Publicidade
Publicidade
Quando o espectador/leitor/consumidor vira o jogo, não há mais regras
PublishNews, 08/08/2013
Mídia Ninja, Editoras Kamikaze

Na segunda à noite passei pela estranheza de reaprender como se assiste televisão. É que o streaming no Youtube estava soluçando, e eu tinha que acompanhar a entrevista que todos (na timeline, ao menos) estavam discutindo. E o que vi na televisão foi justamente um daqueles sinais de que este veículo (e qualquer outro que imponha o quê e como assistir) já começa a não mais fazer sentido. Era a “Mídia Ninja”, na figura de dois de seus “articuladores”, no “Roda Viva”.

Os entrevistadores eram eméritas figuras da “grande imprensa” e os entrevistados eram um jovem de gestos malabarísticos e outro de semblante cool. Os primeiros entendem que o jornalismo é um processo complexo envolvendo longa formação profissional, delicadas relações institucionais e colossais estruturas corporativas que dão recursos para captar, processar, editar e distribuir a informação para o público. Já os entrevistados estão na rua mostrando o que está acontecendo e conversando com as pessoas. E com isso conseguiram o que a “grande midia” não consegue: deram voz e força a manifestações que cresceram a ponto de acuar governadores dos estados mais ricos da federação.

Na tentativa de entender (ou cooptar) o fenômeno, a bancada tentou encaixar a Midia Ninja nos moldes que conhece: “modelo de negócios”, “partidos”. Mas como é possível alinhar o que é “fora do eixo”? A eventual filiação partidária não é a questão, quando se constata que a Mídia Ninja não está por trás das manifestações. Está nas manifestações. O que há de notável nesse novo “veículo” não é seu posicionamento, mas sim sua posição — todas elas, na rua, nos gabinetes, nas casas, na rede. Agora qualquer celular é um canal de televisão. Qualquer mídia social é uma rede de comunicação. A tecnologia banalizou-se a ponto de permitir que o indivíduo deixe de ser apenas espectador e torne-se também emissor. “Na web, todo cidadão pode ser, em tese, fornecedor de notícias. O mérito da Mídia Ninja é reunir alguns desses cidadãos num projeto comum” disse, ressabiada, a jornalista e net-cidadã Cora Rónai. É nisto que reside a ruptura trazida pela Mídia Ninja. Não é um grupo de comunicação ou um partido ou um veículo, é um aglomerado transitório de pessoas agrupadas por afinidade que se deram conta do poder de que agora dispõem — o de decidir o quê e como querem consumir, e produzir, informação.

Este é um mau presságio para o futuro da indústria da informação (que anda caindo do pedestal) — e também para a indústria editorial, fonográfica ou qualquer setor econômico que viva de formatar e vender ideias (ou, vá lá, “cultura”). Esse novo poder dos espectadores/leitores, que agora geram e compartilham conteúdo, significa (em termos do século passado) que os “meios de produção” passaram para a mão dos consumidores. As pessoas estão trocando a qualidade HD do telejornal pelas imagens tremidas e depoimentos desconexos transmitidos por celulares. Porque isso lhes dá (a sensação de) poder. Porque isso lhes faz sentir que não estão mais na ponta inferior da cadeia de consumo, estão no centro de uma rede (e, na rede, qualquer ponto é o centro). Porque agora têm voz. Quem assiste à Mídia Ninja não está reclamando da falta de edição — está celebrando a edição pessoal, está “libertando sua narrativa”.

“Não só os jornalistas é que têm de apreender (sim, o verbo é ‘apreender’) com essa nova maneira de dar (e receber) a notícia. Os escritores idem, por favor, abram os olhos. Para fora das academias. Das grandes editoras. É preciso, sempre, fazer alguma coisa.”, disse Marcelino Freire, um autor que passou do mimeógrafo para as grandes editoras e quer ir além.

Se os autores devem abrir os olhos, os editores devem arregalá-los. Em tempos de transição de poder para o leitor (autopublicação, crowdsourcing etc) e novas formas de consumir ideias e narrativas (livres ou não, em livro ou não) logo será necessário escolher entre ser Ninja (ágil, múltiplo e engajador) ou Kamikaze (e morrer honrosamente pela glória de um império sem futuro). Banzai!

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

Publicidade

BR75

A BR75 desenvolve soluções personalizadas de criação e edição de texto, design gráfico para publicações impressas e em outras mídias e coordena sua produção editorial. Cuidamos de todas as etapas, conforme as necessidades e características de seu projeto, e sua empresa ganha em eficiência e qualidade. Quer saber mais? Fale com a gente ou agende uma visita!

Leia também
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Para Julio Silveira, o primeiro passo para sair da crise é afastar-se do que não funciona
Em sua coluna, Julio Silveira faz sua análise da atual crise do mercado editorial e conclui: 'Se é forte a crise, mais forte é o livro'
Como editores e profissionais da ideia podem prosperar em tempos em que a informação parece não valer nada?
Julio Silveira faz balanço da Flip, elogia a curadoria de Josélia Aguiar e dá força para a criação da 'federação de festivais', ideia proposta durante mesa na Casa PublishNews
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
A PublishNewsTV dessa semana conversou com Fernando Nuno, músico, jornalista e editor responsável pelo famoso Círculo do Livro
Na crônica desse mês, Luciana Pinsky narra o efêmero relacionamento de duas pessoas que mantiveram um relacionamento virtual, com raros, "mas sempre muito desejados" encontros presenciais
Cinthia Favilla, gerente da Bienal de SP, participa do programa para falar das novidades do evento que acontecerá em 2020. Programa traz ainda relato dos bastidores da operação de Felipe Neto na Bienal do Rio.
Toda semana você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
O consumidor não quer se comunicar com uma empresa. Ele quer falar com o autor.
Carolyn Reidy
Presidente da Simon & Schuster
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar