Publicidade
Publicidade
Quem foi pra Portugal ganhou o lugar
PublishNews, Julio Silveira, 30/07/2019
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.

Livraria da Travessa em Lisboa | © Redes Sociais da livraria
Livraria da Travessa em Lisboa | © Redes Sociais da livraria
Há quase um ano venho investigando o mercado editorial em Portugal (desde dezembro, in loco). O que procuro, para o livro, é o mesmo que muitos brasileiros têm procurado por lá e que anda escasso por aqui: perspectivas. Queria compartilhar aqui o que já aprendi e o que vou descobrindo e, para começar, faço uma visita às livrarias…

Onde eu moro tem uma uma! Para você, que não “está a perceber” o motivo da exclamação, explico: tive a sorte (ou privilégio) de morar em um bairro bem servido de livrarias: Laranjeiras, no Rio. Eram cinco há poucos anos e agora são zero. Imagino que em muitos bairros pelo Brasil afora aconteceu o mesmo. Pois agora resido em um lugar chamado “Parede” (no meio do caminho entre Lisboa e Cascais) que tem menos habitantes que alguns condomínios de Laranjeiras e mesmo assim tem uma bela e bem frequentada loja. Porém os moradores de Parede, assim como o resto dos portugueses, nunca estão longe demais de uma livraria: elas estão nas ruas e nos (muitos) shoppings — sejam pequenas e charmosas ou enormes e funcionais lojas de rede, para não falar das livrarias-atrações sempre cheias de turistas e de locais, como a Ler Devagar, a Lello (que chega a cobrar ingresso) e a novata Livraria da Travessa.

Ouvi lamúrias sobre o fim de algumas lojas tradicionais (nada comparável à degola brasileira) mas, assim como segue firme a loja mais antiga em funcionamento no mundo (a Bertrand, no Chiado), também novas lojas vêm abrindo. A facilidade de ter uma livraria sempre por perto — assim como a segurança nas ruas e um jeito mais analógico de ver o mundo — restringe um pouco as vendas online, é verdade, mas o país conta também com boas livrarias.com, que não têm, por enquanto, a concorrência de uma Amazon local.

O brasileiro que visitar uma livraria portuguesa talvez se espante: um livro médio, simples, custa a partir de 15 euros (mais de R$ 60). Preços de 20 a 25 euros são comuns para livros trade. Em contraste com a (justificável) ladainha “no Brasil o livro é caro”, os portugueses sustentam uma alta “percepção de valor” em relação ao livro (considerado um presente de prestígio) e aceitam preços elevados, nos níveis da França, por exemplo, onde o custo de vida (e o salário mínimo) são bem mais altos. (Também em sincronia com a França, a lei do preço fixo é vigente em Portugal, com descontos limitados a 10% nos lançamentos).

Ler Devagar é outra livraria que se tornou um símbolo de Lisboa | © Redes sociais da livraria
Ler Devagar é outra livraria que se tornou um símbolo de Lisboa | © Redes sociais da livraria

Para efeito de comparação: A sutil arte de ligar o foda-se (Intrínseca) tem preço de capa de R$ 34,90; seu correspondente luso, A arte subtil de saber dizer que se foda (Desassossego) custa 15,50 euros (uns R$ 65,50). A rapariga do comboio (Topseller) sai por 20 euros (uns R$ 84), ao passo que sua colega A garota no trem (Record) tem preço de capa de R$ 49,90. É de se notar que os livros brasileiros são facilmente encontrados online com descontos (de até 55%!), enquanto os abatimentos nos seus correspondentes portugueses não passam de 10%, mesmo quando (e este é o caso), os títulos já tenham passado do período de restrição determinado pela Lei do Preço Fixo.

Em suma, a quantidade (e variedade) de livrarias e o preço, em Portugal, parecem contar a favor dos editores, mas, como se sabe, estes são apenas dois dos fatores de uma complicada equação. Temos que considerar ainda a) o quanto desse preço sobrará na mão dos editores (depois do desconto da livraria e dos impostos) e b) quantos exemplares um editor consegue vender. (Assunto para as próximas colunas)

Mas só fechar essa conta não garante nada: a vida acontece fora das planilhas. Um editor brasileiro, mesmo bem experiente, vai ter que reaprender algumas coisas: os eventos de lançamento de livros (que lá são “apresentações” e seguem um ritual bem diferente); os canais de divulgação (lembra-se da mídia impressa?); o perfil dos leitores (a classe social não importa tanto em um país mais “igual”); hábitos de consumo (imagine comprar livros nos correios e recebê-los na lavanderia); a sazonalidade (seu “Natal” pode cair em junho ou setembro, de acordo com sua linha editorial) e por aí vai.

Há muito a descobrir sobre os livros em Portugal — e vale muito a pena, especialmente para quem pensa em se lançar como editor por lá ou apenas desbravar um novo mercado para seu catálogo brasileiro. Quem quiser saber mais pode ir acompanhando as colunas aqui no PublishNews, ou me encontrar (até o fim de agosto, no Brasil) para trocar umas ideias.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Tags: portugal
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Nosso colunista Julio Silveira esteve no Festival de Literatura-Mundo na ilha do Sal, em Cabo Verde. De volta ao Brasil, ele conta o que viu por lá.
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Nesta Audioteca Paraty, você ouve a mesa 'Faces do sexual', que falou sobre o livro de mesmo nome e reuniu o seu autor, Rafael Kalaf Cossi, e os psicanalistas Vera Iaconelli e Christian Dunker
À frente da Perspectiva, desde a morte do seu companheiro de 60 anos, Gita Guinsburg fala dos seus planos para uma das mais tradicionais e respeitadas editoras brasileiras
Em sua coluna, Pedro Almeida conta o resultado de uma pesquisa que fez para entender por que razões o Brasil nunca ganhou um Prêmio Nobel de Literatura
O episódio desta terça traz a íntegra da conversa que Talita Facchini teve com Lucília Garcez, autora do livro 'Outono', publicado pela Outubro Edições
Pais leitores têm filhos leitores.
Pedro Herz
Dono da Livraria Cultura
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar