Publicidade
Publicidade
Livro digital: Uma questão de acesso
Observatório Itaú Cultural, Carlo Carrenho, 31/08/2014
Artigo publicado originalmente na revista Observatório Itaú Cultural, ed. 17, agosto/2014.

O mercado editorial brasileiro terminou 2013 com cerca de 2,5% do total de livros vendidos em formato digital. No caso, essa estatística refere-se aos livros de interesse geral, ou seja, os livros comuns que encontramos nas livrarias, sem considerar títulos didáticos, técnicos, infantis e universitários. Em números absolutos, foram vendidos 2,5 milhões de e-books no Brasil em 2013. Para muitos, ainda se trata de números baixos, mas não são. Se considerarmos que as grandes lojas internacionais de livros digitais - Amazon, Apple, Google e Kobo - chegaram ao Brasil apenas no segundo semestre de 2012, então 2013 foi o primeiro ano digital no Brasil.

Nesse caso, comparando com os EUA, onde a brincadeira começou de verdade com o lançamento do Kindle pela Amazon em outubro de 2007, o cenário brasileiro é bastante promissor. Nos EUA, segundo a Associação de Editoras Americanas (Association of American Publishers), os livros digitais responderam por 1,19% das vendas de livros de interesse geral em 2008, no ano subsequente à entrada da Amazon nesse mercado, e a 3,31% no ano seguinte. Ou seja, 2,5% no primeiro ano está longe de ser um número baixo - o mercado brasileiro realmente entrou na era digital.

Essa era digital é vista por muitos como o fim do livro físico. Nas discussões entre editores, livreiros, escritores e leitores surgiu um maniqueísmo maléfico e desnecessário, que prega que ou o livro físico vai acabar com a chegada do digital, ou que o digital nunca vai acontecer e o livro físico reinará sozinho para sempre. Antes a realidade fosse assim tão simples.

É mais do que provável que convivamos anos ou décadas com os dois formatos. Sem dúvida, o crescimento exponencial nos mercados anglófonos levou muitos a , inocentemente, preverem o cataclisma dos livros de papel. No entanto, agora, sete anos depois, o crescimento perde força e parece se estagnar antes de alcançar 40% de participação em tais mercados. Ainda assim, não podemos ignorar a força e a presença do livro digital. Afinal um formato responsável por mais 30% do faturamento das editoras possui um grande efeito de ruptura.

De qualquer forma, os amantes dos livros - que não correspondem necessariamente aos amantes da leitura - podem ficar tranquilos: o livro em papel perdurará por muitos anos. Já os amantes da leitura que não amam necessariamente os livros e, portanto, são leitores digitais em potencial, agora ficarão felizes, com suas malas mais leves e por lerem na cama de noite sem que o parceiro reclame da luz acesa.

De fato, a discussão entre o que é melhor, se o livro digital ou o livro físico, nem é tão importante assim. Afinal a grande revolução que o e-book traz não está na forma de leitura, mas no acesso. De certa maneira, ela é parecida com a invenção da imprensa, que revolucionou a indústria editorial e a literatura, democratizando o acesso aos textos. O advento do livro digital tem um efeito semelhante: seu grande trunfo é a ampliação do acesso à leitura. E tal acesso se amplia em três frentes.

Em primeiro lugar, o livro digital traz o acesso geográfico. Se antes era necessário se locomover até uma livraria ou biblioteca para obter um livro, agora é o livro que vai tranquilamente até o tablet, computador ou e-reader do leitor. E se antes o livro muitas vezes não era encontrado na livraria ou estava emprestado na biblioteca, e o leitor era obrigado a esperar dias ou semanas para por as mãos em seu livro, agora ele é baixado em poucos segundos e a leitura pode começar imediatamente. Em um país continental como o Brasil, com poucas livrarias em com bibliotecas em decomposição, esse acesso geográfico que o livro digital permite é uma verdadeira inclusão de novos leitores.

O segundo tipo de acesso que o livro digital traz é econômico. Embora os editores sempre lembre, com razão, que os custos do livro incluem muito mais que papel e tinta, a verdade é que a impressão, a logística e o transporte abocanham uma enorme fatia do faturamento dos editores. Com o livro digital, tais custos desaparecem ou diminuem muito.

Em um estudo que publiquei em minha coluna, mostro que o livro digital tem condições de custar até 50% mais barato que o físico e, em geral, nas e-book stores brasileiras, as edições digitais já apresentam grandes descontos em relação às edições impressas. Claro que o custo do aparelho de leitura tem de ser considerado na equação. No entanto, o preço de tais aparelhos tende a cair cada vez, especialmente se for aprovada a tão necessária alteração na Lei do Livro, que equipararia os aparelhos exclusivos para a leitura ao livro físico, desonerando-os de impostos. 

Além disso, a população brasileira tem cada vez mais acesso a computadores, smartphones e tablets, e as vendas destes dois últimos tipos de produto tem crescido rapidamente no país. Portanto, aparelhos de leitura, ainda que não sejam aqueles exclusivos para essa atividade, já fazem parte do cotidiano brasileiro e seus custos não anulariam o acesso econômico que o livro digital traz. E é desnecessário mencionar os ganhos sociais, educacionais e de desenvolvimento que livros mais baratos podem trazer ao Brasil.

O terceiro tipo de acesso é pouco lembrado, mas igualmente relevante. Trata-se do acesso para deficientes visuais. Livros digitais permitem a leitura em áudio por um computador. Os primeiros modelos Kindle, da Amazon, traziam esse recurso em inglês e, apesar de umas falhas de inflexão aqui ou ali, apresentavam uma leitura oral de ótima qualidade. Seria interessantes ver essa leitura se desenvolver e se democratizar mais.

Tão importante quanto isso é o fato de qualquer leitor digital ou aplicativo de leitura para celular e tablet permitem o aumento do tamanho da letra, para a felicidade de pessoas com alguma dificuldade visual. O livro digital traz acesso à leitura, portanto, não apenas para pessoas legalmente cegas, mas também para aquelas com dificuldades menores, causadas por deficiências comuns, como miopia, astigmatismo e até a "vista cansada". Sabe aquela história que ler cansa? Pois é, agora não cansa mais, graças ao livro digital.

O ano de 2015 deve ser o ano que os livros digitais se estabelecerão de vez no Brasil. A indústria deve terminar o ano com 6 a 8% dos livros de interesse geral vendidos no país em formato digital. E, com isso, o acesso geográfico, econômico e de deficientes visuais a todos os tipos de literatura só tendem a aumentar.

Carlo Carrenho é o fundador do PublishNews. Formado em Economia pela FEA-USP, especializou-se em Edição de Livros e Revistas no Radcliffe Publishing Course, em Cambridge (EUA). Atualmente é advisor da Ubook, Meta Brasil e da BR75. Como especialista no mercado de livros, já foi convidado para dar palestras e participar de mesas em países como EUA, Alemanha, China, África do Sul, Inglaterra e Emirados Árabes, entre outros.

É co-coordenador do curso MBA Book Publishing, da Casa Educação em São Paulo, depois de coordenar por diversos anos o curso de pós-graduação da FGV-RJ sobre o negócio do livro. Sempre atento aos novos modelos de negócio e às mudanças tecnológicas, Carlo possui um de seus focos na questão dos livros digitais e segue com afinco o que acontece no setor digital no Brasil, tanto que é autor do capítulo brasileiro do livro Global eBook: a report on market trends and developments.

Carlo é paulista, morou no Rio, e atualmente vive em Estocolmo. É cristão, mas estudou em escola judaica. É brasileiro, mas ama a Suécia. Enfim, sua vida tende à contradição. Talvez por isso ele torça para o Flamengo e adore o seriado Blue Bloods.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Carlo Carrenho traz números e tendências do audiolivro no Reino Unido e na França
Carlo Carrenho descobriu como editores brasileiros podem disponibilizar seus livros em Portugal
Carlo Carrenho analisa os números do mercado sueco e o crescimento das plataformas de assinatura no país nórdico
Carlo Carrenho compara a crise do mercado com o dia mais curto do ano na Suécia
Carlo Carrenho estreia no maior evento do livro da Escandinávia e relata o que sentiu
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Carlo Carrenho traz números e tendências do audiolivro no Reino Unido e na França
Toda semana você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Volnei Canônica conta que foi convidado, ao lado de nomes como André Neves, Roger Mello e Marina Colasanti para participar do Salão do Livro Infantil e Juvenil da cidade espanhola de Pontevedra
Na crônica deste mês, Luciana Pinsky brinca com encontro e desencontros
A literatura é o eco e o reflexo da vida.
Francisco de Sanctis
Crítico italiano
(1817-1883)
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar