Publicidade
Publicidade
Festivais literários servem mesmo para quê(m)?
PublishNews, Julio Silveira, 02/08/2017
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews

Acabo de voltar da Flip e estou cambaleante, como se ainda precisasse me equilibrar pelas pedras do calçamento (e desengonçado pelo álcool). Só que o que me sacoleja agora são as ideias, e isso é novo. Bem, não é exatamente “novo”; é “de novo”. Nos últimos anos já não trazia ideias de lá, andava enfastiado da Flip. As mesmas falas maravilhosas, as mesmas festas catárticas, as mesmas pessoas queridas e os mesmos projetos quixotescos a cada ano, ano após ano. Porém desta vez — a 13ª que lá fui — posso dizer que foi a mais intensa e instigante, além de mais curta (fui no sábado e voltei no domingo).

Há 15 anos a Flip pôs fogo no pavio, misturando festa e literatura. O rastilho correu o país afora acendendo novas feiras. A profusão de eventos — as muitas “FL[+nome da cidade]” — teve consequências igualmente maravilhosas: ampliou e intensificou a troca de ideias ao festejar o livro. Mas trouxe também um problema, pelo menos para os curadores. Como fazer com que seu festival literário, no meio de tantos outros, seja diferente — e faça alguma diferença?

Com todo o amor e respeito aos curadores pregressos da Flip, acho que é consenso que Josélia Aguiar fez diferente e fez diferença. Ao trazer à merecida luz autores e temas negros, em toda sua heterogeneidade, o festival forçou uma discussão que pode tornar a sociedade um pouco menos canalha. Em tempos de dicotomia e “fascibook”, foi redentor ouvir a Diva que saiu da plateia e compartilhou sua história tão brasileiramente doída.

Preciso dizer que a LER Salão Carioca do Livro do ano passado já tinha essa preocupação: mais da metade dos autores que convidamos era, digamos, “não-branca”. Mas lá isso era imperativo: estávamos ao lado do Cais do Valongo. Faço essa ressalva não para puxar-sardinha-para-nossas-brasas, mas para reiterar o que todos sabem (ou deveriam saber): as festas literárias têm que servir ao lugar que lhes abriga. Têm que (tentar) transformar o entorno e enriquecer (ao menos culturalmente) a comunidade, o cidadão. Colaborei com alguns festivais onde isso foi relativamente fácil, porque eu dispunha uma imensa base histórica e cultural e de uma comunidade a ativar: Olinda, Morro da Conceição e Lapa.

Fazer a curadoria do Salão Carioca do Livro em pleno Porto do Rio também foi uma felicidade / facilidade: estava justamente no local onde as ideias desembarcaram e catalizaram a cultura carioca-brasileira (a Pedra do Sal e a Providência de Machado de Assis sendo dois exemplos das redondezas). E, ao contrário do outro porto, o de Paraty, a importância histórica e cultural do Porto do Rio não estava na paisagem, por muitos anos sepultada por aterros e viadutos para só agora reaparecer como ponto focal da cidade.

Outra “serventia” dos festivais literários é a de co-memorar (“lembrar juntos”) e de celebrar (“juntar gente”) e nisso a Flip 2017 também foi diferente, e melhor. A começar pela Festa do Policarpo, na praia, e a transposição do samba da Folha Seca para oitão da Matriz: festas sem paredes, sem barrados. E assim também nos espaços do Sesc e nas tantas casas — Libre Nuvem de Livros, Paratodos, Santa Rita da Cássia, Folha e PublishNews — que abrigaram e fomentaram as conversas.

Da mesa que reuniu curadores de eventos literários na Casa PublishNews, saiu a ideia de formar uma 'federação de eventos literários' com o objetivo de maximizar a força dos festivais | © Julio Vilela
Da mesa que reuniu curadores de eventos literários na Casa PublishNews, saiu a ideia de formar uma 'federação de eventos literários' com o objetivo de maximizar a força dos festivais | © Julio Vilela

Essa foi ainda a Flip que trocou a verba pelo rebolado, buscando soluções (como a Igreja) que mitigassem os cortes do patrocínio. Se os orçamentos minguantes são um problema para todos os festivais literários, talvez uma solução esteja em pensar em conjunto. A ideia de uma “federação de festivais” — um fórum onde produtores, curadores, editoras e secretarias de cultura poderiam coordenar datas e temas e otimizar custos (por exemplo, repartindo o transporte de autores) — foi acalentada em encontro na Casa PublishNews. A união também se prestaria à convênios com festivais, daqui e do exterior, articulando com instâncias do governo e fundações para o intercâmbio de escritores e editoras. Um dos possíveis “confederados”, José Luis Tahan (da Tarrafa Literária de Santos) assim definiu:

O papel dos eventos literários é este. Olhar sempre para o leitor, sem tirar os olhos de nós mesmos, os profissionais do livro. […] Uma missão que exige tanto esforço quanto a diversão de ler um livro, no caso de Paraty, onde as ruas de pedras redondas polidas pelo tempo nos obrigam a caminhar com os olhos voltados para o chão.

Sigo então assim: um olho nas pedras do caminho; outro nos encontros do futuro, atrás de compor um LER Salão Carioca do Livro 2017 reverente e transformador. Que seja sim mais um festival literário mas que faça diferença àqueles a quem, em última instância, os festivais literários servem: o leitor.

(Sugestões serão bem vindas por aqui.)

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Tags: Flip 2017
Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Nosso colunista Julio Silveira esteve no Festival de Literatura-Mundo na ilha do Sal, em Cabo Verde. De volta ao Brasil, ele conta o que viu por lá.
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Quando vejo algo que me espanta, escrevo até num guardanapo. Tem de haver uma urgência naquilo.
Mia Couto
Escritor moçambicano
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar