Publicidade
Publicidade
​Suécia: o país da diferença de gêneros
PublishNews, Carlo Carrenho, 27/03/2019
No país da obsessão pela igualdade entre homens e mulheres, os gêneros literários se comportam de forma diferente em relação aos novos suportes do livro

O estande da gigante Bonnier Books na Feira do Livro de Gotemburgo em 2018 | © Lima Andruška
O estande da gigante Bonnier Books na Feira do Livro de Gotemburgo em 2018 | © Lima Andruška
Desde que me mudei para a Suécia, tenho me dedicado a conhecer e aprender mais sobre o mercado sueco de livros, o que inclui ler as pesquisas divulgadas e escrever artigos sobre elas. Esta semana publiquei uma longa análise do Förlagsstatistiken 2018, um relatório anual organizado pela Associação Sueca de Editoras (Svenska Förläggareföreningen – SvF). O relatório, aliás, seria o equivalente sueco da pesquisa da Fipe, conduzida sempre de forma magistral pela economista Mariana Bueno. Mas o que me surpreendeu ao analisar o relatório nórdico foi descobrir que a Suécia está longe de ser o paraíso da igualdade de gêneros, pelo menos no que tange ao mercado editorial.

Não valeria a pena traduzir todo o estudo, já que há detalhes ali pouco interessantes para o mercado brasileiro, mas o tema dos gêneros merece ser compartilhado. A pesquisa sueca, que é focada apenas no faturamento de livros de interesse geral das editoras afiliadas à SvF, classifica as vendas por gênero e isto traz revelações muito interessantes que resumo aqui, com a ajuda de alguns gráficos. Primeiro, é importante entender como os canais de vendas vem se comportando ao longo dos últimos anos para contextualizarmos os termos abordados aqui. Veja o gráfico abaixo:

É notória no gráfico acima a queda da participação das livrarias físicas, dos distribuidores e dos clubes do livro, enquanto cresce o share das lojas virtuais e dos varejistas digitais (estes seriam basicamente as plataformas de audiolivros e assinaturas). A título de explicação, até 2014 os varejistas digitais eram incluído na categoria de “Outros varejistas”, por isso a linha pontilhada. (Acesse meu artigo De Olho na Suécia (e na Storytel) para saber mais sobre o crescimento do formato áudio no país de Stieg Larsson).

Obviamente, as tendências de crescimento e queda dos canais estão diretamente relacionadas às mudanças de suporte pelas quais os livros têm passado. Neste sentido, o gráfico a seguir é bastante interessante:

Como se observa, são explícitos o crescimento da participação dos audiolivros e a queda do share dos livros físicos a partir de 2015. Isto não significa necessariamente que se venda menos livros impressos. Afinal, estamos falando de participações percentuais, ou shares, aqui, e é possível que o crescimento gerado pelo surgimento do formato áudio seja grande o suficiente para compensar possíveis canibalizações. Mas isto é tema para uma outra coluna. Por ora, é mais interessante mostrar aqui como estas tendências dependem do gênero em questão. Ficção, não ficção e infantojuvenil comportam-se de maneiras bem diferentes no que se refere ao crescimento e queda dos diferentes suportes do livro. Vejamos os gráficos de ficção e não ficção abaixo:

Nestes gráficos, fica muito claro que enquanto o crescimento da participação dos audiolivros na receita de ficção é bastante acentuado na Suécia, o mesmo não acontece em não ficção que, surpreendentemente, parece não afetada pela questão, pelo menos até agora – é sempre possível que este gênero passe por um efeito retardado, não podemos esquecer. Já o infantojuvenil encontra-se entre os dois extremos e o gráfico pode ser observado no artigo original.

Utilizando agora apenas os dados de 2018, temos mais um gráfico onde a diferença de gêneros fica explícita:

Como o gráfico mostra, enquanto cerca de 92% das receitas de não ficção dos editores suecos são provenientes da comercialização de livros físicos, o mesmo não ocorre em ficção, onde os audiolivros digitais já são 36% e os livros físicos respondem por “apenas” 57% das vendas.

Um outro gráfico no artigo original mostra que as vendas de livros digitais em 2018 se distribuíram da seguinte forma: 73,4% eram livros de ficção, 14,4% eram títulos infanto-juvenis e apenas 12,2% eram obras de não ficção, enquanto os gêneros se mostraram mais balanceados nas vendas de livros impressos.

Conclui-se, portanto, que enquanto a Suécia é o paraíso da igualdade de gêneros no que se refere à equiparação entre homens e mulheres – “Aqui na Suécia não tem esta história de coisa de menino e menina”, brada meu filho Lorenzo do alto dos seus nove anos e de suas botas lilás –, o mesmo não ocorre entre os gêneros literários. Neste último caso, o gênero faz toda diferença e recebe tratamento diferenciado no mercado sueco de livros. Menos mal, não é?

Resta saber se isto é uma peculiaridade do país de Bergman e de Ibrahimovic ou se vale também para outros mercados.

Carlo Carrenho é o fundador do PublishNews no Brasil e co-fundador do PublishNews na Espanha. Formado em Economia pela FEA-USP, especializou-se em Edição de Livros e Revistas no Radcliffe Publishing Course, em Cambridge (EUA). Atualmente trabalha na área de desenvolvimento internacional de novos negócios para a Word Audio Publishing International na Suécia e é advisor da Meta Brasil e da BR75 no Brasil. Como especialista no mercado de livros, já foi convidado para dar palestras e participar de mesas em países como EUA, Alemanha, China, África do Sul, Inglaterra e Emirados Árabes, entre outros. É co-curador da conferência profissional Feira do Livro de Tessalônica.

Carlo é paulista, morou no Rio, e atualmente vive em Estocolmo, na Suécia. É cristão, mas estudou em escola judaica. É brasileiro, mas ama a Escandinávia. Enfim, sua vida tende à contradição. Talvez por isso ele torça para o Flamengo e adore o seriado Blue Bloods.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Carlo Carrenho entrevista três respeitados profissionais de marketing e vendas do mercado de livros no Brasil: Daniela Kfuri, Bruno Zolotar e Gerson Ramos
Em sua coluna, Carlo Carrenho faz uma análise sobre o mercado de audiolivros e tenta responder a essa pergunta que é uma das grandes questões do momento
Carlo Carrenho seleciona o melhor da programação da maior feira de livros do mundo
Carlo Carrenho traz números e tendências do audiolivro no Reino Unido e na França
Carlo Carrenho descobriu como editores brasileiros podem disponibilizar seus livros em Portugal
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Mariana Rolier é a convidada do PublishNews Entrevista, programa que quer formar um arquivo da memória editorial brasileira
Podcast do PublishNews conversou com os responsáveis pela Feira do Livro da Unesp, do Flipoços, do Fliaraxá e da Flip para saber os impactos da pandemia do novo coronavírus nestes eventos
Conselho curador do Prêmio Jabuti traduz texto publicado pelo London Writers Awards em que críticos literários explicam as diferenças entre as duas categorias
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
O PublishNews Entrevista desta semana recebeu Fabio Uehara, o designer de livros, apresentador de podcasts, videomaker e consultor de negócios
Monteiro Lobato ouvia seu leitor, era um empresário do livro
Marisa Lajolo
Escritora brasileira vencedora do Jabuti melhor livro não-ficção
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar