Publicidade
Publicidade
As origens do "?!"
PublishNews, Gustavo Martins de Almeida, 16/07/2020
Gustavo Martins de Almeida ficou curioso e foi atrás dos porquês de os pontos de ? e de ! indicarem interrogação e exclamação respectivamente! Por que?

A idade parece aguçar a curiosidade (do latim curiositas, segundo o dicionário Gaffiot, desejo de informação, sede de conhecimento), e subitamente os assuntos aparentemente banais suscitam e instigam o desejo de conhecer a sua essência.

Um dia me pergunto quais os motivos do símbolo “!” significar exclamação, e o “?”, interrogação. O que teria levado, na simbologia e na ortografia, a se considerar que esses sinais transmitiriam esses sentimentos, sensações ou impressões a respeito do texto escrito.

A resposta foi mais simples do que parecia. Primeiramente, a exclamação; em inglês, exclamation mark, em francês, point d'exclamation! Como diz Liselotte Pasques, uma guinada para uma entonação exclamativa na frase. As pesquisas feitas apontam para a existência de uma palavra em latim, significativa de alegria, entusiasmo; “io” (cri de joie, de triumph dans les fêtes, trad. Grito de alegria e triunfo nas festas, Dictionnaire Gaffiot Latin Français, 1934). Daí derivariam as palavras joy, em inglês, e joie, em francês, ambas significando alegria. Pois bem, por volta de 1400 essa palavra era utilizada ao final do texto que transmitisse a sensação de alegria, gáudio, júbilo e foi evoluindo de “io” postas as letras lado a lado, para um “I” com um pequeno “o” situado logo abaixo, e daí a representação teria evoluído (ou involuído) para o ponto de exclamação, como hoje utilizamos. Alpoleio da Urbisaglia, poeta italiano que viveu no século XIV, teria escrito o livro “Ars punctuandi”, Arte da Pontuação no qual se jactaria de ter criado o “admiration point”.

A literatura registra que Swift (1719) e Shakespeare (1611) usaram a expressão, notes of admiration, como precursora do ponto de exclamação, como, por este último, em The Winter´s tale, “The changes I perceived in the King and Camillo, were very notes of admiration”. (Dictionary of Early English, Joseh Tipley). Segundo a história, somente em 1970 as máquinas de escrever passaram a ter pontos de exclamação nos teclados. Portanto, história simplinha!

O ponto de interrogação; question mark em inglês, point d'interrogation em francês, tem história parecida. Nas frases com o sentido de questionamento, de indagação viria ao seu final a palavra latina “quaestio”, que significa questionamento. E a evolução (ou, novamente, a involução) dessa palavra, que se tornou símbolo, está retratada nessa imagem encontrada na internet. O quaestio foi se reduzindo e o “q” se encontrando com o “o”, a ponto de um ficar sobre o outro de forma estilizada, formando o símbolo “?”.

Um aspecto curioso reside no fato de, em espanhol, tanto as frases afirmativas, quanto as interrogativas serem precedidas, respectivamente, de pontos de exclamação e interrogação, invertidos. ¿Qual o motivo?

¡Ora, para permitir ao leitor identificar qual a entonação usará, se de indagação ou afirmação!

Já as aspas, em inglês quotation mark, em francês guillemet, como nós sabemos, são os símbolos duplos que indicam, basicamente, uma citação, transcrição, gíria ou palavra estrangeira, colocadas no início e fim desses textos ou palavras. Aspa vem de Haspa, segundo as fontes, dobradura ou uma cruz. Daí possivelmente as aspas de formato «».

O curioso é a sua origem francesa. O impressor e tipógrafo Guillaume Le Bè (Troives 1526 – Paris 1598) era famoso por seus textos em hebreu e foi discípulo de Garamond (sim, o da fonte). Segundo os textos, ele teria inventado esse sinal para indicar citação, daí o batismo do símbolo com o diminutivo do seu nome “guillemet”; “entre guillemets” significando “entre aspas”.

Em português são usadas as aspas curvas “ “, e não as angulares «», mencionadas acima. Procurei nas regras de ortografia e pontuação brasileiras recentes e, salvo engano, não achei nada além do aqui referido, sobre as aspas.

Por último, o itálico, tão usado aqui, também se usa na grafia de palavras estrangeiras e se origina no tipo gráfico em forma de letra cursiva, que o célebre gravador e impressor veneziano Aldo Manunzio (1449 – 1515) criou.

Então, por ora, ponto final!

Gustavo Martins de Almeida é carioca, advogado e professor. Tem mestrado em Direito pela UGF. Atua na área cível e de direito autoral. É também advogado do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e conselheiro do MAM-RIO. Em sua coluna, Gustavo Martins de Almeida aborda os reflexos jurídicos das novas formas e hábitos de transmissão de informações e de conhecimento. De forma coloquial, pretende esclarecer o mercado editorial acerca dos direitos que o afetam e expor a repercussão decorrente das sucessivas e relevantes inovações tecnológicas e de comportamento. Seu e-mail é gmapublish@gmail.com.

** Os textos trazidos nessa coluna não refletem, necessariamente, a opinião do PublishNews.

Publicidade

A Alta Novel é um selo novo que transita entre vários segmentos e busca unir diferentes gêneros com publicações que inspirem leitores de diferentes idades, mostrando um compromisso com qualidade e diversidade. Conheça nossos livros clicando aqui!

Leia também
O direito de autor de obra literária de conservá-la inédita é absoluto? Esse direito passa para seus herdeiros com a sua morte?
Em novo artigo, Gustavo Martins de Almeida aborda o projeto de lei que visa regular o uso da inteligência artificial e discute a polêmica por trás da pergunta
Lei de Acesso à Informação ainda não foi estudada sob o novo ângulo dos usos da inteligência artificial, de recriação e abertura de arquivos, comportando enorme potencial de debate e repercussão no segmento de informação
Em novo artigo, Gustavo Martins fala sobre o potencial das interações culturais com mobiliário urbano e como isso poderia ser melhor aproveitado no Brasil
Em novo artigo, Gustavo Martins de Almeida discorre sobre o "grande lance do futuro" ser "redescobrir o passado"
Publicidade

Mais de 13 mil pessoas recebem todos os dias a newsletter do PublishNews em suas caixas postais. Desta forma, elas estão sempre atualizadas com as últimas notícias do mercado editorial. Disparamos o informativo sempre antes do meio-dia e, graças ao nosso trabalho de edição e curadoria, você não precisa mais do que 10 minutos para ficar por dentro das novidades. E o melhor: É gratuito! Não perca tempo, clique aqui e assine agora mesmo a newsletter do PublishNews.

Outras colunas
Todas as sextas-feiras você confere uma tira dos passarinhos Hector e Afonso
As ruas foram tomadas por um público leitor majoritariamente jovem que me deu esperança de um futuro urgente
Publicado pela Giostri, 'Brancos não sabem pedalar', de Vanderson Castilho Munhoz, se passa em 2035, em um Brasil governador por um ditador que apoia o domínio no futebol brasileiro do Clube de Regatas Flamengo
Obra escrita por Paula Carminatti faz parte da duologia 'Ária de Yu'
Escrita por Juily Manghirmalani, 'Vivências asiático-brasileiras: raça, identidade e gênero' aborda questões como identidade cultural, autorreconhecimento, conflitos geracionais e construção de mitos sobre os povos asiáticos
O leitor nunca deve perceber, mas um parágrafo pode levar muito bem três horas para soar como se tivesse estado na ponta da língua.
Alain de Botton
Escritor e filõsofo suiço
Publicidade

Você está buscando um emprego no mercado editorial? O PublishNews oferece um banco de vagas abertas em diversas empresas da cadeia do livro. E se você quiser anunciar uma vaga em sua empresa, entre em contato.

Procurar

Precisando de um capista, de um diagramador ou de uma gráfica? Ou de um conversor de e-books? Seja o que for, você poderá encontrar no nosso Guia de Fornecedores. E para anunciar sua empresa, entre em contato.

Procurar

O PublishNews nasceu como uma newsletter. E esta continua sendo nossa principal ferramenta de comunicação. Quer receber diariamente todas as notícias do mundo do livro resumidas em um parágrafo?

Assinar