetas e estrelas. Quero falar de universos de interesse. Podemos usar outras palavras, como complemento ou sinônimos: preferências, fandom, comunidade, gêneros e categorias nos livros… mas vamos usar universo.

Todos nós temos nossos universos de interesse. No meu caso o áudio é um deles, então tudo que diz respeito ao universo do conteúdo em áudio me chama a atenção. Eu consumo, pesquiso, estudo, converso com outras pessoas, falo disso, trabalho com isso. Mas outros universos também me interessam: meditação, decoração, a Apple, ficção científica, aviões e comida (mais os doces na verdade).

O interessante é que quando falamos de universos de interesse não estamos falando de formatos, estamos falando de assuntos. Dentro deles cabem muitos formatos, narrativas, serviços, produtos, comunidades e ferramentas. Por exemplo, quando eu quero consumir algo sobre o Audioverso, não necessariamente vai ser um conteúdo em áudio: pode ser um artigo para ler, uma palestra para assistir, uma conversa em um almoço com amigos.

Vamos então trazer isso para um exemplo prático, porque quero aqui neste artigo ressaltar a importância da estratégia multiformato na criação, gestão, comercialização e divulgação de IPs (propriedades intelectuais) e estratégias relacionadas a criação e fomento de comunidades.

Existem muitos exemplos incríveis de universos de interesse extremamente populares, desde o Futebolverso até o Potterverso, passando por Star Wars, o Jovem Nerd e o TikTok. Mas vou falar aqui de um que conheço porque faço parte do projeto desde o dia 1: o geekverso da Storytel Brasil.

Quando começamos a Storytel no Brasil muito se dizia que o consumo de conteúdos em áudio era algo restrito a títulos de não ficção, principalmente negócios e auto ajuda. Decidimos discordar e ousar: criamos uma estratégia para adquirir e produzir conteúdos em áudio de ficção. Dentre as várias categorias que apostamos, vou falar de uma delas: fantasia e ficção científica.

O primeiro passo foi fazer uma parceria com quem já estava neste universo e tinha autoridade dentro desta comunidade: Guga Mafra, Jovem Nerd e Azaghal. Esse passo é muito importante, caso você ainda não esteja inserido nesse universo, caso não seja uma autoridade nessa comunidade.

Isso feito, começamos a juntos escolher conteúdos que fossem do universo de interesse dessas pessoas. Aqui vale uma dica: o formato é menos importante do que o conteúdo, porque não vai interessar um conteúdo em qualquer formato que seja, se ele não for do universo de interesse daquele grupo de pessoas (imagine escrever livros de receitas de doces com bastante açúcar para uma comunidade de diabéticos, para usar um exemplo extremo).

No nosso caso, como somos um app de áudio e leitura, estes são os formatos que nos interessam nesse projeto. Ou seja, estamos, dentro do universo de interesse, entregando conteúdos em um formato específico para essa comunidade.

O desafio então era provar que, mesmo sendo um novo formato para a maioria deles (audiobooks, porque podcasts já eram muito consumidos), eles se interessaram, não porque audiobook é legal, mas porque seriam audiobooks de conteúdos que interessam, fazem parte do universo de interesse. Estou repetindo universo e interesse muitas vezes, mas é porque isso é realmente o mais importante :)

Decidimos os títulos, começamos a lançar no app os conteúdos e - mais uma vez seguindo o que faz sentido para aquela comunidade - começamos a divulgar esses conteúdos usando os canais, pessoas, formatos e linguagem que tem aderência para esse grupo. Isso faz um ano e meio, e é importante ressaltar isso, porque universos de interesse e formação de comunidades são coisas que levam tempo e exigem principalmente duas coisas: coerência e consistência.

O resultado? Somente de Janeiro-Setembro de 2021 tivemos mais de 700 mil horas de consumo destes conteúdos no app da Storytel, criamos um catálogo incrível junto e em parceria com estas autoridades, mas também ouvindo a comunidade e, nos tornamos a referência do conteúdo geek em áudio para este universo de interesse.

Para utilizar um exemplo de outro app: o Spotify lançou uma audioserie do Batman e já é o conteúdo (não música) mais ouvido do app globalmente, mais do que podcasts de muito sucesso.

Para confirmar ainda mais esse resultado incrível, duas semanas atrás lançamos o clássico de ficção científica 2001: uma odisséia no espaço, do Arthur C. Clarke. Um título que não é novo, que já existe em outros formatos faz tempo, mas que por ser um conteúdo que atrai este universo de interesse, se tornou o título mais ouvido no app brasileiro em poucos dias… tudo isso sem grandes campanhas de marketing, somente se comunicando com esse universo de interesse, essa comunidade.

O que quero dizer com tudo isso? Que mais importante que um formato ou verbas infinitas de publicidade, trabalhar com conteúdo tem a ver com criar para universos de interesse e criar comunidades em volta disso. A partir daí o formato é o menos importante: se é do seu universo de interesse, você vai consumir. É só olhar para Harry Potter por exemplo: se você é um potterhead (veja que existe até um nome para quem é desse universo), você com certeza já leu os livros, viu os filmes, ouviu os audiobooks, sonha em ir no parque da Disney, tem camisetas, varinhas, canecas, cadernos e tudo mais relacionado ao Wizarding World.

Universo de interesse é o que faz Harry Potter, Star Wars, Disney a tantos outros IPs continuarem e se perpetuarem por décadas.

Ah, sobre o metaverso? Ele é um universo que te entrega a capacidade de criar o seu próprio universo de interesse, em uma camada de vida onde - quase - tudo é possível. Mas isso fica para um outro papo :)

E você, qual o SeuVerso de interesse?

Palme é um executivo da cultura e do entretenimento com +10 anos de experiência na liderança de projetos que envolvem conteúdos multi formatos, tecnologia e streaming; além de empreendedor, professor, mentor e colunista. Nos últimos anos liderou projetos que somam mais de 10 mil horas de conteúdo em áudio, entre audiobooks, podcasts e audioseries.

Atualmente é CMCO (Chief Marketing & Content Officer) no Skeelo e atua também como empreendedor, consultor, professor e podcaster, além de colunista e palestrante.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews

Tags: audiolivros
Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
É importante adotar sempre uma postura de estar em cena e não ficar só como alguém na plateia vendo a banda passar, parafraseando o Chico
Em novo artigo, André Palme fala sobre o poder e a importância da comunidade e como ter pessoas engajadas com seu conteúdo pode fazer a diferença
Em novo artigo, Palme explica que o acesso global não significa automaticamente consumo global e que é preciso mais do que isso para que um conteúdo faça sucesso em diversos lugares do mundo
Em novo artigo, Palme lembra que o digital não exclui o físico e que o melhor cenário, no fim das contas, é a combinação de ambos
Em novo artigo, André Palme fala sobre as desvantagens que enxerga na nomeação de conteúdos em áudio de maneira tão rígida e das divisões que acabam sendo criadas entre audiolivros e podcasts
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Editoras dos selos Verus e Harlequin conversaram sobre as mudanças nas editoras, as características dos gêneros literários, sobre a negociação com os autores e autoras e outros assuntos
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos da Editora Vista Chinesa, Uiclap e um livro independente
Escrito por Marina Hadlich, 'Até essa comédia se tornar romântica' é uma história divertida e com uma personagem que ultrapassa as páginas e conversa diretamente com o leitor
Alguns poetas não tinham mais espanto e continuaram para não jogar a toalha. Aí fica pobre, não tem a beleza reveladora da poesia.
Ferreira Gullar
Poeta brasileiro
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar