Publicidade
Publicidade
O que funciona no áudio?
PublishNews, André Palme, 27/01/2022
Audiolivros são só para uma parcela da população? Funciona só para não ficção e livros de desenvolvimento pessoal? Só se ouvem audiolivros enquanto fazem outras tarefas? André Palme acha que não

Feliz ano novo!

Quero começar esse ano contando uma novidade que esqueci de contar no último artigo: lancei em dezembro passado, em parceria com a E.B.A.C., um curso de Produção de conteúdo em áudio, que passa por todas as etapas, desde a história deste formato até a criação de histórias, produção, comercialização e divulgação. São mais de 24 horas de aula, com muito conteúdo e convidados incríveis dentro de uma das melhores plataformas de EAD do Brasil. Um curso para quem já está no mercado e para quem quer começar!

Quem quiser conferir e se inscrever é só acessar aqui.

E antes de começar o artigo propriamente, quem quiser ouvir esta coluna, temos ela gravada em voz também:

Vamos lá! O título desse artigo é uma pergunta que volta e meia aparece. Durante muito tempo o conteúdo em áudio foi visto como um formato absolutamente focado em auxiliar pessoas com deficiência auditiva a terem acesso a histórias que não conseguiriam acessar em livros e textos. É claro que este papel é importantíssimo, mas o áudio é um formato atrativo para muito mais pessoas.

Outra coisa que também se tornou quase um senso comum no mercado editorial brasileiro é sobre as categorias que funcionam para os audiobooks. Se você perguntar, 11 entre cada 10 pessoas responderiam automaticamente: não ficção, especialmente livros de negócios e desenvolvimento pessoal.

E por último, mas não menos clichê - ou pra ser mais educado, crenças que precisam ser revistas - é dizer que o áudio é multitarefa, aquele tipo de conteúdo que você vai consumir somente quando estiver com a cabeça livre e o corpo ocupado, fazendo alguma tarefa manual ou qualquer outra coisa que lhe permita ouvir algo ao mesmo tempo.

Todas estas três coisas são, ou foram, verdades quando falamos de histórias para ouvir. Mas é muito importante que a gente desconstrua cada vez mais estes pensamentos, porque o áudio não só é um formato extremamente versátil, como também é absolutamente conectado com a rotina que a maioria de nós humanos vivendo em 2022 tem: o celular o tempo todo com você (não deveria, mas isso é assunto pra outro texto).

Pois bem. Vamos começar pela primeira: o áudio é um formato para uma parcela específica das pessoas. Isso não poderia ser mais errado. Todos os números mostram o quanto o consumo de áudio (audiobooks, podcasts, audiodramas, audioseries) tem crescido de maneira exponencial de maneira geral. Segundo uma pesquisa da Globo e Ibope, somente entre setembro/2020 - fevereiro/2021, 57% dos entrevistados começaram a consumir programas em áudio digital e 31% intensificaram o consumo.

O Spotify divulgou ano passado que o Brasil é o país com maior consumo de podcasts entre todos os países em que o app está presente. O áudio junta a praticidade de ouvir um conteúdo sem demandar atenção visual, com uma rotina natural de acesso a internet e apps e em um modelo de negócios que a maioria dos brasileiros conhece, as assinaturas e o acesso via streaming. Então não, o áudio não é só para uma parcela restrita da população e sim um formato amplo, democrático, diverso e acessível.

Quando falamos das categorias mais consumidas, temos uma questão que traz o dilema do ovo e da galinha: o senso comum é de que se consome mais não ficção porque se produz mais não ficção ou se produz mais não ficção porque se acha que se consome mais esse tipo de conteúdo? Respondendo: ambos. Existe um histórico de produção de não ficção em áudio, justamente por esse conceito - limitado - de que o áudio é só multitarefa e interessa somente a quem quer se desenvolver profissionalmente. E aí consequentemente as editoras e plataformas apostaram ainda mais nesses conteúdos, gerando esse círculo vicioso.

Mas, queridos, estou aqui pra dizer que existe vida na ficção. Tenho muito orgulho de dizer que na Storytel fomos os primeiros a apostar com peso nesses conteúdos e já colhemos resultados bem interessantes: somente entre janeiro e setembro de 2021 foram ouvidas mais de 700 mil horas de conteúdos de fantasia em nosso app no Brasil. Fantasia, Sci-fi e Romance são nossos carros chefe. Claro que produzimos não ficção… como uma plataforma de streaming é nossa obrigação ter um catálogo diverso e deixar para o assinante decidir o que ele prefere ouvir. Um mix de escapismo, imersão em histórias em áudio e parcerias com grandes conteúdos nos trouxe esse resultado e provou que o áudio, principalmente o audiobook, não é só para não ficção.

Para finalizar, a questão da multitarefa: é claro que o áudio é um super aliado como companhia em tarefas manuais, viagens e exercícios. Mas por aqui temos muitos, muitos relatos de usuários que simplesmente sentam no sofá para ouvir uma saga de fantasia ou um lançamento de romance. Estamos vivendo uma fadiga de tela e o áudio vem como um bálsamo para o consumo de conteúdo sem necessidade de dedicação visual.

Vamos então aproveitar que o ano está começando e deixar para trás um monte de coisas que não funcionam mais ou que não precisam mais ser seguidas simplesmente porque talvez tenham sido verdade ou opiniões fortes em algum momento. Pensem o áudio como um formato pra muita gente, de todos os tipos, com todos os gostos.

Ouvir histórias é parte da nossa história desde sempre, é só a gente se lembrar disso :)

Palme é um executivo da cultura e do entretenimento com +10 anos de experiência na liderança de projetos que envolvem conteúdos multi formatos, tecnologia e streaming; além de empreendedor, professor, mentor e colunista. Nos últimos anos liderou projetos que somam mais de 10 mil horas de conteúdo em áudio, entre audiobooks, podcasts e audioseries.

Atualmente é CMCO (Chief Marketing & Content Officer) no Skeelo e atua também como empreendedor, consultor, professor e podcaster, além de colunista e palestrante.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews

Tags: audiolivros
Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
É importante adotar sempre uma postura de estar em cena e não ficar só como alguém na plateia vendo a banda passar, parafraseando o Chico
Em novo artigo, André Palme fala sobre o poder e a importância da comunidade e como ter pessoas engajadas com seu conteúdo pode fazer a diferença
Em novo artigo, Palme explica que o acesso global não significa automaticamente consumo global e que é preciso mais do que isso para que um conteúdo faça sucesso em diversos lugares do mundo
Em novo artigo, Palme lembra que o digital não exclui o físico e que o melhor cenário, no fim das contas, é a combinação de ambos
Em novo artigo, André Palme fala sobre as desvantagens que enxerga na nomeação de conteúdos em áudio de maneira tão rígida e das divisões que acabam sendo criadas entre audiolivros e podcasts
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Editoras dos selos Verus e Harlequin conversaram sobre as mudanças nas editoras, as características dos gêneros literários, sobre a negociação com os autores e autoras e outros assuntos
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos da Editora Vista Chinesa, Uiclap e um livro independente
Escrito por Marina Hadlich, 'Até essa comédia se tornar romântica' é uma história divertida e com uma personagem que ultrapassa as páginas e conversa diretamente com o leitor
Diz-se que a literatura existe para purificar - sublimar - o inferno real. Ficções seriam sonhos benignos, com que nos distraímos dos horrores dos dias.
Jose Castello
Escritor brasileiro
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar