Publicidade
Publicidade
É hora de salvar as Bibliotecas Parque do Rio de Janeiro
PublishNews, Carlo Carrenho, 2/12/2016
Com custo mensal de R$ 1,75 milhão e padrão de atendimento escandinavo, as melhores bibliotecas do Rio estão ameaçadas de extinção e precisam do seu apoio e da iniciativa privada

Contação de histórias na Biblioteca Parque do Centro do Rio | © Lima Andruška
Contação de histórias na Biblioteca Parque do Centro do Rio | © Lima Andruška

No último dia 19/10, estive pela primeira vez em uma Biblioteca Parque, no caso a unidade do centro do Rio. Faço aqui um mea culpa, pois já deveria ter visitado o espaço muito antes. Meus filhos com sotaque carioca, no entanto, já foram várias vezes, algumas com a mãe e muitas com a escola. Era um sábado e fui assistir ao espetáculo Parada Shakespeare, da Cia iLtda, junto com a Tarsila e o Lorenzo, e seus esses e erres puxados.

A biblioteca estava cheia e com muitas atividades. Fui atendido logo de cara por uma recepcionista que, atenciosamente, me indicou o caminho para o teatro. Andei até o local observando jovens que ocupavam todos os espaços da biblioteca. Como chegamos cedo, pudemos participar de uma contação de histórias. Honestamente, uma das melhores que já vi, com direito a tradução para surdos. Mais importante: Tatá e Lolô adoraram... “Iraaado, papai!”

O teatro era ótimo. A lojinha era linda. Tudo organizado e de alta qualidade. A internet, gratuita, era mais rápida que a da minha casa. Me lembrou as bibliotecas suecas que frequentei quando morei em Estocolmo.

Tarsila e Lorenzo brincando com uma cadeira de rodas em uma exposição lúdica na Biblioteca Parque do centro do Rio | © Lima Andruška
Tarsila e Lorenzo brincando com uma cadeira de rodas em uma exposição lúdica na Biblioteca Parque do centro do Rio | © Lima Andruška
Mas parece que o sonho acabou. Drömmen är över, diriam os suecos. "Deu ruim, papai", diriam Tarsila e Lorenzo. Afinal, as quatro unidades das Bibiotecas Parque – Estadual (Centro), Niterói, Rocinha e Manguinhos ­– passaram a funcionar em horário reduzido desde ontem (1º). Mais grave, os funcionários das mesmas, contratados pelo Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG), a organização social que administra a rede, já estão todos de aviso prévio. Embora as bibliotecas sejam estaduais, com o colapso do Estado do Rio de Janeiro, as prefeituras do Rio e Niterói haviam assumido os custos das unidades. No entanto, os apoios municipais não estão garantidos para 2017, e não precisa ser nenhum gênio para se concluir que, se os funcionários estão em processo de demissão, a possibilidade de os novos prefeitos Marcelo Crivella, do Rio, e Rodrigo Neves, de Niterói, manterem a verba é remota na avaliação do IDG.

As três Bibliotecas Parque cariocas custam R$ 1,5 milhão por mês e a unidade de Niterói outros R$ 250 mil. Não é pouco dinheiro, mas também não é um valor impeditivo. Mas temos de ser realistas: o Estado do Rio está quebrado, o novo prefeito do Rio não parece ter o mínimo de interesse em cultura e, em Niterói, a história pode não ser diferente.

Mas vamos ficar assim? Vamos deixar o sonho acabar? Aceitar o “Deu ruim”? Tenho certeza que o IDG e os diretores das bibliotecas estão tentando de tudo para manter os projetos, mas cabe à sociedade se mobilizar também. Estou falando de se manifestar, protestar, mas mais ainda de tentar achar uma solução. Já coloco o PublishNews à disposição para ajudar em qualquer iniciativa para salvar as bibliotecas, seja como canal de comunicação ou facilitador de contatos com o mercado editorial. Eu também, como pessoa física, teria todo interesse em ser um “sócio-apoiador” da iniciativa ou coisa que o valha.

A verdade é que R$ 1,75 milhão por mês é até bem pouco para a iniciativa privada e para grandes empresas. Será que uma ou algumas delas não poderiam bancar o projeto? E quer uma prova de que o valor é baixo? A Odebrecht, que pede hoje desculpas a todos nos jornais por seus atos de corrupção, vai pagar R$ 6,7 bi por esse “perdão”, conforme seu acordo de leniência. Este valor poderia manter as Bibliotecas Parque abertas no Rio de Janeiro por nada mais que 319 anos.

Vamos salvar as Bibliotecas Parque do Rio? “Partiu, papai, demorô!”, diriam Tatá e Lolô.

Estação Shakespeare, espetáculo gratuito da Cia iLtda e parte do 4º Festival Internacional de Circo, foi encenado em novembro no teatro da Biblioteca Parque do centro do Rio | © Lima Andruška
Estação Shakespeare, espetáculo gratuito da Cia iLtda e parte do 4º Festival Internacional de Circo, foi encenado em novembro no teatro da Biblioteca Parque do centro do Rio | © Lima Andruška

Carlo Carrenho é o fundador do PublishNews no Brasil e co-fundador do PublishNews na Espanha. Formado em Economia pela FEA-USP, especializou-se em Edição de Livros e Revistas no Radcliffe Publishing Course, em Cambridge (EUA). Atualmente trabalha na área de desenvolvimento internacional de novos negócios para a Word Audio Publishing International na Suécia e é advisor da Meta Brasil e da BR75 no Brasil. Como especialista no mercado de livros, já foi convidado para dar palestras e participar de mesas em países como EUA, Alemanha, China, África do Sul, Inglaterra e Emirados Árabes, entre outros. É co-curador da conferência profissional Feira do Livro de Tessalônica.

Carlo é paulista, morou no Rio, e atualmente vive em Estocolmo, na Suécia. É cristão, mas estudou em escola judaica. É brasileiro, mas ama a Escandinávia. Enfim, sua vida tende à contradição. Talvez por isso ele torça para o Flamengo e adore o seriado Blue Bloods.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Carlo Carrenho entrevista três respeitados profissionais de marketing e vendas do mercado de livros no Brasil: Daniela Kfuri, Bruno Zolotar e Gerson Ramos
Em sua coluna, Carlo Carrenho faz uma análise sobre o mercado de audiolivros e tenta responder a essa pergunta que é uma das grandes questões do momento
Carlo Carrenho seleciona o melhor da programação da maior feira de livros do mundo
Carlo Carrenho analisa a relação entre gênero e suporte nas vendas dos editores suecos
Carlo Carrenho traz números e tendências do audiolivro no Reino Unido e na França
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Podcast do PublishNews conversou com os responsáveis pela Feira do Livro da Unesp, do Flipoços, do Fliaraxá e da Flip para saber os impactos da pandemia do novo coronavírus nestes eventos
Conselho curador do Prêmio Jabuti traduz texto publicado pelo London Writers Awards em que críticos literários explicam as diferenças entre as duas categorias
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
O PublishNews Entrevista desta semana recebeu Fabio Uehara, o designer de livros, apresentador de podcasts, videomaker e consultor de negócios
Curador do Prêmio Jabuti esclarece, em sua coluna no PublishNews, as principais dúvidas sobre a nova categoria da premiação
Literatura não é qualquer coisa.
João Silvério Trevisan
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar