Publicidade
Publicidade
Vendendo para nativos
PublishNews, 14/02/2013
Vendendo para nativos

Uma próxima geração de compradores, 100% digital

Em alguns anos o mercado consumidor e a própria sociedade vão ser compostos por nativos digitais. No fim da década chega à idade adulta a chamada Geração Z. Esses adolescentes de hoje não precisaram migrar dos LPs ou CDs para a música digital, não precisaram migrar dos livros para e-books. Têm uma vida social baseada na mídia social. O que os adultos da geração Z vão querer consumir? E produzir?

Para pertencer à geração Z, é preciso ter nascido por volta do ano 200’. E, para haver uma geração Z foi preciso primeiro, há 50 anos, que um canhão disparasse elétrons em um tubo de ultra vácuo a um preço que a classe média pudesse pagar. A popularização da televisão — máquina doméstica de comunicação em massa — permitiu a formação de uma geração única — a primeira geração eletrônica. Meninos e meninas que cresceram com a televisão tiveram pela primeira vez acesso a uma cultura coletiva, dinâmica, instantânea, e (minimamente) global e plural. Os que nasceram nessa geração tinham uns 20 anos em 1968, quando parecia que a revolução havia chegado.

Em 1968, McLuhan tinha acabado de escrever que a (recém-nascida) tecnologia eletrônica e os meios de comunicação tinham conferido àquela geração, a primeira “circuitada”, o poder e a disposição para revolucionar — a cultura, a política, a educação. Era a geração que iria mudar tudo; que poderia mudar tudo; que não mudou. A euforia revolucionária dessa primeira geração eletrônica em 1968 não durou até a virada da década (e, no Brasil, foi logo abreviada com o AI5). No começo dos anos 1970, a geração que iria mudar tudo, sossegou (ou foi sossegada à força) e começou a gestar a geração seguinte. Tiveram filhos.

Carlo Carrenho, Ronaldo Lemos, Cory Doctorow, eu, entre tantos outros, pertencemos a essa geração: somos os filhos da geração circuitada. Não somos a primeira geração eletrônica, e tampouco somos a primeira geração digital. Nossa marca é a transição. Nascidos nos anos 1970, já fomos criados com a televisão ligada e, na infância, assistimos a ascensão e obsolescência das novas tecnologias: VHS, CDs, Fax, Videogames, DVDs, TV a cabo. Na adolescência, vimos chegar os primeiros (micro)computadores (pessoais) com seus iniciáticos discos de 8 polegadas. Já éramos gente grande quando enfim chegou a internet, e ainda estamos entendendo o que ela pode, o que isso significa. Fizemos, e ainda estamos fazendo, a passagem, do analógico para o imaterial. Tivemos que aprender que nossa música prescinde de LPs e CDs; que nossas imagens não precisam mais ser reveladas (ou fixadas em papel); que livros são o texto, não a pilha de papéis que os contém; que as mensagens levam para chegar apenas o tempo do raio da onda luminosa. Entre céticos e deslumbrados, apocalípticos e integrados, somos a geração que poderá ver, em nossos filhos, concretizada a profecia de McLuhan proferida originalmente para geração de nossos pais — a da “circuitação eletrônica” redentora, vulgo internet.

A geração Z, a geração de nossos filhos — os filhos dos filhos da primeira geração eletrônica — não precisou de transição, já nasceu digital. O espanto e a curiosidade da minha filha diante de um toca-discos não tem paralelo com meu espanto diante de um gramofone. Meu caso é de evolução, o dela é de salto. O imaterial proporciona um câmbio de poder, não há mais sujeição. É difícil explicar a meu filho que a música no rádio não pode ser repetida, que temos que assistir, na televisão, o que outra pessoa decidiu. Para ele, músicas e filmes não têm limitação — estão o tempo todo, e em todo lugar (Netflix, no telefone do pai, no iPad da mãe, no tablet da avó). Os novos habitantes deste planeta já são produtos de uma cultura do “ilimitado”. Não há restrições de tempo, distância ou mesmo custo. Nada é palpável, estocável — e tudo é acessível. O valor também se relativiza — quando tudo está o tempo todo para todos, não há mais cânone, não há mais nicho. Para quem nasceu com o milênio, as crianças e adolescentes da tal Geração Z, o cabedal acumulado da expressão humana está à distância e custo de alguns cliques.

O que farão com esse inédito poder esses meninos e meninas que em poucos anos serão adultos? Veremos cumprida enfim a profecia da circuitação eletrônica McLuhiana? A imaginação tomará por fim o poder?

Há quem aposte que não. Para os desesperançados como Nicholas Carr, a geração Z seria a “Geração superficial” que, num pacto mefistotélico, ganhou acesso a uma cornucópia de cultura e deu em troca sua capacidade de concentração e reflexão. Cada um na sua bolha virtual, satisfeitos como Jonas na Baleia, zanzam sonâmbulos e alheios por um mar de informações sem saber o que fazer com elas.

Talvez essa seja a questão. Geralmente quando um grupo acusa o outro de alienação é porque ambos já estão irremediavelmente em ambiente diferentes. O ambiente dos nativos digitais não é o mesmo dos seus pais. É bem mais amplo. Nicholas Carr, alguns pais angustiados e outros detratores da geração Z estão talvez lamentando o fim de uma tradição imemorial, a do pensamento sequencial, lógico. Se encararmos a geração Z pelo ponto de vista eufórico, this is (enfim) the dawning of the Age of Aquarius. Na era do pensamento paralelo, multitarefa preemptiva, o déficit de atenção seria considerado um superávit de criatividade. Andar por aí portando Google Glasses não seria encarado como solipsismo, e que a realidade aumentada e a virtual seriam complementos de poder, e não substitutos à “realidade” tangível.

Em mais alguns anos, a geração Z vai ser adulta, vai ocupar o mercado de trabalho, vai deter o poder econômico. Solipsistas comunitários, viciados-em-gratificação-instantânea engajados com utopias, individualistas compartilhadores compulsivos, locais globalizantes, iconoclastas curiosos, multifuncionais dispersos, artesãos tecnológicos, panteístas nerds. A sociedade, a cultura e a economia serão o que a Geração Z for.

Julio Silveira é editor, escritor e curador. Fundou a Casa da Palavra em 1996, dirigiu a Nova Fronteira/Agir e hoje dedica-se à Ímã Editorial, que investiga a publicação digital e transmídia. Dirige o projeto “NossaLíngua.Doc” que documenta e estimula as conversas mundiais em português, em mídia social, livros e filme. É promotor de festivais de literatura e atual curador do LER, Salão Carioca do Livro.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Portugal reabre livrarias e editoras brasileiras já podem participar da retomada
Em sua coluna, Julio Silveira fala sobre sua experiência na Feira do Livro de Lisboa que aconteceu mesmo com a pandemia do novo coronavírus
Livrarias italianas podem abrir, mas não querem; letãs querem abrir no fim de semana, mas não podem; francesas não podem vender, mas também não deixam a Amazon tomar seu espaço: como o livro europeu se vira com o vírus
Em sua coluna, Julio Silveira relata como Portugal e em especial, editores e livreiros, estão lidando com a pandemia da covid-19
Julio Silveira anda dividindo seu tempo entre o Brasil e Portugal. Da 'Terrinha', resolveu começar uma série de artigos para a sua coluna no PublishNews. Nesse primeiro, conta como é o negócio do livro em terras lusas.
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Podcast do PublishNews recebe a empresária e o jornalista para falarem sobre o livro 'Luiza Helena - Mulher do Brasil' (Gente), obra que, segundo Bial, pode virar filme em breve
Todas as sextas-feiras você confere uma nova tira dos passarinhos Hector e Afonso
O romance 'Jamais subestime os peões – eles valem uma rainha', de Celina Moraes, conta a luta de Raquel na busca de seus sonhos após uma desilusão amorosa, recriando o Brasil dos anos 1980 e 1990 como cenário dessa jornada
Podcast do PublishNews conversou com a ex-secretária-executiva do Plano Nacional do Livro e Leitura e atual candidata a deputada federal pelo Cidadania
Em sua crônica do mês, Luciana Pinsky fala sobre a percepção que cada pessoa sobre o tempo
A literatura insinua e coloca questões muito mais do que as responde ou resolve.
Milton Hatoum
Escritor brasileiro
Publicidade
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar