Publicidade
Publicidade
Depois do boom
PublishNews, 15/05/2014
Em entrevista ao Jornal argentino La Nación, o agente literário Andrew Wylie alertou: ler no Kindle dá câncer.

Ebooks pararam de crescer. É hora de inventar a publicação digital.

“De agora em diante, mais cigarros e menos Amazon!” recomenda o agente literário Andrew Wylie. Ele pontua sua entrevista com alertas: ler no Kindle dá câncer. Não é piada, tampouco tem qualquer fundamento. O hoax é para atingir a Amazon, um golpe com a sutileza que lhe angariou o apelido de “Chacal” no meio literário. Seduzir escritores de outros agentes e extorquir de editoras adiantamentos milionários são dois de seus métodos introduzidos com escândalo no cerimonioso mercado de copyrights.

Sua acrimônia agora está apontada contra a Amazon, que, além de cancerígena, venderia vexames. Segundo ele, e-readers servem só para o “lixo, livros que você não quer mostrar porque te dariam vergonhosa se te pegassem lendo essas besteiras”. Esse rancor não seria nem um caso de “quem desdenha quer comprar”, porque Wylie já pagou para ver. E, ao que parece, perdeu.

Há quatro anos — que equivalem a um século na história da publicação digital — Wylie assumiu uma relação íntima e direta com os e-books. Sem editoras. Partindo para mais uma briga contra o establishment editorial, fundou a Odissey, para publicar a backlist de seus autores (Nabokov, Rushdie, Thompson etc) somente no digital, e exclusivamente na Amazon. Foi em 2010, quando nascia o iPad e vivíamos a corrida do ouro dos e-books, chacoalhando a cadeia do livro. Andrew Wylie criou a Odissey como um investimento ou, mais provável, um blefe para exigir para autores (e agentes) uma margem maior das editoras. E para isso fez um pacto com Mefistóteles, a Amazon. Conseguiu maiores royalties, mas de um volume menor. Mas não voltou com o rabo entre as pernas. Hoje diz que está com um ânimo “extraordinário”.

“A indústria editorial vai bem, vai sobreviver. Por um tempo teve gente que não estava segura, eu inclusive, mas agora estou convencido de que vai sobreviver e que irá bem”.

O Chacal tem números para endossar seu otimismo. No ano passado, a receita de venda de livros de capa dura subiu uns 10%, revertendo um longo declínio. Por outro lado, a receita de e-books subiu menos de 4%, o que, comparando-se com o crescimento esfuziante dos últimos anos, soa como depressão. Há quem fale que os e-books atingiram um platô, e que os livros impresso (os “de verdade”) vão retomar os 30% do mercado perdidos para o digital.

Os dados mostram, no mínimo, um freio de arrumação. Se há um limite para fatia de mercado dos e-books no mercado geral dos livros, talvez seja melhor a publicação digital partir para seu próprio mercado. A ascensão das bibliotecas digitais e de outros canais de disseminação, nos quais o livro eletrônico não é mais tratado como mera mercadoria, mostra um amadurecimento do produto e um casamento melhor entre o que o digital propicia e as demandas dos leitores que não podem ser satisfeitas pelo livro em papel.

É cedo. Deixemos passar mais um século na história da publicação digital e veremos. Daqui a uns cinco anos.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
Quando escolho um personagem não posso ter certeza de tê-lo escolhido certo, o contrário é mera ilusão.
David Toscana
Escritor mexicano
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar