Publicidade
Publicidade
Literatura e mobiliário urbano
PublishNews, Gustavo Martins de Almeida, 18/04/2023
Em novo artigo, Gustavo Martins fala sobre o potencial das interações culturais com mobiliário urbano e como isso poderia ser melhor aproveitado no Brasil

Pode parecer incomum o título do artigo, mas o acaso traz ideias e acesso a novos conceitos nessa área, que soam estranhos quando unidos.

Direto ao ponto. O principal prédio da Biblioteca Pública da cidade de Nova Iorque, chamado Stephen A. Schwarzman Building, fica na 5ª Avenida, com a Rua 42; há outros 87 prédios espalhados pela cidade. Na calçada da Rua 41, pela qual também se acessa a Biblioteca, já visualizando o imponente prédio ao fundo, a cada 10 metros o público se depara com algumas placas de metal, incrustadas no chão, cada uma com uma citação literária, dos mais diferentes autores e estilos.

Assim, quem se dirige ao prédio principal da Biblioteca já vai tendo o gosto de ler citações clássicas e contemporâneas, como de Hamilton, Descartes e Picasso, mostradas nas fotos a seguir.

A ideia é altamente salutar, pois o caminho para o prédio já estimula a curiosidade e atração, fazendo da calçada incomum suporte físico de leitura variada, durante o caminho, integrando literatura a mobiliário urbano.

E mesmo quem não se dirige ao prédio observa essas placas, num caso típico de interferência no entorno de imóvel relevante histórica e socialmente, fazendo da calçada elemento de interação com prédio público, estimulando sua visitação.

Em paralelo, o potencial de interações culturais com mobiliário urbano das cidades brasileiras com a população ainda não foi aproveitado, havendo espaço. As fachadas e empenas de prédio se prestam a murais, de visão mais destacada.

Mas talvez essa intervenção setorial, como na adoção de quarteirões, ou cartazes em postes, possa ser estudada e desenvolvida no Brasil.

Já tive oportunidade comentar que o tempo de espera do público, parado nas estações de metrô, olhando para parede vazia, poderia ser ilustrado citações literárias – em domínio público para evitar problemas de eventuais questionamentos – enquanto os trens não passassem.

Também nos vagões as citações poderiam ser veiculadas nos monitores de vídeo.

São ideias simples, mas que despertam a atenção de quem gosta de literatura e dão oportunidade aos que desconhecem de entrar em contato com o novo.

Evoluindo no conceito, outra ideia que vi no Lincoln Center e outros teatros. Para se evitar a inclusão de marcas de patrocinadores em prédios tombados, a exibição desses sinais por meio da projeção de imagens contorna a exigência de preservação física do prédio, na medida em que a imagem é temporária e não afeta a estrutura ou acabamento dos prédios.

A vida pulsante dos grandes centros urbanos permite o saudável aproveitamento do mobiliário, sem afetar a estética do imóvel e de seu entorno.

Com a anunciada retomada do patrocínio via Lei Rouanet, presume-se que novos empreendimentos surgirão, e a criatividade, tanto no mundo físico, quanto no virtual, pode e deve ser utilizada, ainda mais em cidades que geram e fazem repercutir ideias no país.

As fotos permitem ver o chão de letras que se calçou em Nova Iorque. Quem sabe a proximidade de livrarias e bibliotecas possa ser sutilmente transmitida aos passantes?

Gustavo Martins de Almeida é carioca, advogado e professor. Tem mestrado em Direito pela UGF. Atua na área cível e de direito autoral. É também advogado do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e conselheiro do MAM-RIO. Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida aborda os reflexos jurídicos das novas formas e hábitos de transmissão de informações e de conhecimento. De forma coloquial, pretende esclarecer o mercado editorial acerca dos direitos que o afetam e expor a repercussão decorrente das sucessivas e relevantes inovações tecnológicas e de comportamento. Seu e-mail é gmapublish@gmail.com.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
O direito de autor de obra literária de conservá-la inédita é absoluto? Esse direito passa para seus herdeiros com a sua morte?
Em novo artigo, Gustavo Martins de Almeida aborda o projeto de lei que visa regular o uso da inteligência artificial e discute a polêmica por trás da pergunta
Lei de Acesso à Informação ainda não foi estudada sob o novo ângulo dos usos da inteligência artificial, de recriação e abertura de arquivos, comportando enorme potencial de debate e repercussão no segmento de informação
Em novo artigo, Gustavo Martins de Almeida discorre sobre o "grande lance do futuro" ser "redescobrir o passado"
Em seu artigo, Gustavo Martins traz novos aspectos que envolvem o uso da inteligência artificial e esclarece dúvidas sobre a autoria das obras
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
As ruas foram tomadas por um público leitor majoritariamente jovem que me deu esperança de um futuro urgente
Publicado pela Giostri, 'Brancos não sabem pedalar', de Vanderson Castilho Munhoz, se passa em 2035, em um Brasil governador por um ditador que apoia o domínio no futebol brasileiro do Clube de Regatas Flamengo
Obra escrita por Paula Carminatti faz parte da duologia 'Ária de Yu'
Escrita por Juily Manghirmalani, 'Vivências asiático-brasileiras: raça, identidade e gênero' aborda questões como identidade cultural, autorreconhecimento, conflitos geracionais e construção de mitos sobre os povos asiáticos
Alguns livros devem ser degustados, outros engolidos e apenas alguns poucos devem ser mastigados e digeridos.
Francis Bacon
Político, filósofo e ensaísta inglês (1951-1626)
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar