Publicidade
Publicidade
Lei nova na França: contrato de edição
PublishNews, 12/12/2014
A legislação francesa sobre o contrato de edição literária acaba de ser alterada substancialmente.

A legislação francesa sobre o contrato de edição literária – que faz parte do Código de Propriedade Intelectual da França - acaba de ser alterada substancialmente. O referido Código, no seu art. 132-1 e seguintes, foi alterado para incluir ou alterar várias situações como (a) direito de preferência da editora para a edição de novas obras do autor, (b) tipos de remuneração pela edição de livros, (c) necessidade de ciência do autor quanto a transferência de controle da editora para terceiros, (d) contrato de edição de livro digital (lá chamado de livre numérique, pois “digital” na língua francesa é termo relativo a dedo) deve constituir uma parte separada do contrato de edição, em relação ao livro impresso, (e) autonomia dessas duas partes do contrato, e (f) modo de prestação de contas.

Foi baixado um decreto (Ordonnance n° 2014-1348 du 12 novembre 2014) assinado pelo presidente François Hollande, primeiro ministro Manuel Valls e a ministra da Cultura e Comunicação, a jovem Fleur Pellerin, contendo as modificações do Código, e elaborado relatório sobre o assunto. Essa discussão já vinha de 2012, e estava prevista uma nova rodada sobre o tema entre o Conselho Permanente de Escritores – CPE e o Sindicato Nacional da Edição, o SNE, obviamente ambos daquele país.

O ponto de destaque é a obrigatória separação, no mesmo contrato, das disposições sobre livro impresso e sobre livro digital, cada com as suas especificidades, além da revisão de contrato pela alteração de condições econômicas. As demais inovações foram referidas brevemente no início deste pequeno artigo informativo.

Dada a complexidade da matéria discutirei alguns pontos nas próximas semanas, mas desde logo vale a pena mencionar que foi elaborado um novo modelo de contrato de edição, comentado, tendo como autor o Conselho Permanente de Escritores (Conseil Permanent des Écrivains - CPE) e preconizado pela sociedade inspiradora da nossa Academia Brasileira de Letras, a Société des Gens de Lettres (SGDL)

Esse contrato padrão foi elaborado no âmbito das alterações do CPI francês, pelas duas instituições acima e contém explicações relevantes sobre a aplicação prática da nova lei.

Leia o Contrato modelo, compare com o seu e veja o quanto há que se discutir e fazer, tanto em termos de lei, quanto em termos de práticas contratuais e de mercado.

Nesse ponto lembro as palavras de Marcos Pereira, que assumiu esta semana a presidência do SNEL, erguendo como uma das bandeiras o maior diálogo entre o setor editorial como um todo. Medida salutar que começa a acontecer na Europa e deve florescer no Brasil.

Creio que a notícia sobre as inovações francesas serve, também, para os brasileiros que forem ao Salão do Livro de Paris, que esse ano homenageia o Brasil, para ficarem alertas a essas novas mudanças e não estranharem eventuais inovações nos contratos de edição porventura lá firmados. Volto ao assunto em breve.

E temos ainda a revisão da nossa lei de direito autoral, que pode colher subsídios para uma adequada regulamentação do setor no país, levando em conta, também, as recentes inovações tecnológicas.

Gustavo Martins de Almeida é carioca, advogado e professor. Tem mestrado em Direito pela UGF. Atua na área cível e de direito autoral. É também advogado do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e conselheiro do MAM-RIO. Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida aborda os reflexos jurídicos das novas formas e hábitos de transmissão de informações e de conhecimento. De forma coloquial, pretende esclarecer o mercado editorial acerca dos direitos que o afetam e expor a repercussão decorrente das sucessivas e relevantes inovações tecnológicas e de comportamento. Seu e-mail é gmapublish@gmail.com.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Em sua coluna, Gustavo Martins explica a Lei Geral de Proteção de Dados, que entra em vigor nos próximos dias
Gustavo Martins de Almeida ficou curioso e foi atrás dos porquês de os pontos de ? e de ! indicarem interrogação e exclamação respectivamente! Por que?
Gustavo Martins de Almeida acompanhou todo o desenrolar (até agora) do caso de Mary Trump, sobrinha do presidente Donald Trump, cujo livro teve a circulação proibida (e depois liberada) nos EUA
Em seu artigo, Gustavo Martins de Almeida fala sobre a autorização de uso de obras encontradas na internet
Em artigo, Gustavo Martins faz um estudo sobre a poesia 'Rosa de Hiroxima' publicada em 1946 por Vinicius de Moraes, entremeando com análise jurídica sobre a poesia que se torna composição musical
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Em sua coluna, Julio Silveira fala sobre sua experiência na Feira do Livro de Lisboa que aconteceu mesmo com a pandemia do novo coronavírus
Podcast do PublishNews conversou com Juliana Borges, da Banca HG, e João Varella, da Livraria Gráfica, novos espaços para os livros na capital paulista
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Waldir da Silveira, diretor do Banco de Livros do Rio Grande do Sul, está no PublishNews Entrevista dessa semana
Podcast do PublishNews reuniu alguns clubes de assinaturas de livros para fazer um recorte sobre esse modelo de negócio
A vida, mais do que a leitura, foi fundamental para a minha escrita
Milton Hatoum
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar