Publicidade
Publicidade
Da utopia caímos na distopia
PublishNews, Julio Silveira, 10/10/2017
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?

Marshall McLuhan profetizou que a internet, dando voz a todo mundo e gerando uma multiplicidade de perspectivas iria desmoralizar a “propaganda” (sentido inglês) política: com fácil acesso à comunicação (e à expressão), cairiam por terra as máscaras fascistas. Da utopia caímos na distopia. Hoje parece que a tal multiplicidade se reduziu a duas “fasces” — que ficam dando golpes de mentira uns nos outros. E como ficamos nós editores, que temos como material de trabalho as ideias e a informação?

Ao mesmo tempo, nunca a disseminação das ideias foi tão eficiente: um mero post tem o poder de inflamar milhões de debatedores. Se as ideias correm, já a informação empaca: mais importam as opiniões que os fatos; a força que a consistência. Diante da avalanche de “respostas” (e de sua “qualidade”), como ficam aqueles que trabalham com informação e a troca de ideias? Desistem? Proponho aqui o contrário: que aprendamos com a “burrice” e que se empreguemos melhor sua energia. Aprendamos com paradoxos.

Eis um exemplo: com o caso do Queermuseu incomodando milhões na rede, a arte voltou a ser transgressora — capacidade que vem perdendo desde os urinóis de Duchamp — e, portanto, relevante. Multidões que nunca foram a museus agora não só sabem de sua existência como discutem (pontificam e vociferam) sobre o que é arte. Cinismo à parte, quando se pensa no negócio dos editores (o da circulação de ideias), o que verificamos é um enorme aumento do público consumidor (potencial) e uma divulgação poderosa e (em mais de um sentido) gratuita. Antes de me maldizer, pense em quantas pessoas saberiam da tal exposição sem a “ajuda” dos Savonarolas da web?

Não estou dizendo que os autos-da-fé da internet sejam mera estratégia de marketing. Estou dizendo que precisamos entender os mecanismos que os tornam tão virais (ou viróticos) para — quem sabe — empregá-los para fins diametralmente opostos, os construtivos.

“Não existe má publicidade”, já dizia o dono do circo. Mesmo o que postamos voluntariamente para humilhar “o outro lado” quase sempre sai pela culatra, dando exposição ao que deveríamos esconder, relevância ao que deveria ser ignorado. Há quem desconfie que tudo é deliberado e que postar algo vexaminoso seja apenas uma calculada estratégia de marketing. Quem saberia, por exemplo, quem é o rapper B. o. B. se ele não defendesse que a Terra é plana? Do mesmo modo, quantas pessoas não ficaram sabendo de “certas figuras políticas” somente porque outras pessoas, com as “melhores intenções”, as denunciaram ou ridicularizaram… e assim trabalharam para sua divulgação? “Pior do que falarem mal de você é não falarem mal de você”… será mesmo? (Quem disse isso, aliás, acabou pelo pudico império britânico).

Escritores e músicos (estabelecidos e do establishment) organizaram um contra-ataque aos detratores on-line. Suas ideias são melhores (ou ao menos mais elegantes), mas eles já começam perdendo, na escolha das armas. Discursos e argumentos nada podem diante de memes toscos. Não adianta gostar da política como em mil novecentos e sessenta e seis se hoje dançamos nos fanatic fake news days.

A maioria dos editores está na mesma situação destes escritores e músicos: têm a informação, a reflexão e acesso aos meios de comunicação tradicionais. Porém não têm a força imediata, estabanada e irreprimível do novo meio, a rede. A relação dos editores com a internet começou com soberba desconfiança e descambou para o desespero subserviente, haja vista a lista de bestsellers coalhada de autores que já faziam enorme sucesso on-line, antes de escreverem uma linha.

Editores podem voltar a ser importantes e reassumir seu mais-que-nunca-nunca necessário papel curatorial (o de pinçar e aprimorar, na barafunda catártica da web, o que tiver potencial) quando conseguirmos compor o aparentemente inconciliável e soubermos publicar, com a virulência dos escândalos, o que tiver de fato informação e reflexão originais; quando superarmos fake news com new takes: novas formas de engajar e agarrar os leitores; quando dermos ao público, de forma fácil e inteligente, o que eles conseguem de forma fácil e burra na internet: uma voz e um canal.

E quem sabe então será cumprida a profecia de McLuhan:

O público, no sentido de um grande consenso de pontos de vista distintos e diferentes, acabou. Hoje o público (sucessor da “plateia de massa”) pode ser uma força criativa e participante. […] Uma nova forma de “política” está emergindo, uma forma que ainda não nos demos conta.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Nosso colunista Julio Silveira esteve no Festival de Literatura-Mundo na ilha do Sal, em Cabo Verde. De volta ao Brasil, ele conta o que viu por lá.
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A vida, mais do que a leitura, foi fundamental para a minha escrita
Milton Hatoum
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar