Publicidade
Publicidade
A matéria da qual são feitos os melhores livros
PublishNews, Leonardo Garzaro, 28/02/2023
Parte significativa dos livros traduzidos e publicados, dos autores premiados, dos sucessos de vendas vieram de encontros improváveis

Eu estava em Sharjah, em um ônibus a caminho do deserto, sem saber ao certo como lá havia chegado. Explico melhor: primeiro, havia me inscrito no Brazilian Publishers (BP), um programa excelente de internacionalização da literatura brasileira ligado à Apex. Depois, me candidatei e fui convidado para a Feira Internacional do Livro de Sharjah, uma grata surpresa, principalmente pelas despesas todas pagas. O resto era tentar acompanhar a programação, que envolvia atividades do café da manhã ao jantar.

Quando voltava para o quarto, era o tempo de tomar um banho e me atirar na cama. E dormir mal, como sempre, nos quartos de hotel.

Foi justamente por isso que só notei no terceiro dia o papel com a programação cultural: passeio no deserto, visita às ruínas, observação em telescópios. Era essa a sensação principal da visita: batalhava o dia todo e estava perdendo tudo! Correndo atrás do prejuízo, escrevi para a Majd Alshehhi, uma das organizadoras do evento e ponto de contato dos brasileiros. Ela respondeu que o ônibus para o passeio do deserto sairia em 20 minutos! Foi assim que, atrasado como sempre, cheguei esbaforido para me juntar ao grupo.

O ônibus tinha o forro todo vermelho, com algumas fitas coloridas penduradas próximas do motorista. O guia trajava o dishdasha e óculos escuros. E, como se já não houvesse surrealismo o bastante, foi lá que conheci o German Baquiola, editor argentino.

Estávamos sentados comportadamente no ônibus, à espera do que viria. Atraindo todos os olhares, passou por nós uma figura grande e despachada, alto e loiro, com o celular na mão. Ele começou a falar com o motorista, em inglês, e explicar que queria conectar, via bluetooth, o aparelho ao sistema de som do ônibus. O motorista gesticulava, German gesticulava de volta, e estava bem óbvio que ninguém se entendia. Não daria certo. De repente, o ônibus foi inundado pelo som do David Bowie, This is not America, e German abaixou os óculos escuros para explicar a escolha musical: “Well, this is not America”, disse, apontando para o deserto.

Não parou por aí. Sem que ninguém houvesse perguntado, começou a contar sua história no mercado editorial. Como foi obrigado a deixar a Argentina, quando Macri foi eleito prefeito de Buenos Aires, por conta da perseguição política que o deixou desempregado. Como passou pelo Chile, Colômbia e Peru, conectando editores ao seu projeto e a sua figura. E como chegou ao Equador, com mil dólares, para fundar uma editora e uma livraria em um país com na época 15 milhões de habitantes e terríveis marcas de consumo de livros por habitante.

Neste ponto, estávamos todos interessados, e ele seguiu conferenciando enquanto Bowie cantava. Contou que, chegando ao Equador, descobriu existirem menos de cinco editoras e livrarias no país, e que a grande paixão nacional era a dança. Criou, assim, o Bailando con Libros, um programa que convidava as pessoas a dançarem dentro da livraria. Simples assim: entrou na livraria e dançou uma salsa completa, ganhou um livro. Uma ideia tão surreal que acabou dando certo, no melhor estilo realismo mágico. German terminou sua apresentação contando que, em 2020, o número de editoras e livrarias do Equador já passava de 30. Batemos palmas, entusiasmados.

Parecia que ia acabar aí. Foi neste ponto que German revelou seu truque: convocou os editores tranquilamente acomodados no ônibus a se levantarem e, como ele fizera, apresentar sua editora, sua história no mercado dos livros, como haviam chegado em Sharjah. Num instante, eu estava de volta à quinta série, sendo intimidado a participar do jogral. Tive que explicar de onde tirei o nome da editora Rua do Sabão e ouvir algumas histórias sem graça dos editores da Holanda e da Eslovênia. Fiquem sabendo: legais mesmo são os sulamericanos.

Claro que ficamos amigos. Tal qual parceiros de longa data, idealizamos um projeto de integração cultural chamado Portunhol Selvagem. No dia seguinte, entramos no mesmo táxi, no outro, no mesmo ônibus, e, adivinhem? O táxi faria uma corrida de 20 minutos e lá estava German pedindo que o motorista sincronizasse o bluetooth do rádio ao do celular dele para tocar David Bowie. No ônibus, a caminho da Cidade do Livro (Sharjah Publishing City), em meio aos editores egípcios e outro grupo de desconhecidos, lá ia ele repetir a mesma cena, explicando a seleção musical porque, “Well, this is not America”, contando do Bailando con Libros e instigando todos a se apresentarem.

Encontrei German novamente em reuniões virtuais, nos meses seguintes, iniciamos nossos projetos, marcamos um encontro que não deu certo. Em maio próximo, pretendo encontrá-lo na feira do livro de Buenos Aires.

Sei que parte significativa dos livros traduzidos e publicados, dos autores premiados, dos sucessos de vendas, vieram de encontros casuais, inesperados — mágicos, para usar uma palavra que gosto bastante. Se tivesse entrado em outro ônibus, ou ido a Sharjah em outro ano, ou ficado doente, não o teria conhecido. E não teríamos a publicação de Marco Lucchesi e Maureen Miranda na Argentina e Equador, de Roxana Landívar e Santiago Craig no Brasil, de tantos livros que faremos juntos.

Os melhores livros são feitos de coincidências. Quando passamos por uma pilha de livros, testemunhamos pequenos milagres.

Leonardo Garzaro é escritor, editor e jornalista. Paulista, nascido em 1983, fundou diferentes editoras independentes e editou dezenas de livros. Seu primeiro romance, o infantojuvenil O sorriso do leão, teve os direitos vendidos para editoras de seis países, com traduções para o inglês, espanhol, turco e árabe. Alguns de seus contos foram publicados na premiada revista norte-americana Literal Latin Voices. É consultor de literatura brasileira das editoras Interzona, da Argentina; Arlequin Ediciones, do México; e Corredor Sur, do Equador. Lançou em 2022 O guardião de nomes, que foi elencado como um dos melhores romances de 2022 pelo Suplemento Literário Pernambuco.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
Com 30 mil leilões realizados, Vera Nunes é referendada por colecionadores e concorrentes como a mais importante negociante de livros raros em atividade no Brasil
Aos autores consagrados, só posso dizer: desistam. Uma vez publicado, um livro não mais pertence ao autor
A editora havia sido inaugurada poucos antes quando um agente me trouxe a proposta: Que tal publicar o livro do rei do TikTok?
Ao saber que 20 artistas se reúnem para desenhar uma livraria, em um sábado pela manhã, sinto uma enorme esperança
O editor argentino Luciano Paez Souza se diz um afortunado por ter nascido não em um berço de ouro, mas sim em um berço de livros; ao conhecer a sua história, é difícil discordar
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Seção publieditorial do PublishNews apresenta livros publicados no Clube de Autores e na Uiclap
Composta por sete livros repletos de ação e aventura, a saga gira em torno de um império autocrático que ameaça tanto a Terra quanto a própria humanidade
2ª edição de 'Somos todos importantes nos caminhos da sustentabilidade' (Clube de Autores), de Maria Rosana Navarro​, chega atualizada e revisada após quase 12 anos
Entrevista tentou evitar alguns lugares-comuns que se criaram nos últimos tempos e procurou focar em usos específicos e indicações para profissionais do mercado do livro e interessados nesses processos
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
A leitura é o que pode nos fazer mais iguais, inclusivos, plurais e democráticos.
Lilia Moritz Schwarcz
Escritora brasileira
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar