Publicidade
Publicidade
Bicentenário do fim da censura às tipografias no Brasil Império
PublishNews, Gustavo Martins de Almeida, 27/08/2021
Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida faz um resgaste histórico da importante data

Há exatos dois séculos, em 28 de agosto de 1821, era publicado no Rio de Janeiro o Aviso nº 51 (os Avisos tinham força legislativa) do Império, decretando fim da censura as tipografias no Brasil. Foi assinado por Pedro Alvares Diniz, Secretário de Estado dos Negócios do Reino, assim como outros.

O teor é altamente significativo pois estipulou o fim da necessidade de autorização real para “a publicação dos escriptos que se pretenderem imprimir”.

Para que se tenha uma ideia do significado dessa ordem, vale a pena breve resumo histórico.

Por força da iminente invasão das tropas de Napoleão a Portugal, D. João, então Príncipe Regente de Portugal - por força da doença de D. Maria I - embarca com a Corte Portuguesa para o Brasil em 29.11.1807. Importante, para esse tema, destacar que “no volumoso carregamento depositado no cais contava-se, não para destinação específica, material tipográfico, constante de dois prelos e 28 fontes de tipo, importado da Inglaterra” (a imprensa - tolhida e liberada - e o intercambio das ideias, Cybelle de Ipanema, RIHGB, RJ, jan./mar.2009, p. 337).

A chegada em Salvador ocorre em 22.01.1808, em 28.01 é publicado o Decreto de Abertura dos Portos do Brasil, e em 07 de março a Corte chega ao Rio de Janeiro, acrescentando 14 mil moradores aos 60 mil habitantes cariocas.

Decreto de Abertura dos Portos do Brasil
Decreto de Abertura dos Portos do Brasil
Até 1808 era proibida a impressão de livros no Brasil. Uma tipografia teria funcionado em Recife, na era de Mauricio de Nassau, entre 1706 e 1724, e outras duas no Rio de Janeiro, uma no colégio dos Jesuítas no Morro do Castelo, entre 1706 e 1724 e outra de propriedade de Luís Antônio Rosado da Cunha, cujas máquinas foram sequestradas em 1747. O raríssimo livro de Gaspar Barleus sobre a Colonização Holandesa no Brasil foi publicado em Amsterdã, em 1647.

Em 13 de maio de 1808 é decretada a abertura da Imprensa Régia no Rio de Janeiro, com a finalidade “de imprimir exclusivamente todos os papéis ministeriais e diplomáticos do real serviço, incluindo aí não só os documentos de todas as repartições governamentais, mas também obras de particulares, além de produzir e fazer circular a primeira folha institucional do Brasil, a Gazeta do Rio de Janeiro” (Juliana Gesuelli Meirelles, Imprensa jornais e pasquins).

Em 27.9.1808 são nomeados os censores régios, incumbidos de verificar os textos encaminhados a Imprensa Régia, a entrada de livros na alfândega brasileira e sua retirada.

Na época o Rio de Janeiro tinha 16 livreiros, em Salvador havia uma tipografia, a de Manuel Serva, autorizada a funcionar em 1811.

De 1808 a 1821 o Rio de Janeiro teve criados, dentre outras instituições, um Jardim Botânico, Escola de Medicina, Biblioteca Nacional e Fábrica de Pólvora.

Em 1821 foi extinto o Tribunal da Inquisição e pelo Decreto de 04.7.1821, as Cortes Constituintes Portuguesas estipulam as bases da Nova Constituição, pregando a liberdade de expressão e de imprensa em Portugal. D. João VI – que fora aclamado Rei em 1816 - é pressionado a voltar a Portugal, embarcando em 26.4.1821, lá chegando em 04 de julho, e deixando Pedro como Príncipe Regente do Brasil.

Em 04.5 de 1821, o Príncipe “dá ordem à Alfândega [do Rio] para liberar os livros aos interessados, menos os obscenos” (Moreira, Cybele, ob cit., p, 352).

Após 14 anos de monopólio da impressão de livros, a Imprensa Régia produziu 2.148 peças regulando toda a vida do nascente Império brasileiro.

Diante da tantas pressões, em 28 de agosto de 1821 é suspensa a censura as tipografias, conforme o Aviso 51, reproduzido acima, e a partir daí toma grande impulso o mercado editorial no Brasil. Bicentenário digno de celebração!

Juramento Constituição Corte Portuguesa
Juramento Constituição Corte Portuguesa

Gustavo Martins de Almeida é carioca, advogado e professor. Tem mestrado em Direito pela UGF. Atua na área cível e de direito autoral. É também advogado do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e conselheiro do MAM-RIO. Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida aborda os reflexos jurídicos das novas formas e hábitos de transmissão de informações e de conhecimento. De forma coloquial, pretende esclarecer o mercado editorial acerca dos direitos que o afetam e expor a repercussão decorrente das sucessivas e relevantes inovações tecnológicas e de comportamento. Seu e-mail é gmapublish@gmail.com.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
A partir da canção de Gilberto Gil que dá título (reduzido um século) a este artigo Gustavo Martins de Almeida correlaciona o tempo e as novas tecnologias: do NFT ao metaverso e à inteligência artificial
Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida discorre sobre o surgimento de novas tecnologias no mercado editorial e as preocupações que as envolvem
Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida analisa, sob a ótica do Direito, os contratos de edição de audiolivros e faz perguntas como O livro pode ser narrado com qualquer voz? Como é o contrato do narrador com a editora?
Gustavo Martins de Almeida acordou numa segunda-feira passada e resolveu passar os olhos pelo caderno de leilões do jornal. O resultado é uma crônica daquelas boas de ler.
Recentemente, o mundo se espantou ao saber que uma colagem de milhares de imagens virtuais foi vendida por US$ 69 milhões. É o NFT. O que é isso e o que isso pode implicar no mercado de livros? Gustavo Martins de Almeida responde.
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
No mês da Consciência Negra, Os Passarinhos, tirinha de Estevão Ribeiro publicada sempre às sextas, cedem espaço para a Rê Tinta
Mestre de cerimônias da 63ª edição do Prêmio Jabuti, o ator participou de uma edição extra e especial do Podcast do PublishNews
Em um jantar, o escritor J. J. Veiga fez uma pergunta daquelas pra Suzana Vargas e ela respondeu sem pensar muito. Confira a saia justa na oitava crônica da série 'Escrever para lembrar: o que os grandes escritores me ensinaram'
Podcast do PublishNews recebeu Rafaella Machado (Galera) e Quézia Cleto (Paralela) para falarem sobre os gêneros literários
No mês da Consciência Negra, Os Passarinhos, tirinha de Estevão Ribeiro publicada sempre às sextas, cedem espaço para a Rê Tinta
Existem três regras para escrever ficção. Infelizmente ninguém sabe quais são elas.
Somerset Maugham
Escritor francês

(1874-1965)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar