Publicidade
Publicidade
Disciplina e método
PublishNews, Leonardo Garzaro, 03/04/2023
Amyr Klink certamente irá discordar, mas considero a improvisação muito mais importante do que o planejamento

Ano após ano, estou entre os últimos a entregar a declaração de Imposto de Renda. Dizem que cada dia é único e imprevisível, que ninguém conhece o futuro, mas posso prever alguns acontecimentos. Em dezembro, teremos o especial de fim de ano do Roberto Carlos, que será igual a todos os outros, mas a família vai assistir e dizer que foi mágico e único. Em outubro, algum jogador europeu será anunciado como o ganhador da Bola de Ouro, e os comentaristas esportivos irão rever as jogadas de Ronaldo, Ronaldinho e Kaká e mencionar nossas duas décadas sem Copa. Em maio, faltando apenas 24 horas para o fim do prazo para a entrega da declaração do Imposto de Renda, os portais de notícias anunciarão que 100 mil pessoas deixaram para a última hora. Eu estarei entre elas. Não fosse por mim, os jornalistas anunciariam que 99.999 pessoas ainda não entregaram a declaração.

O curioso é que estou sempre entre os últimos, mas não assumo. Faltando uma hora para o prazo se encerrar, lá estou eu procurando o recibo do dentista, o CNPJ da escola das crianças, o nome completo do pediatra. Critico o banco, por não ter me enviado um saldo, e o plano de previdência, por ser confuso. Entregar a declaração de imposto de renda é como cortar o fio que desliga a bomba nos filmes de ação. Faltam dez minutos, cinco minutos, poucos segundos e lá estou eu, fio vermelho ou fio azul?, fio vermelho ou fio azul?, decidindo entre a declaração completa ou a simplificada. No fim, sempre dá tempo, e é por isso que sigo nessa vida. Dá certo! Ao respirar aliviado, contudo, prometo para mim mesmo que foi a última vez que entrei em tal desespero. E, não obstante os 20 anos de declarações transmitidas nos minutos finais, eu realmente acredito que no ano seguinte será diferente.

É a mesma coisa quando preparo um evento literário. Em setembro de 2022, organizei o “Mês da Rua do Sabão na Livraria Martins Fontes”. Seis encontros, dez convidados, pilhas de livros, fotos e anúncios nas redes sociais. Quase deixei o César, livreiro, louco. Os livros deveriam chegar com um mês de antecedência: em um dos encontros, chegou tudo faltando apenas uma hora. Verificar a previsão do tempo teria impedido os convidados da Maureen Miranda e da Helena T., incluindo a Letícia Spiller, que apareceu por lá, de serem encharcados por uma chuva torrencial. O convidado internacional, Geir Gulliksen, certamente estranhou ser acomodado em uma poltrona inadequada para o seu tamanho — descobri, no dia do evento, que o homem tem mais de 1,90 m!

Escrevendo assim, parece que foi uma tragédia, mas deu tudo certo. Claro que estou exagerando. Quem foi, adorou. A livraria foi movimentada, os leitores se engajaram nas redes sociais, o César pediu para repetirmos em 2023. Conheci um monte de gente legal, entre eles os amigos do Biajoni, que são a turma mais simpática da cidade. Após o último encontro, um bate-papo sobre Cervantes com a professora Thais Manzano, conclui que o evento foi um experimento, um aprendizado. No próximo, faria muito melhor. Eu tinha aprendido com os pontos falhos. Da próxima vez, seria super organizado!

Pois é... Se eu tivesse escrito esta coluna em janeiro, afirmaria convicto que o novo evento estaria pronto com um mês de antecedência. No máximo, três semanas antes. Desde agosto do ano passado, eu conversava com a Distribuidora Loyola, e acertamos uma série de eventos na Livraria Drummond, que ainda seria inaugurada no Conjunto Nacional. Seria para março de 2023, e março de 2023 estava longe demais, em um futuro distante que contaria com carros elétricos e o trem bala ligando Rio e SP. Eu tinha tempo de sobra.

Adivinhem? Dia 18 começou o “Mês da Rua do Sabão na Livraria Drummond”. O primeiro convidado foi o escritor norueguês Simon Stranger, autor de Continuem dizendo seus nomes, acompanhado de seu tradutor, Leonardo Pinto Silva. Os livros chegaram na livraria no mesmo dia do evento e a nota fiscal faltando duas horas para começar. Na pressa, esqueci de avisar a Embaixada da Noruega, que reclamou, e de convidar o Vitor Tavares, ex-presidente da CBL e sócio da Livraria. Porém, os leitores compareceram, o autor foi tietado, e o Rodrigo, gerente da loja, gostou do resultado. Ainda deu tempo de levar o autor para comer pão de queijo e pizza de calabresa com caipirinha. Claro que ele amou. Entrou no hotel prometendo voltar em 2024 para visitar Paraty e a Flip — quem sabe, o tema de um novo livro.

O Amyr Klink vai discordar, mas considero a capacidade de improvisação muito mais importante do que a de planejamento. E, sem dúvida, muito mais divertida! Tenho certeza de que, se eu tivesse organizado tudo à exaustão, estaria escrevendo sobre como os planos no fim escapam. Eu tive um chefe que era um amplo defensor da ordem, e resumia seu método de trabalho nas palavras “disciplina e método”. Eu achava curioso ele manter a convicção, apenas dos baixos resultados. Da minha parte, prefiro estar afiado para improvisar. É como em uma luta: os golpes podem ser treinados, mas não se sabe como vai acontecer. Há sempre tantas variáveis envolvidas que o melhor é ter a capacidade de improvisação afiada. No meu caso, garanto que está afiadíssima!

A boa notícia é que o encontro com o autor norueguês foi apenas o primeiro. Teremos outros seis, para os quais está tudo pronto — ok, 90% pronto. Agora só preciso me preocupar com a Feira da Quatro Cinco Um, na qual a editora terá uma tenda e uma programação própria. Mas, como a feira é só em junho, tenho bastante tempo para organizar. Com um mês de antecedência, estará tudo pronto. No máximo, três semanas antes. Junho está longe...

Falando nisso, alguém aí sabe até quando vai o prazo para entrega da declaração do imposto de renda?

Leonardo Garzaro é escritor, editor e jornalista. Paulista, nascido em 1983, fundou diferentes editoras independentes e editou dezenas de livros. Seu primeiro romance, o infantojuvenil O sorriso do leão, teve os direitos vendidos para editoras de seis países, com traduções para o inglês, espanhol, turco e árabe. Alguns de seus contos foram publicados na premiada revista norte-americana Literal Latin Voices. É consultor de literatura brasileira das editoras Interzona, da Argentina; Arlequin Ediciones, do México; e Corredor Sur, do Equador. Lançou em 2022 O guardião de nomes, que foi elencado como um dos melhores romances de 2022 pelo Suplemento Literário Pernambuco.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
A editora havia sido inaugurada poucos antes quando um agente me trouxe a proposta: Que tal publicar o livro do rei do TikTok?
Ao saber que 20 artistas se reúnem para desenhar uma livraria, em um sábado pela manhã, sinto uma enorme esperança
O editor argentino Luciano Paez Souza se diz um afortunado por ter nascido não em um berço de ouro, mas sim em um berço de livros; ao conhecer a sua história, é difícil discordar
Segundo a ANL, o Brasil tem 2.972 livrarias, 1.167 em São Paulo. Esta é a história de uma delas
Seria difícil explicar para meu amigo Sherif Bakr, que veio do Egito para o Rio, com escala em Doha, que eu não conseguiria ir até o Rio
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Editoras dos selos Verus e Harlequin conversaram sobre as mudanças nas editoras, as características dos gêneros literários, sobre a negociação com os autores e autoras e outros assuntos
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
Tivemos o prazer de ler um livro carnavalizado e carnavalizando! E há quem diga que a literatura nacional naufragou...
Seção publieditorial do PublishNews traz lançamentos da Editora Vista Chinesa, Uiclap e um livro independente
Escrito por Marina Hadlich, 'Até essa comédia se tornar romântica' é uma história divertida e com uma personagem que ultrapassa as páginas e conversa diretamente com o leitor
Viver é fazer poesia
Leide Moreira
Poeta brasileira
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar