Publicidade
Publicidade
​Suécia: o país da diferença de gêneros
PublishNews, Carlo Carrenho, 27/03/2019
No país da obsessão pela igualdade entre homens e mulheres, os gêneros literários se comportam de forma diferente em relação aos novos suportes do livro

O estande da gigante Bonnier Books na Feira do Livro de Gotemburgo em 2018 | © Lima Andruška
O estande da gigante Bonnier Books na Feira do Livro de Gotemburgo em 2018 | © Lima Andruška
Desde que me mudei para a Suécia, tenho me dedicado a conhecer e aprender mais sobre o mercado sueco de livros, o que inclui ler as pesquisas divulgadas e escrever artigos sobre elas. Esta semana publiquei uma longa análise do Förlagsstatistiken 2018, um relatório anual organizado pela Associação Sueca de Editoras (Svenska Förläggareföreningen – SvF). O relatório, aliás, seria o equivalente sueco da pesquisa da Fipe, conduzida sempre de forma magistral pela economista Mariana Bueno. Mas o que me surpreendeu ao analisar o relatório nórdico foi descobrir que a Suécia está longe de ser o paraíso da igualdade de gêneros, pelo menos no que tange ao mercado editorial.

Não valeria a pena traduzir todo o estudo, já que há detalhes ali pouco interessantes para o mercado brasileiro, mas o tema dos gêneros merece ser compartilhado. A pesquisa sueca, que é focada apenas no faturamento de livros de interesse geral das editoras afiliadas à SvF, classifica as vendas por gênero e isto traz revelações muito interessantes que resumo aqui, com a ajuda de alguns gráficos. Primeiro, é importante entender como os canais de vendas vem se comportando ao longo dos últimos anos para contextualizarmos os termos abordados aqui. Veja o gráfico abaixo:

É notória no gráfico acima a queda da participação das livrarias físicas, dos distribuidores e dos clubes do livro, enquanto cresce o share das lojas virtuais e dos varejistas digitais (estes seriam basicamente as plataformas de audiolivros e assinaturas). A título de explicação, até 2014 os varejistas digitais eram incluído na categoria de “Outros varejistas”, por isso a linha pontilhada. (Acesse meu artigo De Olho na Suécia (e na Storytel) para saber mais sobre o crescimento do formato áudio no país de Stieg Larsson).

Obviamente, as tendências de crescimento e queda dos canais estão diretamente relacionadas às mudanças de suporte pelas quais os livros têm passado. Neste sentido, o gráfico a seguir é bastante interessante:

Como se observa, são explícitos o crescimento da participação dos audiolivros e a queda do share dos livros físicos a partir de 2015. Isto não significa necessariamente que se venda menos livros impressos. Afinal, estamos falando de participações percentuais, ou shares, aqui, e é possível que o crescimento gerado pelo surgimento do formato áudio seja grande o suficiente para compensar possíveis canibalizações. Mas isto é tema para uma outra coluna. Por ora, é mais interessante mostrar aqui como estas tendências dependem do gênero em questão. Ficção, não ficção e infantojuvenil comportam-se de maneiras bem diferentes no que se refere ao crescimento e queda dos diferentes suportes do livro. Vejamos os gráficos de ficção e não ficção abaixo:

Nestes gráficos, fica muito claro que enquanto o crescimento da participação dos audiolivros na receita de ficção é bastante acentuado na Suécia, o mesmo não acontece em não ficção que, surpreendentemente, parece não afetada pela questão, pelo menos até agora – é sempre possível que este gênero passe por um efeito retardado, não podemos esquecer. Já o infantojuvenil encontra-se entre os dois extremos e o gráfico pode ser observado no artigo original.

Utilizando agora apenas os dados de 2018, temos mais um gráfico onde a diferença de gêneros fica explícita:

Como o gráfico mostra, enquanto cerca de 92% das receitas de não ficção dos editores suecos são provenientes da comercialização de livros físicos, o mesmo não ocorre em ficção, onde os audiolivros digitais já são 36% e os livros físicos respondem por “apenas” 57% das vendas.

Um outro gráfico no artigo original mostra que as vendas de livros digitais em 2018 se distribuíram da seguinte forma: 73,4% eram livros de ficção, 14,4% eram títulos infanto-juvenis e apenas 12,2% eram obras de não ficção, enquanto os gêneros se mostraram mais balanceados nas vendas de livros impressos.

Conclui-se, portanto, que enquanto a Suécia é o paraíso da igualdade de gêneros no que se refere à equiparação entre homens e mulheres – “Aqui na Suécia não tem esta história de coisa de menino e menina”, brada meu filho Lorenzo do alto dos seus nove anos e de suas botas lilás –, o mesmo não ocorre entre os gêneros literários. Neste último caso, o gênero faz toda diferença e recebe tratamento diferenciado no mercado sueco de livros. Menos mal, não é?

Resta saber se isto é uma peculiaridade do país de Bergman e de Ibrahimovic ou se vale também para outros mercados.

Carlo Carrenho é o fundador do PublishNews. Formado em Economia pela FEA-USP, especializou-se em Edição de Livros e Revistas no Radcliffe Publishing Course, em Cambridge (EUA). Atualmente é advisor da Ubook, Meta Brasil e da BR75. Como especialista no mercado de livros, já foi convidado para dar palestras e participar de mesas em países como EUA, Alemanha, China, África do Sul, Inglaterra e Emirados Árabes, entre outros.

É co-coordenador do curso MBA Book Publishing, da Casa Educação em São Paulo, depois de coordenar por diversos anos o curso de pós-graduação da FGV-RJ sobre o negócio do livro. Sempre atento aos novos modelos de negócio e às mudanças tecnológicas, Carlo possui um de seus focos na questão dos livros digitais e segue com afinco o que acontece no setor digital no Brasil, tanto que é autor do capítulo brasileiro do livro Global eBook: a report on market trends and developments.

Carlo é paulista, morou no Rio, e atualmente vive em Estocolmo. É cristão, mas estudou em escola judaica. É brasileiro, mas ama a Suécia. Enfim, sua vida tende à contradição. Talvez por isso ele torça para o Flamengo e adore o seriado Blue Bloods.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Carlo Carrenho faz uma análise sobre o mercado de audiolivros e tenta responder a essa pergunta que é uma das grandes questões do momento
Carlo Carrenho seleciona o melhor da programação da maior feira de livros do mundo
Carlo Carrenho traz números e tendências do audiolivro no Reino Unido e na França
Carlo Carrenho descobriu como editores brasileiros podem disponibilizar seus livros em Portugal
Carlo Carrenho analisa os números do mercado sueco e o crescimento das plataformas de assinatura no país nórdico
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
O livreiro Bernardo Gurbanov está nas lentes da PublishNewsTV dessa semana. Na conversa com André Argolo, ele faz reflexões sobre a sua profissão, de paixões, de totalitarismo e de literatura.
A ganhadora do Prêmio Especial do Jovens Talentos deu uma merecida esticada na sua viagem, voltou e foi correndo pro nosso estúdio!
Recentemente, a escritora Luisa Geisler foi desconvidada de uma feira no interior gaúcho sob a alegação de que o seu novo livro contém 'linguagem inadequada'. Em sua coluna, Pedro Almeida faz reflexões sobre o caso.
A PublishNewsTV dessa semana entrevistou Eduardo Lacerda, publisher da Patuá
Ser filósofo não significa escrever, significa viver.
Felix Timmermans
Escritor belga
(1886-1947)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar